Xô Jaburu! | MUVUCA POPULAR

Quarta-feira, 20 de Junho de 2018

ARTIGOS Quarta-feira, 13 de Junho de 2018, 12h:43 | - A | + A




Xô Jaburu!

Xô Jaburu!

Heródoto Barbeiro

O cortejo seguiu pelas avenidas principais da capital do Brasil. O povo estava apinhado nas calçadas, gritava, aplaudia e mostrava todo o seu entusiasmo. Uns tentavam furar o cordão de isolamento e se agarrar no caminhão. O Rio de Janeiro vivia um dia de glória com exclusividade. O resto do pais só saberia muito mais tarde quando a revista O Cruzeiro chegava com muitas fotos e pouco texto. Os mais ligados na tecnologia acompanhavam através do rádio à válvula, onde verdadeiros poetas do microfone despejavam emoções pelo éter. Era um encantamento geral. A seleção voltou campeã do mundo. A partida final na Suécia e a conquista da Coup Jules Rimet era tudo o que o governo precisava para coroar o clima de otimismo que se espalhava pelo Brasil no final da década de 1950. O pilar dessa euforia era o presidente bossa nova, Juscelino Kubistchek, que estava construindo a toque de caixa uma nova capital para o país, que ele chamava de Capital da Esperança, Brasília. Os heróis da copa de 1958 foram recebidos no palácio presidencial no meio de uma multidão de penetras e papagaios de pirata. Tudo nas fotos de O Cruzeiro. 

Desta vez a capital do Brasil já era Brasília. O governo a duras penas vencia a resistência dos funcionários para se mudarem para a nova capital. Órgãos públicos esticavam o quanto podiam a permanência na Cidade Maravilhosa. O alto escalão de tudo não queria ficar isolado no planalto central, à mercê dos velhos DC3 da FAB. Ainda não existiam os jatinhos da Fabtur para as excelências do primeiro escalão. O presidente da república dava o exemplo. Ficava mais perto de Copacabana, suas areias, seu céu tão lindo, suas sereias sempre sorrindo.... João Goulart era o presidente de uma república parlamentarista, com primeiro ministro e tudo, mas tinha direito ao palácio do Catete, a célebre residência do presidente suicida Getúlio Vargas. O bicampeonato mundial de futebol, vencido pela seleção canarinho, também foi recebida no aeroporto com festas e um caminhão do corpo de bombeiros para desfilar pelas avenidas cariocas em 1962. Graças uma manobra dos cartolas e dos acólitos o desfile triunfal do bicampeonato de futebol desviou o seu trajeto e passou pelo palácio do Catete onde o presidente e uma multidão se agarraram nos jogadores. Estava escrito nas estrela, o Brasil era terra do futebol.

A seleção voltou da copa da Inglaterra, sem festas ou acenos. Foi eliminada na primeira fase. Um vexame tão grande quanto a derrota para a Alemanha por 7 a 1 na copa do Brasil. Mas o Brasil chegou a 1970 com novo ímpeto: Ninguém segura este país, dizia o ditador de plantão no Palácio do Planalto. Com time de craques o técnico Zagalo sequer precisou montar a equipe para o campeonato do México. Ela se auto geria. A conquista do tricampeonato antecipou o carnaval para junho e as ruas do Rio de Janeiro se encheram de admiradores fanáticos. Desta vez o Brasil tomou posse definitiva da taça Jules Rimet, pelo menos até que foi roubada da sede da Confederação Brasileira de Futebol. Ladrão que rouba ladrão... Os craques foram usados e abusados pela propaganda do governo militar e encaixados pelos marqueteiros da época como oriundos do "milagre brasileiro." Médici foi fotografado e filmado ao lado da mais espetacular equipe futebol que o país já tinha reunido. Para cada conquista os presidentes do Brasil, se confundiam com os jogadores no palácio. Quando o avião da Varig sobrevoou Brasília, uma esquadrilha de caças F5 da Fab fizeram a escolta. Enfim, nenhum dos governantes quis abrir mão desse momento de glória. Pelo menos até a copa da Rússia, quando a delegação não vai nem pisar no palácio do Jaburu. Por que será ?

Heródoto Barbeiro é editor-chefe e âncora do Jornal da Record News em multiplataforma.

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

comentários

coluna popular
Silval teria pago com dois apartamentos
Mesmo com salário de R$ 30 mil ela não quer pagar
Passagem dá duplo sentido e sugere suicídio
Selma Arruda e Nilson Leitão ficam de fora
Ciro Gonçalves é filho de ex-secretário de Lucimar

Últimas Notícias
20.06.2018 - 01:13
19.06.2018 - 18:46
19.06.2018 - 18:17
19.06.2018 - 17:03


Fábio Garcia

Ezequiel Fonseca

Vitório Galli

Valtenir Pereira

Neri Geller

Carlos Bezerra

Ana Poncinelli

Emanuelzinho

Professor Bispo

Barbudo

Rafael Ranalli

Cledison Gonçalves

Cel. Wanderson Nunes

Gisela Simona

Marco Marrafon

Antônio Carlos

Dr. Leonardo

Renato Gouveia

Max Campos

Carlos Naves

Renata Viana

Cabo Dr Laudicério

Vinícius Brasilino

Josair Lopes

Ícaro Reveles

Gordim Tur



Informe Publicitário