MP defende cassação de político que extrapola limite  | MUVUCA POPULAR

Quarta-feira, 20 de Junho de 2018

GERAL Quarta-feira, 06 de Junho de 2018, 16h:10 | - A | + A




MP defende cassação de político que extrapola limite

Por: REDAÇÃO

O excesso de gastos em campanhas, feitos acima do limite legal imposto para as eleições de forma a desequilibrar a disputa, deve ser punido com multa e cassação de mandato. A tese foi defendida nesta terça-feira (5) pelo vice-procurador-geral eleitoral, Humberto Jacques de Medeiros, durante a sessão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Para ele, coibir apenas com multa esse tipo de prática irregular significa “banir qualquer respeito a limite para gastos em campanhas”.

“Somente a perda do mandato e a inelegibilidade têm capacidade de frear a prática irregular e de fazer o candidato resistir à tentação própria da paixão eleitoral do gasto sem limite, do gasto excessivo”, alertou o vice-PGE. A manifestação foi feita durante o julgamento de recursos de duas vereadoras eleitas em 2016 em Ceará-Mirim (RN), que extrapolaram o limite de gastos de campanha estipulado para o cargo no município. Segundo Jacques, “não se produz mandato legítimo em cima de ato ilícito”. Por essa razão, defendeu que fosse mantida a decisão do Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Norte (TRE/RN), pela cassação dos mandatos das políticas.

As vereadoras Ângela Maria de Aquino e Jumaria de Oliveira tiveram as prestações de contas de campanha desaprovadas por ultrapassarem em 51% e 39%, respectivamente, o limite de gastos. Além disso, teriam omitido despesas relativas a doações de combustível, veículos e serviços de motorista. No parecer enviado ao TSE, Jacques argumenta que as candidatas assumiram "expressiva e desleal vantagem econômica em relação aos demais postulantes que optaram pela estrita observância da norma”. Por isso, deve ser aplicado o dispositivo da Lei das Eleições (Lei 9.504/97), que prevê a pena de cassação do mandato para quem desobedecer as regras que tratam de arrecadação e gastos de campanha (artigo 30-A).

Na manifestação, o vice-PGE alerta que considerar a aplicação de multa como sanção suficiente para coibir o excesso de gastos em campanha significa “comunicar a todos os pretensos candidatos que a observância do limite legal não parece uma opção inteligente”. Dessa forma, segundo ele, “a garantia de sucesso nas urnas decorrente de um aporte maior de recursos financeiros na campanha eleitoral justificaria a submissão ao pagamento de uma multa pelo desrespeito da norma”. 
No julgamento, o ministro Admar Gonzaga, relator dos casos, deu provimento aos recursos, por entender que essa foi a jurisprudência adotada pelo TSE em casos similares envolvendo excesso de gastos de campanha nas eleições de 2016. No entanto, defendeu que o Tribunal altere o entendimento para as próximas eleições. “Entendo, assim como o Ministério Público, que esse precedente não convém à democracia”, afirmou o relator. O julgamento foi suspenso por pedido de vista do ministro Luís Roberto Barroso.

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

comentários

coluna popular
Silval teria pago com dois apartamentos
Mesmo com salário de R$ 30 mil ela não quer pagar
Passagem dá duplo sentido e sugere suicídio
Selma Arruda e Nilson Leitão ficam de fora
Ciro Gonçalves é filho de ex-secretário de Lucimar

Últimas Notícias
20.06.2018 - 01:13
19.06.2018 - 18:46
19.06.2018 - 18:17
19.06.2018 - 17:03


Fábio Garcia

Ezequiel Fonseca

Vitório Galli

Valtenir Pereira

Neri Geller

Carlos Bezerra

Ana Poncinelli

Emanuelzinho

Professor Bispo

Barbudo

Rafael Ranalli

Cledison Gonçalves

Cel. Wanderson Nunes

Gisela Simona

Marco Marrafon

Antônio Carlos

Dr. Leonardo

Renato Gouveia

Max Campos

Carlos Naves

Renata Viana

Cabo Dr Laudicério

Vinícius Brasilino

Josair Lopes

Ícaro Reveles

Gordim Tur



Informe Publicitário