Conheça o homem que mudou de nome para sobreviver ao Holocausto | MUVUCA POPULAR

Sexta-feira, 22 de Junho de 2018

MUNDO Sábado, 02 de Junho de 2018, 11h:07 | - A | + A




SOBREVIVENTE

Conheça o homem que mudou de nome para sobreviver ao Holocausto

Por: Da Redação

Michel Dymetman nasceu em Varsóvia, capital da Polônia, em 1924. Hoje com 94 anos, tem uma filha, duas netas e quatro bisnetos e vive em São Paulo. Mas, de 1942 a 1945, Michel Dymetman não existiu. Quem existiu foi Franz Depauw, prisioneiro de guerra belga capturado na fronteira com a França e internado em dois campos de concentração, um francês e um na Áustria.

Dymetman foi Franz Depauw durante quase quatro anos. Para tentar entrar na França para escapar dos nazistas, ele e o pai compraram dois documentos de identidade na Bélgica e preencheram com nomes falsos. Ao chegarem à fronteira, foram detidos.

Depois de serem presos, foram levados ao campo de Rivesaltes, na França ocupada pelos nazistas. Em seguida, chegaram ao complexo de campos de concentração de Mauthausen, na Áustria. Para explicar como sobreviveu no campo, onde cerca de mil prisioneiros morriam por mês, ele cita três motivos.

“Primeiro, meu conhecimento da língua alemã, que me permitia ter contato com os SS. Com isso, consegui cargos na administração do campo. O segundo motivo foi que, na época, o medo da morte me deu uma criatividade enorme. O terceiro motivo era porque Deus quis que eu estivesse aqui”, afirma Dymetman.

Nos campos de Mauthausen, ele exerceu diversas funções. Foi secretário no escritório da administração no primeiro campo. No segundo, se tornou o ‘médico’ dos prisioneiros, sem treinamento ou equipamentos e com pouquíssimos remédios e material para limpeza. No terceiro, conseguiu a função que definiu como a melhor de todas: descascador de batata.

“Ficava o tempo todo sentado, com um balde de batatas com casca e outro para jogar as descascadas. Logo consegui indicar meu pai para descascar comigo e passávamos o dia lá. No segundo campo, onde morria muita gente, eu tentava ajudar limpando ferimentos, arrancando dentes. Encontrei médicos lá e eles me ensinaram algumas técnicas, eu fazia o que era possível fazer com o pouco que tinha”, relembra.

Michel, meses após deixar campo de concentração

Michel, meses após deixar campo de concentração

A tal criatividade diante da ameaça constante da morte fez Dymetman aprender diversas orações católicas e frequentar as capelas dos campos para manter a identidade belga de Franz Depauw. Para explicar como tanto ele quanto o pai eram circuncidados, eles culpavam doenças sexualmente transmissíveis que eram comuns na época, como a sífilis.

“O campo de concentração era um ambiente fechado, onde as leis de sobrevivência eram diferentes. Bastava uma palavra, um gesto errado e o prisioneiro era morto na hora. Foi aí que eu aprendi a nunca me entregar. A luta era pra sobreviver um dia de cada vez”, explica.

O campo de Mauthausen foi libertado por soldados norte-americanos poucos dias antes da rendição da Alemanha. Franz Depauw ficou por lá e Michel Dymetman pôde voltar a existir. Ele veio para o Brasil e seguiu sua vida como dono de uma construtora onde ele ainda trabalha. E fez questão de pedir a nacionalidade brasileira.

“Quando era criança, em Varsóvia, no parque que existia no meu bairro havia uma placa dizendo que judeus e cachorros não eram permitidos ali. Essa placa estava lá antes de existir o nazismo. Nunca mais quis voltar. Meu país é este, me recebeu de braços abertos. Eu amo o Brasil”, finaliza Dymetman, com os olhos cheios d’água.

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

comentários

coluna popular
Jogo duplo de candidato pode enterrar sua eleição
Veja o resultado completo
Deputado desafia governador e chama de porcaria
PT, MDB e PSDB possuem as maiores quantias
Enquanto se "estapeiam" republicano cresce

Últimas Notícias
21.06.2018 - 17:31
21.06.2018 - 16:43
21.06.2018 - 16:20
21.06.2018 - 16:00


Nenhum deles

Mauro Savi

Wilson Santos

Wagner Ramos

Eduardo Botelho

Prof. Allan Kardec

Nininho

Janaina Riva

Valdir Barranco

Romualdo Júnior

Saturnino Masson

Silvano Amaral

Sebastião Rezende

Max Russi

Guilherme Maluf

Gilmar Fabris

Dilmar Dal Bosco

Max Russi

Roberto Bezerra

Niuan Ribeiro

Paulo Araújo

Antônio Marçal

Josair Lopes

Waldir Caldas

Diany Dias

João Batista

Oscarlino Alves

Edmundo César

Henrique Lopes

Suelme Evangelista

Carlos Avalone

Carlos Brito

Leonardo Oliveira

Layr Mota

Cabo Juliano

Dr. Edvaldo

Professora Rita

Nieta

Sergio Lader

Diego Guimarães

Juca do Guaraná

Faissal

Gilmar Fabris

Ademir Brunetto

Pedro Satélite

Oscar Bezerra

Zeca Viana

Luizinho Magalhães

Baiano Filho

Branquinha

Jajah Neves

José Antônio Pilegi

Luis Braz

Emílio Populo

Marcio Mendes

Cláudio Sena

Emídio de Souza

Major EB Cicero

Guarda Sttefany

Auditor Claudemir

Sargento Joelson

Gisele Lopes

Dr. Divino Henrique

Sr. Elias

Dr. Ardonil



Informe Publicitário