MP abre inquérito para investigar precariedades de presídios em Cuiabá  | MUVUCA POPULAR

Segunda-feira, 20 de Agosto de 2018

INVESTIGAÇÃO Quarta-feira, 13 de Junho de 2018, 14h:26 | - A | + A




INVESTIGAÇÃO

MP abre inquérito para investigar precariedades de presídios em Cuiabá

A investigação apura a ausência de insumos hospitalares e odontológicos

Por: Brenda Closs

O Ministério Público Estadual abriu inquérito para investigar a falta de medicamentos, insumos e exames laboratoriais nas Unidades Penais de Cuiabá. O inquérito tem o objetivo de averiguar e sanar as irregularidades apontadas pela Secretária do Estado de Justiça e Direitos Humanos (SEJUDH).

A investigação apura a ausência de insumos hospitalares e odontológicos e também a falta de atendimento de urgência e emergência que acabam não permitindo o tratamento dos presidiários.

Segundo consta os autos, as irregularidades mencionadas podem representar potenciais prejuízos a população das unidades penais, podendo configurar em lesão ao direito fundamental à saúde e dignidade humana.

O MP reitera que essas precariedades ofendem o dever que possui a administração direta e indireta de obedecer aos princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência, na forma do artigo 37 da Carta Magna.

Por fim, o Ministério Público quer a adoção de medidas pertinentes para que as irregularidades apontadas sejam sanadas e o tratamento dos pacientes privados de liberdade seja garantido.

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

(2) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

Fabio - 14-06-2018 10:02:10

insumos hospitalares e odontológicos, não não temos isso aqui, eles querem. O piada mesmo em

Responder

0
0


Joca do nortão - 14-06-2018 10:01:09

Presido não tem que ser um lugar descente não, afinal, não tem nem um descente lá, são bandidos se não querem ir para lá sejam honesto, por mim eu já declararia pena de morte para o segundo delito cometido. Para não ter super lotação

Responder

0
0


2 comentários