Juiz distribui provas sobre lavagem de dinheiro | MUVUCA POPULAR

Terça-feira, 16 de Outubro de 2018

PODERES Segunda-feira, 04 de Junho de 2018, 10h:18 | - A | + A




“Crédito Podre”

Juiz distribui provas sobre lavagem de dinheiro

O juiz distribuiu provas sobre a possível lavagem de dinheiro envolvendo réus na Operação “Crédito Podre”

Por: Redação

O juiz Jorge Luiz Tadeu Rodrigues, da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, aceitou pedido do Ministério Público Estadual (MPE) e distribuiu provas sobre a possível lavagem de dinheiro envolvendo réus na Operação “Crédito Podre”. Nas investigações da Polícia Judiciária Civil, elaboradas em conjunto com a Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz), levantaram que mais de um bilhão de grãos saíram do Estado sem o devido recolhimento do ICMS, deixando um prejuízo em vista de R$ 143 milhões, entre os anos de 2012 e 2017.

Conforme os autos, durante a análise dos documentos apreendidos, foram encontrados indícios da prática do crime de lavagem de dinheiro pelos investigados Wagner Florêncio Pimentel, Almir Cândido Figueiredo, Keila Catarina de Paula, Kamil Costa de Paula, Diego de Jesus da Conceição e Rivaldo Alves da Cunha.

O compartilhamento das informações bancárias, ficais e demais dados coletados propiciará conhecer qual a destinação dos valores.

Na Operação Crédito Podre, a 7ª Vara Criminal da capital expediu 16 mandados de prisão preventiva, 34 ordens de busca e apreensão e nove conduções coercitivas. Todos os 16 envolvidos no esquema foram presos e oito conduzidos coercitivamente para depoimentos. O esquema envolveu 30 empresas de fachadas ou fantasmas, que tinham como objetivo, promover a sonegação de impostos.

Conforme as investigações, em 6 anos, a organização criminosa emitiu 2,1 bilhões de notas fiscais frias, que nunca tiveram os tributos recolhidos aos cofres públicos.

Em levantamento, a Sefaz revelou que apenas no período de junho de 2016 a julho de 2017, a organização recolheu a saída interestadual tributada de mais de R$ 1 bilhão, em produtos primários de origem agrícola, utilizando documentação fiscal emitida por empresas de fachadas criadas para impostos.

Na mesma época, a organização, por meio de fraude do Sistema Eletrônico PAC/RUC, e, depois, utilizando de credenciamentos para apuração e recolhimento mensal obtidos via medidas judiciais em caráter de liminar, gerou prejuízo ao erário superior a R$ 96 milhões, em ICMS não pagos.

São réus na Operação “Crédito Podre”: Kamil Costa de Paula, Wagner Florêncio Pimentel, Rivaldo Alves da Cunha, Paulo Serafim da Silva, Almir Cândido Figueiredo, Evandro Teixeira de Rezende, Paulo Pereira da Silva, Diego de Jesus da Conceição, Marcelo Medina, Theo Marlon Medina, Cloves Conceição Silva, Paulo Henrique Alves Ferreira, Jean Carlos Lara, Rinaldo Batista Ferreira Júnior, Rogério Rocha Delmindo, Neusa Lagemann de Campos, Keila Catarina de Paula e Alysson de Souza Figueiredo.

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

comentários

coluna popular
Juiz proíbe ex-bicheiro de dormir em fazenda
Redução já gera atrito entre poderes
Deputado vai se dedicar aos negócios
Críticos serão indenizados após 10 anos
Deputada deve mudar de lado no segundo mandato

Últimas Notícias
16.10.2018 - 15:10
16.10.2018 - 15:00
16.10.2018 - 14:43
16.10.2018 - 14:13




Informe Publicitário