Líder busca assinaturas para implantar ações que auxiliem mulheres vítimas de violência | MUVUCA POPULAR

Quarta-feira, 20 de Junho de 2018

GERAL Segunda-feira, 04 de Junho de 2018, 15h:00 | - A | + A




ENTREVISTA DA SEMANA

Líder busca assinaturas para implantar ações que auxiliem mulheres vítimas de violência

Por: Larissa Malheiros

Em entrevista ao MPopular, a líder comunitária Joyce Lombardi explicou sobre a campanha que lançou de coleta de assinaturas para buscar projetos que auxiliem as mulheres vítimas de violência doméstica. Além disso, ela destaca que vai cobrar dos órgãos competentes a inserção de políticas públicas que amparem as vítimas.

Joyce conta que por muitos anos visualizou a violência doméstica, por atender várias mulheres em sua comunidade, e buscar ajuda para que essas vítimas recebessem atendimento e acompanhamento de um profissional.

No entanto, a líder explica que a violência se estende além do físico, mas também ao psicológico, deixando feridas duradouras, e que podem ser a maior sombra na vida dessas pessoas.

“O ambiente violento aumenta a violência, por isso nós dizemos que a violência doméstica e intra-familiar proporciona o incremento da violência geral na sociedade. É necessário destacar que crianças que crescem em um ambiente de violência, podem reproduzir o ato quando adultos. Por isso, é preciso implantar ações que previnam este processo dolorido nas vidas dessas famílias”.

Durante a entrevista ela também pontua a necessidade da delegacia da mulher funcionar os sete dias da semana, sendo que atualmente só abre de segunda-feira até sexta-feira. Porém, Joyce retrata que os bairros afastados dos grandes centros são os com maiores proporções deste tipo de violência. Como exemplo, ela cita que mulheres são agredidas nos finais de semana, pelo simples fato dos maridos ingerirem bebida alcoólica com maior frequência neste período da semana, assim quando as mulheres precisam buscar ajuda não conseguem. 

“É preciso restaurar a Delegacia especializada em Defesa dos direitos da Mulher para que essas atuem diretamente e exclusivamente a favor dos direitos e defesa da mulher, uma vez que na atualidade essas delegacias também cuidam de assuntos relacionados a família, aos Idosos (as), crianças, adolescentes”.

A campanha deve perdurar o mês de junho, e após a coleta de assinaturas o movimento irá protocolar no Ministério Público, afim de provocar o órgão para buscar ações de enfrentamento a violência contra mulher. Também devem entregar o manifesto ao governo do Estado, para que sejam revistas os formatos das delegacias e o atendimento a este tipo de tratameto.

Confira os principais trechos da entrevista:

Muvuca Popular – O que o movimento pretende com essas assinaturas?

Joyce - Projetos que auxiliem ações que combata essa violência, como exemplo: Criar políticas públicas eficazes para segurança e proteção das mulheres, que o Estado destine de recursos do orçamento para planejamento, implementação e execução de políticas públicas para as mulheres, bem como ampliar o orçamento anual para atender as demandas.

Muvuca Popular – Como explanar projetos que vão de encontro a luta contra violência da mulher?

Joyce - É preciso desenvolver nas escolas uma educação não sexista, apresentando os direitos das mulheres para sanar minimamente parte da crise social que estamos enfrentando. Temos que fortalecer as organizações não governamentais com liderança de mulheres; como exemplo os clubes de mães.

Muvuca Popular – Quais mecanismos o movimento acredita que pode fortalecer este enfrentamento?

Joyce - A criação de comissões em defesa dos direitos das mulheres nas comunidades, bem como, mecanismos de auto sustentação e fortalecimento, ampliar as redes de formação profissional, capacitação de ensino para as mulheres e inclusão no mercado de trabalho, fortalecer o centro de Direitos Humanos e justiça em favor da mulher entre vários que podem ser ditos.

Muvuca Popular – Cita ações que podem ajudar combater a violência da mulher?

Joyce - Restaurar a Delegacia especializada em Defesa dos direitos da Mulher para que essas atuem diretamente e exclusivamente a favor dos direitos e defesa da mulher, uma vez que na atualidade essas delegacias também cuidam de assuntos relacionados a família, aos Idosos (as), crianças, adolescentes; Ter profissionais femininas como legistas; Ter profissionais capacitados no PSF’s para atender mulheres vítima de violências; Ter mulheres que falem línguas de sinais nas maternidades, delegacias, PSF’s (posto de saúde da família) e hospitais; Casas de parto, bem como apoio psicológico para mulheres que sofreram violência obstétrica; Reestruturação a casa de apoio de mulheres que sofre de violência, existente na capital.

Muvuca Popular –  O que é primordial para que essas mulheres sejam assistidas?

Joyce - Implantar e executar núcleo especializado para atender as mulheres vítimas de violência nas delegacias, bases, postos, policiais dos bairros de nossa capital, bem como, atender as demandas do interior do estado de Mato Grosso.

Muvuca Popular – Com mudar essa realidade?

Joyce - Mudar é uma construção diária, mas podemos fazer projetos que darão este suporte e ampliarão outros sistemas de ajuda, como: efetivar em todos os setores públicos municipais e estaduais, bem como nas bases sociais, palestras e orientações de combate à violência contra as mulheres, tendo em perspectiva a necessidade de conscientização dos cidadãos de todas as classes sociais sobre a violência e as agressões contra as mulheres.

Muvuca Popular – Existe algum projeto já existente no estado em que garanta essa assistência a mulher?

