Três são presos em operação contra exploração ilegal de madeira  | MUVUCA POPULAR

Sábado, 20 de Outubro de 2018

GERAL Quinta-feira, 11 de Outubro de 2018, 10h:11 | - A | + A




Ibama

Três são presos em operação contra exploração ilegal de madeira

Multas aplicadas pelo Ibama chegam a R$1 milhão

Por: Ibama

A fase mais recente da Operação Warã, realizada pelo Ibama em conjunto com a Polícia Federal (PF) para combater a exploração ilegal de madeira em Terras Indígenas (TIs) de Mato Grosso, resultou até o momento na prisão de três pessoas por receptação de toras com origem ilegal e na aplicação de aproximadamente R$ 1 milhão em multas na região de Rondolândia (MT).

As cinco madeireiras inspecionadas apresentaram irregularidades. O tamanho das toras e as espécies encontradas nos pátios indicam que as árvores foram retiradas de TIs.

Em um dos estabelecimentos os agentes ambientais identificaram 57 toras de Ipê (Handranthus serratifolius), que totalizam 113,7 metros cúbicos, escondidas sob a serragem. Um metro cúbico da espécie vale até R$ 4 mil após o beneficiamento.

Cerca de mil metros cúbicos de madeira foram apreendidos. Técnicos do Instituto suspeitam que a exploração ilegal tenha ocorrido nas TIs Sete de Setembro e Igarapé Lourdes, no entorno das madeireiras. O material recolhido foi depositado em um asilo, uma creche e prefeituras da região.

Na etapa anterior da operação, o Ibama embargou 18 serrarias na divisa de Rondônia e Mato Grosso. Na ocasião, a PF cumpriu 11 mandados de busca e apreensão em residências e empresas. Duas serrarias clandestinas foram identificadas.

Os envolvidos no esquema de receptação e extração ilegal de madeira estão sob investigação. Todas as informações reunidas serão encaminhadas ao Ministério Público Federal (MPF) para apuração de responsabilidades no âmbito criminal.

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

comentários