Impasses não deixam greve acabar na UFMT  | MUVUCA POPULAR

Terça-feira, 11 de Dezembro de 2018

EDUCAÇÃO Terça-feira, 26 de Junho de 2018, 11h:00 | - A | + A




INCERTEZA

Impasses não deixam greve acabar na UFMT

Por: Redação

Nesta segunda-feira (25), o Conselho de Ensino e Extensão (Consepe) aprovou a revogação da suspensão do calendário acadêmico e definiu o retorno às aulas. Essa decisão está sendo questionada porque os universitários definiram na semana passada, que a paralisação seria mantida.

Alguns cursos de Cuiabá retomaram os estudos, entre eles Medicina e Direito. Outros, no entanto, decidiram manter a paralisação, como Psicologia e Medicina Veterinária. Ainda não há um levantamento oficial sobre a quantidade de cursos que retomaram ou não as aulas.

A greve dos estudantes ocorreu por conta do aumento no preço do Restaurante Universitário (RU). Antes o valor cobrado era R$ 1 simbólico dos estudantes no almoço e no jantar. Porém a reitora da instituição, Myrian Serra, estipulou que os valores saltariam para R$ 5, sob a alegação de que a instituição de ensino passa por dificuldades financeiras e não possui mais condições para subsidiar o custo da alimentação.

Com o impasse sobre o valor do RU, universitários passaram a ocupar a instituição e deflagraram greve estudantil. Em 14 de maio, o Consepe determinou a suspensão do calendário acadêmico da UFMT do primeiro semestre de 2018, decisão retroativa a 20 de abril, quando estudantes da universidade passaram a ocupar as guaritas e também os blocos.

Logo após o fim da suspensão ao calendário na reunião de semana passada, alguns conselheiros do Consepe afirmaram que a reunião aconteceu de modo irregular e sem ouvir a todos. Myrian Serra declarou que há um clamor social por parte de pais e estudantes para o retorno das aulas.

Posteriormente, os conselheiros protocolaram um pedido no conselho para que o ato seja anulado e, desta forma, a greve seja mantida até que haja um novo acordo.

O vice-presidente da Associação dos Docentes da UFMT (Adufmat), o professor Maelison Neves afirma que os docentes aguardam uma resposta da reitora sobre a suspensão do calendário acadêmico.

“Está acontecendo um impasse institucional, porque alguns professores querem a volta das aulas e os estudantes querem que seja mantido o movimento, até que haja uma resposta da reitora”, diz.

A assessoria de imprensa comentou que as aulas foram retomadas na instituição nesta segunda. Sobre o pedido de uma nova reunião do Consepe, a assessoria informou que não há nenhuma definição sobre o assunto.

 

 

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

(1) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

alexandre - 26-06-2018 11:20:08

Onde já se viu, estudante fazer greve, o ensino, já é de graça, agora querem comida ? RU é pra quem precisa, nenhum almoço saí a menos de 15,00, aqui fora, pra festa e cerveja nunca falta recursos.. o Estado, não tem que prover tudo, estudei na federal, pão com epa, cadê a manteiga, comida simples e honesta. Época de plantar e estudar. Política e ensino não deveria se misturar..

Responder

2
0


1 comentários