Bolsonaro reduz auxílio emergencial para R$ 300,00 | MUVUCA POPULAR

Segunda-feira, 21 de Setembro de 2020

ARTIGOS Quinta-feira, 10 de Setembro de 2020, 12h:58 | - A | + A




Auxílio emergencial

Bolsonaro reduz auxílio emergencial para R$ 300,00

Rosa neide

 

O Diário Oficial da União (DOU) publicou na última quinta-feira (03), a Medida Provisória (MP) 1.000/2020 editada pelo presidente Jair Bolsonaro, que prorroga o pagamento do auxílio emergencial até dezembro de 2020, no valor de R$ 300,00, metade dos R$ 600,00, que foram pagos entre os meses de abril e agosto.
Trata-se de mais um ato de insensibilidade e desrespeito ao povo brasileiro, por parte do presidente da República. Logo após o governo anunciar o corte de 50% no valor do auxílio, o País vivencia uma disparada no preço do pacote do arroz de 5kg.
Normalmente vendido há R$ 15,00 reais, o arroz passou a ser comercializado por valores superiores a R$ 20,00. Há regiões do País em que o pacote deste, que é o principal alimento da mesa das famílias brasileiras, chega a custar R$ 40,00. Ou seja, os R$ 300,00 anunciados por Bolsonaro não dará para comprar nem 8 pacotes. E como comprar os outros itens da cesta básica?
Pesquisa de preço feita pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Universidade de São Paulo (USP), mostra que a alta do arroz chega a 100% em 12 meses. E não há perspectivas de redução, isso porque produtores e especialistas dizem que os preços devem continuar subindo nos próximos meses.
O óleo de soja e girassol também está em alta nas gôndolas. De acordo com o Cepea, o litro que podia ser comprado em junho por R$ 3,79, em setembro chegou à casa dos R$ 5,69, em média.
A pergunta que não quer calar: como as famílias brasileiras que se encontram desempregadas ou sem nenhuma renda devido aos impactos da pandemia da covid-19 conseguirão sobreviver com um auxílio de apenas R$ 300,00?
É uma vergonha, até mesmo um crime contra a segurança alimentar da população que Bolsonaro tenha reduzido o valor do auxílio. O pagamento de R$ 600,00 já era muito pouco, mas R$ 300,00 é um absurdo.
Por isso, meu mandato, meu partido, os demais partidos de esquerda e siglas que fazem oposição ao governo federal, unidos, travaremos uma verdadeira batalha dentro do Congresso Nacional, para mantermos o valor em R$ 600,00. Bolsonaro nunca quis pagar auxílio nenhum à população. Sempre quis deixar o povo à própria sorte em meio à maior crise de saúde da história.
Foi com muita luta no Congresso que conseguimos aprovar os R$ 600,00 e dessa conquista o povo brasileiro não abrirá mão.
Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgados em julho deste ano apontam que 3 milhões de pessoas perderam o emprego durante a pandemia. Ao todo, 41 milhões de brasileiros e brasileiras estão sem trabalho.
A taxa de desocupação chegou a 13,7%, o que corresponde a 12,9 milhões de desempregados, ou seja, pessoas que procuraram emprego, mas não encontraram. Por sua vez, a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Covid (Pnad Covid-19) do IBGE divulgada em agosto, aponta que outros 28 milhões de brasileiros não buscaram trabalho - sendo considerados como inativos -, mas disseram que gostariam de trabalhar.
Além da gravíssima crise sanitária estamos vivendo uma gravíssima crise social. Somados aos 41 milhões de trabalhadores e trabalhadoras que estão sem trabalho, o País voltou ao triste Mapa da Fome da Organização das Nações Unidas (ONU), relação de países que têm mais de 5% da população ingerindo menos calorias que o recomendável.
Segundo estimativas do Banco Mundial, até o final de 2020 a extrema pobreza atingirá 14,7 milhões de pessoas ou 7% da população brasileira. Em 2019, 9,3 milhões de brasileiros já estavam nessa triste faixa.
Enquanto isso, temos no Palácio do Planalto um presidente que não possui o menor interesse no bem estar da população. Um Ministério da Economia, cujo ministro ultraliberal Paulo Guedes jogou os desempregados, os inativos e os mais vulneráveis ao relento. A tragédia social foi agravada pela pandemia, mas já caminhava a passos largos desde o golpe de 2016, que legou ao País o desmantelamento das políticas de segurança alimentar e nutricional, criadas pelos governos Lula e Dilma.
O auxílio emergencial foi um alento nesse período pós golpe. Por isso, lutaremos com toda as nossas forças para que o Congresso Nacional mantenha o valor de R$ 600,00. O povo brasileiro não merece continuar sendo massacrado por esse desgoverno Bolsonaro que disponibilizou R$ 1,2 trilhão para os bancos e quer pagar apenas R$ 300,00 aos trabalhadores e trabalhadoras.
Professora Rosa Neide. Deputada Federal (PT-MT).

