“O grande Agronegócio tem que ser tributado”, declara Lúdio Cabral | MUVUCA POPULAR

Sábado, 17 de Novembro de 2018

POLÍTICA Quinta-feira, 08 de Novembro de 2018, 17h:00 | - A | + A




Exclusivo!

“O grande Agronegócio tem que ser tributado”, declara Lúdio Cabral

O deputado defende uma Reforma Tributária urgente para o estado

Por: Daniela Castro

O deputado estadual eleito, Lúdio Cabral (PT), concedeu entrevista, exclusiva, para o Muvuca Popular, na manhã desta quinta-feira (08), e fez uma análise bem sensata sobre a crise financeira que assola o estado. Para o deputado, é preciso fazer um debate sobre o governo e as políticas públicas como um todo, além de buscar ter uma compreensão, clara, da natureza dos problemas fiscais para, então, se apontar os caminhos para superá-los.

“O atual governo vive um discurso permanente de crise financeira, tanto que agora os servidores públicos estão mobilizados na iminência de uma greve, em função do não cumprimento de uma legislação que assegura a recomposição só da inflação, a cada ano, na remuneração dos servidores. E o governo alegando dificuldade financeira”, pondera.

Lúdio afirma que viu as políticas públicas, do atual governo, realizadas com precariedade, como a Saúde que apresenta muitos problemas, com dificuldades crônicas, mas aprofundadas com as dificuldades em se atender com qualidade a população. A Educação vive retrocessos. Ele afirma que as escolas, hoje, não recebem os repasses regulares que elas precisam ter para a manutenção de coisas básicas para o funcionamento diário. O deputado fala, ainda, que é preciso entender qual a lógica que gerou essa situação para poder enfrentar.

“A leitura que eu tenho é que, hoje, não há crise financeira no estado, se você analisar pelo ângulo apenas das despesas. Nem governo e nem a Assembleia Legislativa vai conseguir dar a contribuição que a população espera, porque o discurso de enxugamento e redução de despesas, que sustentou, por exemplo, a aprovação de uma emenda constitucional que estabelece o teto dos gastos, engessou o orçamento. Por esse caminho nós não vamos resolver o problema do estado”, analisa Lúdio.

Estado rico com crise econômica?!

Para Lúdio, é preciso enfrentar o paradoxo em que o Mato Grosso, ao mesmo tempo, é um estado rico – pois é o 2º estado no ranking de crescimento econômico do país –, mas concentra a riqueza nas mãos de poucos, destruindo o patrimônio natural, sem ter a contrapartida na melhoria da arrecadação do estado e dos serviços públicos que o estado realiza para a maioria da população.

“Os esforços precisam se concentrar no campo da receita que o estado tem. Mato Grosso é, há duas décadas, governado por um mesmo conjunto de interesses de um setor minoritário que é conduzido pelos super produtores, os barões da soja. Então, é o interesse deles que governa Mato Grosso há, praticamente, 20 anos”, declara o deputado eleito.

Para Lúdio, os governos conduziram uma série de privilégios para o setor do Agronegócio, principalmente, nas isenções fiscais, por exemplo, de um orçamento de R$ 20 bilhões, o estado tem quase R$ 4 bilhões em renúncias fiscais (entre incentivos e outras variadas formas de renúncias).

“Esses privilégios precisam ser enfrentados. Partes importantes dessas renúncias têm que ser revistas rapidamente. E, além de avaliar o impacto desses incentivos, precisamos analisar também as variadas formas de renúncias fiscais que são concedidas no balcão de varejo, diretamente, com o governador e/ou secretário de Fazenda, que podem ser revistos por decisão administrativa [decisão do governador] e que, hoje, estão na casa de, aproximadamente, R$ 2,5 milhões”, analisa.

O deputado aponta, ainda, que outra necessidade, urgente, para o estado, é produzir uma Reforma Tributária para ‘taxar’ os grandes, dos mais variados setores, que não pagam impostos. “Quem paga imposto é o pequeno comerciante, o cidadão, então, os gigantes da economia do estado precisam contribuir para a arrecadação. Nós temos que seguir o exemplo de Mato Grosso do Sul, que produz metade do que MT produz e arrecada, praticamente, a mesma coisa de ICMS”.

Rever o modelo de desenvolvimento concentrado apenas na produção primária em grande escala e exportação [“que não arrecada um centavo”], é outro enfrentamento defendido pelo petista. “Essa produção precisa ter mecanismo legal para que possa ser, gradativamente, industrializada e consumida no mercado interno, para distribuir mais essa riqueza, que é concentrada; e ir além, abrir postos de trabalhos, gerar renda e gerar arrecadação para o estado para que possa enfrentar os problemas que tem. Porque a maioria da população trabalhadora precisa de Educação pública e de qualidade, Saúde pública e de qualidade, Segurança, Assistência Social, os pequenos precisam de apoio do estado para crescer no campo da Cultura, do Turismo, da Agricultura Familiar. O estado precisa apoiar a diversidade da nossa economia; e vem fazendo justamente o contrário, só cortando recursos pra isso”.

E finaliza afirmando que a lógica de ampliar a receita e enfrentar esse modelo de desenvolvimento que privilegia apenas um pequeno grupo, “será central na minha atuação na Assembleia e no debate público que a gente pretende fazer”.

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

(6) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

Dornele$ - 09-11-2018 18:16:12

Maria, você esta mais por fora que lula preso. Como uma boa comuna, segue toda alienada. Lúdio é só mais uma petralha! .