Joyce - Solicitamos que o projeto “Rede de Enfrentamento e Combate à Violência Doméstica e Familiar Contra Mulher”, projeto esse que já existe em outros municípios de Mato Grosso, seja implantado e executado em nossa capital para atender e dar o amparo necessário as vítimas de violência, principalmente as bases sociais e as classes mais carentes uma vez que, estatisticamente, é onde existe o maior número de registros de violência contra a mulher, e também inclusão da reforma da sede da delegacia especializada dos direitos da mulher na PPA, LOA e na LDO, bem como que ampliem os recursos financeiros destinados à instituição para que esta possa atender com mais efetividade nossa sociedade realizando melhores e maiores trabalhos para os cidadãos, principalmente as vítimas de violência contra a mulher.

Muvuca Popular – Tem algo que possa auxiliar essas mulheres a ter coragem e denunciar ou deixar o companheiro agressor?

Joyce - A mulher que for denunciar e registrar a ocorrência de violência contra ela, pode estar colocando em risco as condições de manutenção financeira de sua família, por isso é preciso, que caso constatado a situação de vulnerabilidade dessa mulher, que ela seja incluida imediatamente no programa Pro - Família, e incluída em todos os cursos de formação profissional e capacitação do Setas, Secitec ,demais órgãos estaduais e municipais até que a mulher esteja incluída no mercado de trabalho, garantindo assim sua capacidade de mantenedora de sua família.    

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

(7) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

Sidiel de sousa - 05-06-2018 05:50:33

Nos últimos anos a violencia contra a mulher tem sido feita com unhas e dentes. Parabens Joyce Lombardi pela iniciativa e pela luta incessante pelos direitos nao somente das mulheres mas tambem pelos direitos de uma sociedade melhor para viver.

Responder

1
0


Edson Mauro Maia da Veiga - 05-06-2018 02:17:47

Violência contra a mulher é todo ato que resulte em morte ou lesão física, sexual ou psicológica de mulheres, tanto na esfera pública quanto na privada. Mulheres cultas, emponderadas e que moram em grandes centros sofrem violência imagina aquelas menos desafortunadas nos mais longínquo límites do nosso país que não tem como se defenderem ficando refém de seus agressores. Parabéns Joyce Lombardi pela iniciativa vcs mulheres têm mesmo que se unirem para buscar prevalecer seus direitos, só desta forma poderão forçar os governantes a fazer política pública que possam defender todas as mulheres, sentindo-se seguras e coibindo os vários tipos de violência contra as Mulheres. Vocês tem meu apoio e acredito de muitos outros homens. De todos os atos de covardia a violência contra a mulher reduz o indivíduo ao mais baixo dos seres! (Rangel C. Rodrigues) Que todas as Mulheres, não só hoje mas todos os dias, sejam livres de qualquer violência e que não lhe sejam negados direitos á vida. Que sejam associadas a respeito e dignidade. (Maria Simão Torres)

Responder

2
0


Dora - 05-06-2018 00:53:45

Devemos estar juntas para apoiar as causas defendidas em pauta! Parabéns Joyce Lombardi pelo excelente trabalho feito em prol da sociedade e da mulher, defende do os direitos de todas nós. Conte sempre comigo minha amiga de sempre. Orgulho de você!

Responder

2
0


Judite - 04-06-2018 20:55:35

É de extrema importância investimentos e apoio a projetos que amparam mulheres vítimas de violência. Cresci vendo minha mãe apanhar, apanhando e quando eu ia denunciar ficava com medo de seguir adiante pois eu não tinha nenhum amparo...e depois? Meu pai poderia nos matar, para onde iríamos? ..eu sofri muito E hoje faço vários tratAmentos para os traumas que ficaram...e tenho que pagar por esse tratamento, por remedios e terapias... e quem nao pode pagar? Vai ter força de ficar implorando pro sus ajudar? É preciso políticas públicas que expandam os atendimentos clínicos à essas vítimas. É preciso um centro de referência para que essas mulheres vítimas de violência possam se resguardar, serem ouvidas, serem tratadas por médicos psiquiatras, serem incluídas novamente na sociedade com saúde mental para enfrentar as dificuldades do dia a dia. Parabéns pela iniciativa Joyce. Desejo sucesso na sua luta e que os nossos governantes possam ver com mais carinho e ajudem a construir políticas públicas eficientes para nossas mulheres, vítimas de violência.

Responder

2
0


Laine - 04-06-2018 15:20:24

Isso é horrível ainda mas quando tem filho pequeno nao sei o que dói mais as porradas ou ver o filho querendo chorar com medo do que tá acontecendo, o desespero do filho, já passei por isso e foi horrível toda vez que lembro meu coração corta

Responder

2
0


Cida - 04-06-2018 14:59:09

Maravilhosa matéria!

Responder

2
0


Bia - 04-06-2018 14:38:34

E quem vai defender essas mulheres, os homens ?

Responder

1
1


7 comentários

coluna popular
Silval teria pago com dois apartamentos
Mesmo com salário de R$ 30 mil ela não quer pagar
Passagem dá duplo sentido e sugere suicídio
Selma Arruda e Nilson Leitão ficam de fora
Ciro Gonçalves é filho de ex-secretário de Lucimar

Últimas Notícias
20.06.2018 - 01:13
19.06.2018 - 18:46
19.06.2018 - 18:17
19.06.2018 - 17:03


Fábio Garcia

Ezequiel Fonseca

Vitório Galli

Valtenir Pereira

Neri Geller

Carlos Bezerra

Ana Poncinelli

Emanuelzinho

Professor Bispo

Barbudo

Rafael Ranalli

Cledison Gonçalves

Cel. Wanderson Nunes

Gisela Simona

Marco Marrafon

Antônio Carlos

Dr. Leonardo

Renato Gouveia

Max Campos

Carlos Naves

Renata Viana

Cabo Dr Laudicério

Vinícius Brasilino

Josair Lopes

Ícaro Reveles

Gordim Tur



Informe Publicitário