A proposta de reforma administrativa do governo federal | MUVUCA POPULAR

Segunda-feira, 21 de Setembro de 2020

ARTIGOS Terça-feira, 08 de Setembro de 2020, 09h:27 | - A | + A




Proposta de reforma

A proposta de reforma administrativa do governo federal

politica.jpg

 

O presidente da república encaminhou ao Congresso Nacional na semana passada uma proposta de reforma administrativa, através de PEC, que atingira a União, os Estados e os Municípios.
A questão não é surpreendente porque Bolsonaro, desde a campanha, se comprometeu a realizar a mais drástica reforma administrativa do País desde 88. Tá certo que FHC tentou acabar com o RJU em 98 mas não conseguiu. E essa reforma, como prometido, atinge em cheio o serviço público. Portanto, cumpre rigorosamente o seu compromisso de campanha.
Pela proposta encaminhada são criadas quatro grupos de prestadores de serviços aos órgãos públicos: os contratos por tempo determinado, os cargos de liderança e assessoramento, os cargos típicos de estado e os cargos por tempo indeterminado.
Os cargos por tempo determinado substituirão os contratos temporários. Serão trabalhadores que terão contratos firmados por tempo certo, para começar e para acabar. A meu ver, seguirão as regras da CLT que já definem os contratos por tempo determinado, com direito a décimo terceiro proporcional (pelo tempo de trabalho), férias proporcionais mais 1/3 (também de acordo com o tempo trabalhado), FGTS e recolhimento de previdência pelo INSS. Findo o tempo do contrato deixam o trabalho.
Os servidores de liderança e assessoramento ocuparão os cargos de confiança como hoje existentes, de livre nomeação e exoneração, com direito apenas ao décimo terceiro, férias com 1/3 e recolhimento previdenciário pelo INSS.
Os servidores contratados por tempo indeterminado, também a meu ver, terão vínculo regido pela CLT, mas serão admitidos por concurso público. Não terão estabilidade no serviço público, podendo ter seus vínculos extintos a qualquer momento, mediante aviso prévio. Esses trabalhadores terão direito a décimo terceiro, férias integrais e proporcionais com indenizações acrescidas a 1/3, FGTS mensais de 8% sobre a remuneração, aviso prévio e recolherão suas previdências pelo INSS.
Já os servidores que ocuparão cargos típicos de estado – que a lei definirá quais sejam –, e que serão exceção, serão aprovados em concurso de prova e títulos e, após dois anos de experiência – sim, de experiência – sendo que somente após um ano depois é que poderão alcançar a estabilidade no serviço público. Estes não terão direito a FGTS e recolherão suas previdências pelo sistema especial, no caso em Mato Grosso, pelo MT Prev.
Segundo a proposta, serão mínimos os cargos de estado, estando a maioria dos trabalhadores abrangidos pelo trabalho por tempo indeterminado.
A proposta acaba com os anuênios (1% a mais na remuneração por ano trabalhado), com as licenças prêmios (três meses de licença a cada cinco anos de trabalho), férias superiores a 30 dias, redução de jornada sem a correspondente redução salarial, incorporações salariais e progressão na carreira por tempo de serviço.
A proposta é clara: só vale para quem entrar no serviço público a partir de agora e não atinge o Judiciário, parlamentares, membros do MP e os militares.
Muita discussão se avizinha.... Há quem diga que o Congresso não discuta nem vote essa proposta durante o período eleitoral que está chegando.
Então.... pauta para 2021.

 Francisco Anis Faiad Advogado, Professor, Ex Presidente da OAB/MT

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

comentários

coluna popular
Ansiosos pelas eleições municipais
Mais esperada que o fim da quarentena
Parlamentares buscam estratégias
Deputado quer apoiar coronel Fernanda
Expulsou profissionais da TV Centro América

Últimas Notícias
20.09.2020 - 19:00
20.09.2020 - 18:54
20.09.2020 - 14:25
20.09.2020 - 12:15
20.09.2020 - 12:13


Muvuca (PL)

Adevair Cabral (PTB)

Chico 2000 (PL)

Misael Galvão (PTB)

Ricardo Lobo (PL)

Aladir (PL)

Sargento Joelson (SD)

Juca do Guaraná (MDB)

Luluca Ribeiro (MDB)

Macrean

Ralf Leite (MDB)

Renivaldo Nascimento

Toninho de Souza

Edna Sampaio (PT)

Robson Cireia (PT)

Ricardo Saad

Oseas Machado (MDB)

Rogério Varanda

Alex Ribeiro (PP)

Maurélio (PSDB)

Dudu Santos

Marcelo Bussiki

Vinícyus Clovito

Diego Guimarães

Mário Nadaf

Marcos Veloso

Gisele Almeida

Orival do Farmácia

Wilson Kero-Kero

Dr. Xavier

Justino Malheiros

Zidiel Coutinho

Sargento Vidal

Dídimo Vovô

Clebinho Borges

Júlio da Power

Jamilson Moura

Emídio de Souza (PSL)

Adalberto Cavalcanti

Ricardinho

Kako do CPA

Dilemário Alencar

Max Campos (PSB)

Cezinha Nascimento

Edienes Hadassa

Dr Luiz Fernando

PF Rafael Ranalli

Gabriel Henrique

Itamar Jefferson (PL)

Cristiano Paraqueda

Sebastião Moraes

Daniel

Justino Campos

Rafael "Faré"

Darley Gonçalves

Osmar Rodrigues "Chefinho"

Elenir Pereira

Prof.instrutor Joaquim Neto

Diogo Fernandes

Ade Silva

Sargento Ozeni

Dito Paulo

Paulo Macedo

Luiz BA

Professor Frankes

Paulo da VGDI

Valdemir MM

Weto Salgado

Dr. Daúde

Bob Medina

Wagner Vinícius

Luis Carlos

Carlos Henrique do Correio

Adv Cris

Elenir Pereira

Zé Carlos

Luis Cláudio

Huelton Souza

Rosenil Luiz (Canelinha de pacu) (PL)

Sargento Ozeni

Luiz Poção (PL)

Edilson Odilon (PL)

Paulinho CPA

Germânio Araújo

Chico do Leblon

Delegado Garcia

Renato Anselmo

Cleber Adôrno

Doidinhoducorte

Neno do Pascoal Ramos

Prof. Jorginho



Informe Publicitário