Responder

2
1


Maria - 09-11-2018 14:24:07

....kkkkkkkkk tem mais !!! O Paulo Guedes ,o Pôsto Ipiranga nos corredores do Congresso, indagado sobre o Orçamento de 2019 ,disse o seguinte ; - Faça o de vocês ,que depois faço o meu !!! kkkkkkk...... O Presidente e o Vice no mesmo avião . Indagado sobre o risco de quebra de hierarquia e segurança , pois não podem andar juntos ,sob risco , o Mourão disse ; não sabia !!! kkkkkkkkk...ele é o mesmo que disse que 365 dias tem doze meses !!!kkkkk... isso é só o começo !!! Já pensaram em quatro longos anos???!!!

Responder

3
1


Maria - 09-11-2018 14:17:37

... e os TRAPALHÕES chegaram ao Planalto !!! ..vou mudar a Embaixada para Jerusalém !!! kkkkkkkk.....o Onnix já pediu perdão pelo CAIXA 2 ( Moro ) !!! kkkkkkkkk..... a Ministra Cristina tem ¨negócios¨com a JBS !!! kkkkkk.... e agora a Máxima ; o Dr. REY está cotado para Ministro da Saúde !!! kkkkkkk.....só falta o Tiririca !!! kkkkkkk.... é só a ¨cabecinha ¨...kkkkkkkkk......

Responder

3
1


Talisia - 08-11-2018 21:16:19

SENHOR LÚDIO CABRAL PRECISAMOS DE DEPUTADOS ASSIM QUE DEFENDA TAMBÉM A FLORESTA DO ESTADO DE MATO-GROSSO QUE VEM SOFRENDO BASTANTE COM O DESMATAMENTO ILEGAL A MUITO TEMPO. A BUSCA INCESSANTE PELO LUCRO E O COMODISMO DAS NOSSAS AUTORIDADES SÃO AS PRINCIPAIS CAUSAS DESTE TRÁGICO PROBLEMA, E TAMBÉM A PORTA DO ESTADO ESTÁ ABERTA ( SEM FISCALIZAÇÃO ) PARA O TRANSPORTE DE MADEIRAS COMO A CASTANHEIRA (PROIBIDA DE CORTE) E TANTAS OUTRAS, E AINDA MAIS A FISCALIZAÇÃO E A IDENTIFICAÇÃO DE MADEIRAS SEMPRE INCOMODOU E INCOMODA A MAIORIA DOS DEPUTADOS E AQUELES QUE QUEREM ANDAR NA ILEGALIDADE, A FLORESTA É PARA A PRESENTE E AS FUTURAS GERAÇÕES.

Responder

6
0


Carlos Nunes - 08-11-2018 18:35:29

Oito anos de Lula, quase seis da Dilma...e esses não mexeram nem na Lei Kandir, pra aumentar o valor do FEX. Ficou nos 400 ou 500 Milhões por ano pra Mato Grosso...devia ser alguns BILHÕES. Usam o solo de Mato Grosso pra produzir as riquezas do Agro-Negócio, entretanto o Estado recebe um FEX mixuruca até hoje. Por que o Lula a Dilma, não propuseram a mudança da Lei Kandir lá atrás? Tem que mudar a Lei, aumentar o valor do FEX, proporcional à contribuição do Agro-Negócio no Balanço de Pagamentos do país. Se não fosse o Agro-Negócio, o Balanço de Pagamentos teria déficits constantes. O que impede mexer com a Lei Kandir?...mexem com tanta coisa no Brasil.

Responder

6
6


Bolão - 08-11-2018 18:10:51

É isso aí Ludio! Até agora esse governo só jogou a conta para os trabalhadores pagarem, chegou o momento deles pagarem suas dívidas com o Governo! Eles têm muita isenção fiscal e não devolvem nada em troca, além de destruir a natureza acabando com a biodiversidade e demais recursos naturais! Não geram empregos, e não ajudam a melhorar a qualidade de vida das pessoas! Um exemplo claro disso podemos ver na região de Cáceres que hoje possui o maior rebanho de gado de corte do Brasil, e é a região mais pobre do Estado! O que mantém a cidade são os servidores públicos da Unemat, IFMT, servidores estaduais e municipais e o Exército, se deixarem pela conta da iniciativa privada lá a cidade não consegue sobreviver. A isenção de impostos ao agronegócio faz MT perder R$ 39 bilhões por ano. Fonte: http://www.reportermt.com.br/poderes/isencao-de-impostos-ao-agronegocio-faz-mt-perder-r-39-bilhoes-por-ano/68096 MT nunca esteve falido, pelo contrário, está apoiando a sonegação fiscal de empresários e produtores rurais, jogando a culpa nos servidores públicos, como se eles fossem os responsáveis por tal situação! Até agora só mexeram com os trabalhadores (servidores públicos e celetistas da CLT), a iniciativa privada se tornou o câncer do Brasil devendo aos cofre públicos um valor aproximado de 3,6 trilhões de reais! Fonte: https://oglobo.globo.com/economia/negocios/empresas-no-brasil-tem-dividas-de-36-trilhoes-20212121 Precisamos de Deputados como você, que ajudem o povo a viver melhor, e não explorados pelos Empresários e Barões do Agronegócio! Para essa tarefa você tem meu total apoio, siga em frente na luta pelas causas populares!

Responder

7
1


6 comentários