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

comentários

coluna popular
Ansiosos pelas eleições municipais
Mais esperada que o fim da quarentena
Parlamentares buscam estratégias
Deputado quer apoiar coronel Fernanda
Expulsou profissionais da TV Centro América

Últimas Notícias
20.09.2020 - 19:00
20.09.2020 - 18:54
20.09.2020 - 14:25
20.09.2020 - 12:15
20.09.2020 - 12:13


Muvuca (PL)

Adevair Cabral (PTB)

Chico 2000 (PL)

Misael Galvão (PTB)

Ricardo Lobo (PL)

Aladir (PL)

Sargento Joelson (SD)

Juca do Guaraná (MDB)

Luluca Ribeiro (MDB)

Macrean

Ralf Leite (MDB)

Renivaldo Nascimento

Toninho de Souza

Edna Sampaio (PT)

Robson Cireia (PT)

Ricardo Saad

Oseas Machado (MDB)

Rogério Varanda

Alex Ribeiro (PP)

Maurélio (PSDB)

Dudu Santos

Marcelo Bussiki

Vinícyus Clovito

Diego Guimarães

Mário Nadaf

Marcos Veloso

Gisele Almeida

Orival do Farmácia

Wilson Kero-Kero

Dr. Xavier

Justino Malheiros

Zidiel Coutinho

Sargento Vidal

Dídimo Vovô

Clebinho Borges

Júlio da Power

Jamilson Moura

Emídio de Souza (PSL)

Adalberto Cavalcanti

Ricardinho

Kako do CPA

Dilemário Alencar

Max Campos (PSB)

Cezinha Nascimento

Edienes Hadassa

Dr Luiz Fernando

PF Rafael Ranalli

Gabriel Henrique

Itamar Jefferson (PL)

Cristiano Paraqueda

Sebastião Moraes

Daniel

Justino Campos

Rafael "Faré"

Darley Gonçalves

Osmar Rodrigues "Chefinho"

Elenir Pereira

Prof.instrutor Joaquim Neto

Diogo Fernandes

Ade Silva

Sargento Ozeni

Dito Paulo

Paulo Macedo

Luiz BA

Professor Frankes

Paulo da VGDI

Valdemir MM

Weto Salgado

Dr. Daúde

Bob Medina

Wagner Vinícius

Luis Carlos

Carlos Henrique do Correio

Adv Cris

Elenir Pereira

Zé Carlos

Luis Cláudio

Huelton Souza

Rosenil Luiz (Canelinha de pacu) (PL)

Sargento Ozeni

Luiz Poção (PL)

Edilson Odilon (PL)

Paulinho CPA

Germânio Araújo

Chico do Leblon

Delegado Garcia

Renato Anselmo

Cleber Adôrno

Doidinhoducorte

Neno do Pascoal Ramos

Prof. Jorginho



Informe Publicitário