Igreja Batista Getsemâni

Taques quer reviver o anti-Riva contra Mauro e Wellington

Ideia é pregar o medo da volta dos corruptos no poder

Redação / Muvuca Popular

Com uma pesquisa na mão apontando que mais de 60% do eleitorado ainda prefere um candidato honesto, a equipe de marketing do governador Pedro Taques (PSDB), que trabalha com a tese de que ele ainda carrega nas classes populares o estereótipo de lutar contra corruptos, como foi as duas eleições vitoriosas (ao senado e ao governo) - explorando ao máximo uma campanha anti-Riva, que simbolizava, à época, a corrupção no estado – resolveu, agora, reviver a fórmula, dessa vez, contra a volta dos ‘corruptos’ no poder.

O grupo de Taques já andou explorando na mídia aliada que se Wellington Fagundes (PR) for eleito, será o retorno de José Riva. Uma tese que assusta uns, e dá muita munição para críticas nas mídias e redes sociais, mas agrada outros, já que o tarefismo de Riva nos seus 20 anos de mandato, rendeu muitas benfeitorias para os municípios, embora tenha-se descoberto, depois, que rendeu também para seu bolso. O rouba-mas-faz.

Depois de colocar Riva no palanque de Wellington, a estratégia é fazer o republicano desistir, tentando desestabilizá-lo de todas as formas, inclusive avançando sobre os partidos que fazem parte da sustentação da pré-campanha de Wellington, como PP, PTB e MDB.

Com ajuda de Jayme Campos (ambos quase nunca se confrontam), Taques está, agora, espalhando que Wellington desistirá para lançar seu filho, Diógenes Fagundes, como candidato a deputado federal. Diógenes, no caso é o namorado da deputada Janaina Riva, o que reforça a tese da volta do Riva, Silval, etc. Com esses boatos, de desistência ganhando corpo, alguns líderes partidários que estão com Wellington acabam não sentindo firmeza e abrem diálogo com Mauro ou o próprio Taques, o que de fato vem acontecendo. Embora seja mais por barganha do que outra coisa, e nessa aí leva quem tem 'bala na agulha'.

Com a (improvável) desistência de Wellington, todo seu grupo migraria, naturalmente, para a campanha de Mauro Mendes, incluindo, aí, a própria Janaina Riva, e os Fagundes, Silval e todo mundo. No primeiro momento se veria uma desavença no palanque de Mauro, já que a rusga entre os candidatos a deputados federais seria eminente, tendo Diógenes apoiado por Wellingtron e Emanuelzinho apoiado pelo prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro.

A primeira vista, seria a impressão de que Mauro Mendes se fortaleceria e se tornaria imbatível, mas a ideia principal é colocar Riva, com Wellington e as forças ditas ‘do mal’, no palanque de Mendes, para depois entrar em prática a tentativa de reviver o cavaleiro anti-corrupção que deu dois mandatos para Taques.

Com a candidatura ao senado da ex-juíza Selma Rosane, reforçando a suposta luta contra as 'forças do mal', Taques teria munição para combater Mauro Mendes no ‘testa a testa’, dizendo que seu palanque reúne toda a corrupção do estado, inclusive pessoas que estavam a seu lado e que saíram por fazer exigências não-republicanas em seu governo.

Com a máquina à disposição, o marketing estaria pronto. Seria a eterna luta do bem contra o mal, do combate à corrupção, contra a volta dos tempos sombrios, abraçando o principal conceito que ainda norteia a cabeça do eleitorado, de acordo com todas as pesquisas, que é ver um governo honesto. A campanha reviveria o cavaleiro lutando contra a volta do dragão que ele, um dia, espantou.

 

P.S. A fórmula pode não funcionar por dois motivos, primeiro porque não há como tirar a candidatura de Wellington, mas se isso, por um acaso acontecer, com tantos aliados no palanque de Mauro Mendes, Taques teria dificuldade em pedir votos fora da mídia eletrônica, especialmente no contato das lideranças no interior, que estaria a maioria na sua oposição.

Segundo porque, nessa história de luta contra a corrupção, a oposição a Taques iria sempre relembrar que o seu governo teve recorde de secretários presos, incluindo os parentes Paulo e Jorge Taques que ainda estão na cadeia, e uma coleção de escândalos de corrupção no seu pequeno mandato.


Fonte: MUVUCA POPULAR

Visite o website: http://www.muvucapopular.com.br