Bancos induzem servidores ao endividamento, afirma advogada | MUVUCA POPULAR

Segunda-feira, 18 de Junho de 2018

PARLAMENTO Quinta-feira, 07 de Junho de 2018, 12h:14 | - A | + A




CPI DOS CONSIGNADOS

Bancos induzem servidores ao endividamento, afirma advogada

Ela afirma que os contratos são obscuros e cheios de termos rebuscados

Por: Marcio Camilo

Depoimentos na CPI dos Consignados dão conta que os bancos tem assediado cada vez mais os servidores com propostas de empréstimos. Normalmente os contratos são obscuros, cheios de termos jurídicos, o que acaba enganado a pessoa e fazendo com que ela contraia uma dívida praticamente impagável juntas as instituições financeiras. 

Esse é o entendimento da advogada Rosana Lóris, que participou como convidada nos depoimentos da CPI dos Consignados na Assembleia Legislativa (AL-MT). As oitivas foram realizadas nesta quarta-feira (06).

Os bancos ligam, assediam, fazem propostas e o servidor acaba fazendo um empréstimo para cobrir outro e tudo isso com juros compostos, isto é, uma dívida que só vai aumentando.

Rosana delatalhou que a facilidade dos bancos de concederem empréstimos tem provocado um grande endividamento entre os servidores. Ela disse ainda que o servidor “não tem noção de quanto ele está se endividando, pois faltam informações e transparência nas negociações”. 

“Quase 90% das vezes o servidor não recebe o contrato e mesmo que receba ele não consegue ter dimensão de entender no que ele está se metendo, pois são termos jurídicos e isso dificulta”, afirma.

“Os bancos ligam, assediam, fazem propostas e o servidor acaba fazendo um empréstimo para cobrir outro e tudo isso com juros compostos, isto é, uma dívida que só vai aumentando. Os bancos induzem a situação e na minha visão isso é completamente ilegal”, completa a advogada. 

Falta de educação financeira

O endividamento dos servidores também estaria relacionado com a falta de educação financeira.

Conforme o presidente da Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar e Bombeiro Militar de Mato Grosso (ACS-MT), Adão Martins, cerca de 80% dos servidores do setor possuem empréstimos consignados.

“Existe uma facilidade dos bancos para a realização de empréstimo e isso normalmente faz com que o servidor, mesmo endividado procure cada vez mais, gerando uma bola de neve. Eu sou um exemplo disso, sempre estou renovando meus empréstimos”, reforçou Adão

Criação da CPI
A comissão de inquérito surgiu devido ao grande endividamento dos servidores público com os empréstimos consignados. A principal suspeita é que os bancos estariam ludibriando os funcionários com propostas, em tese, atraentes, mas sem a devida clareza a respeito dos juros e outras tributações em cima dos empréstimos.

Os deputados também investigam a facilidade com que as instituições financeiras têm para contatar os servidores, e dessa forma assediá-los com as ofertas de empréstimos consignados.

“São muitas as reclamações de assédio realizado por empresas que ligam para os servidores oferecendo renovação ou novas linhas de empréstimo. É importante saber como eles têm acesso a informações do cadastro profissional, como CPF, telefone e as margens de crédito disponíveis para o servidor”, afirmou o deputado estadual Allan Kardec (PDT), membro da CPI dos Consignados.

A CPI foi instaurada no mês de março e tem 180 dias para concluir os trabalhos. Esse prazo poder ser prorrogado, por mais 180 dias, dependendo da necessidade de se aprofundar mais nas investigações

A comissão é presidida pelo deputado Guilherme Maluf (PSDB). (Com informações da assessoria)

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

(5) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

Sr. Creissom - 07-06-2018 14:31:50

Vão para o mutirão do limpa nome, quemmanda cair em conto de banco. Eu mesma não aceito nada do banco

Responder

1
6


Adriano - 07-06-2018 14:29:24

Isso é uma vergonha, os bancos e o governo estadual , que não dá um jeito nos bancos, eles fazem o que querem, cobram os juros que querem, e não tem um governo que acabe com a farra desses bancos, que fazem o que querem com a gente. O objetivo das pessoas não é ficar individado é adquirir qualidade de vida e trabalhamos para isso. Será que o governo não está passando os desconto para o banco??

Responder

9
0


Servidora sem divida - 07-06-2018 14:22:12

O servidores tem q aprender a se virar com o q ganha! são poucos os servidores q colocam isso em prática. E olha q isso não depende do valor dos salários...conheço servidor q ganha muitíssimo bem e está endividado, quer comprar, comprar e comprar, esquecem que a divida só aumenta e os bancos não estão nem ai, querem receber mesmo, e se tem gente querendo eles dão.

Responder

9
2


Lais - 07-06-2018 14:13:04

Sr Advogado, isso são os Privilégios dos políticos e dos próprios servidores, um dia a conta chega!

Responder

1
5


Victor - 07-06-2018 14:07:54

Fazem empréstimos por que querem, ninguém é obrigado a fazer, e por isso ficam brigando por RGA só para pagar as dividas querem viver uma vida que não tem e da nisso, cair em lábia de banco

Responder

2
13


5 comentários

coluna popular
Ciro é o quarto a tentar gerenciar
Pacote de regalias deve animar a côrte
Marrafon e Russi buscam aproximação com Mendes
A bola da vez fez com que muitos mudassem discurso
Reviravolta no tabuleiro político

Últimas Notícias
17.06.2018 - 23:16
17.06.2018 - 17:24
17.06.2018 - 17:15
17.06.2018 - 16:33


Fábio Garcia

Ezequiel Fonseca

Vitório Galli

Valtenir Pereira

Neri Geller

Carlos Bezerra

Ana Poncinelli

Emanuelzinho

Professor Bispo

Barbudo

Rafael Ranalli

Cledison Gonçalves

Wanderson Nunes

Gisela Simona

Marco Marafon

Antônio Carlos

Dr. Leonardo

Renato Gouveia

Max Campos



Informe Publicitário