AS RELAÇÕES AFETIVAS do homem idoso | MUVUCA POPULAR

Segunda-feira, 18 de Junho de 2018

CURIOSIDADES Terça-feira, 29 de Maio de 2018, 19h:58 | - A | + A




VOZ DO IDOSO

AS RELAÇÕES AFETIVAS do homem idoso

Por: VOZ DO IDOSO

É importante situar o Universo que este homem que envelhece “está inserido”. Como são suas relações familiares, sua posição dentro desta família. Será que o lugar de provedor ainda continua?
Como são os seus vínculos com seus filhos, existe uma relação de trocas afetivas. Tem um lugar de respeito “dado a esta pessoa que transmitiu legados e lugares”.
Como são as trocas deste homem (afetivas sociais e de trabalho), que permeiam o seu imaginário que atravessa o fantasma “do envelhecer”.

Contemporaneidade

Cada vez mais o envelhecer, para o homem, na nossa sociedade vive um momento cheio de dúvidas e nuances. Assistimos constantemente ao bombardeamento midiático que prega a necessidade de nunca envelhecer, como se a juventude eterna fosse um compromisso com a vida e não corresponder a este padrão de máxima exigência fizesse do homem um “produto descartável”.

Fases do Envelhecimento

Ocorre se designar a velhice um período variado que abarca uma diversidade de estados físicos, mentais e de ânimo tão grande que se torna difícil operacionalizar o que é velho e o que é velhice. Devemos sempre pensar na subjetividade de cada pessoa, ou seja, envelhecemos como vivemos.
Os homens sempre tiveram dificuldades de transitar em outros âmbitos que não fossem o trabalho, viver a possibilidade de conhecer outros lugares é tarefa às vezes árdua. O homem começa a se preocupar e a perceber que os modelos antigos, dos pais, avós da família precisa também ser repensada. Como ele vai viver o lugar de avô, trabalhar as questões dos lugares da intergeracionalidade. Dar ao filho ou filha o lugar de adulto-fértil, aí nos remetemos à mitologia grega que fala do mito de Cronos, que comia os seus filhos para não ter que perceber a marca do tempo.
É importante falarmos dos lugares simbólicos que a paternidade propicia como “cuidador”, provedor, multiplicador da espécie. E também falarmos da sexualidade e da possibilidade de se viver também novos ou velhos afetos. Sim, é possível desconstruir antigas posições e reaprender com a vida que muda com o corpo que se transforma que amar vale muito. Sempre vale a pena.

Dorli Kamkhagi - Psicanalista Colaboradora do Laboratório do Envelhecimento do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas - FMUSP - Doutora em Psicologia Clínica Mestre em gerontologia.

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

comentários

coluna popular
Ciro é o quarto a tentar gerenciar
Pacote de regalias deve animar a côrte
Marrafon e Russi buscam aproximação com Mendes
A bola da vez fez com que muitos mudassem discurso
Reviravolta no tabuleiro político

Últimas Notícias
17.06.2018 - 23:16
17.06.2018 - 17:24
17.06.2018 - 17:15
17.06.2018 - 16:33


Fábio Garcia

Ezequiel Fonseca

Vitório Galli

Valtenir Pereira

Neri Geller

Carlos Bezerra

Ana Poncinelli

Emanuelzinho

Professor Bispo

Barbudo

Rafael Ranalli

Cledison Gonçalves

Wanderson Nunes

Gisela Simona

Marco Marafon

Antônio Carlos

Dr. Leonardo

Renato Gouveia

Max Campos



Informe Publicitário