Teimosia que liberta | MUVUCA POPULAR

Sexta-feira, 07 de Agosto de 2020

ARTIGOS Segunda-feira, 20 de Julho de 2020, 12h:32 | - A | + A




Teimosia que liberta

Teimosia que liberta

A comunicação atual não é a mesma de outrora. O narrador nato se afasta da sociedade, se tornando persona non grata. A busca pela facilidade de conhecimento, ainda que superficial, desmerece aqueles que se preparam com devoção para o desenvolvimento de trabalho eficiente e eficaz (W. Benjamin).

 

Os criadores textuais que esmiúçam a criação se encontram em baixa, não se sentem prestigiados para seguir adiante.

A comunicação contemporânea não é a mesma de outrora. A humanidade mais se preocupa em ler resenhas, resumos, acompanhar a facilidade da mass mídia, e por aí afora. A leitura descomplicada ficou mais apetitosa e interessante. Ninguém quer pensar, refletir.

 

O levante para a melhoria de leitores e narradores é algo necessário neste momento. Estima-se que em pouco tempo livrarias ficarão para poucos. O interesse inexiste em acompanhar escritas que acrescentem conhecimento reflexivo e mais complexo. Aconselho a leitura de Walter Benjamin (O Narrador: considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. Magia e técnica, arte e política).

 

Gonçalo Antunes de Barros Neto é juiz em Mato Grosso

 

Cada vez mais se cobra do autor certo afastar da densidade de sua sensibilidade e talento. A leitura de sua arte passa a depender de uma realidade formatada sob influxos da dinâmica da vida, sem paradas reflexivas, num certo caminhar para o resumo fácil e efêmero.

 

Como explicar que o sentimento sublime indica ao pensamento a potência suprassensível, sua mais alta destinação, possibilitando assim a passagem entre o reino da natureza e o reino da razão prática segundo um princípio puro do juízo?

O pensamento, a imaginação, enfim, a representação, é de extrema importância nesse processo, pois é o elo entre o sensível e o não sensível.

 

Isso tudo não é de hoje. Newton, por exemplo, matemático, grande inventor do cálculo, articulador da gravitação universal, juntamente com as suas três leis, conhecidas como leis de Newton, afirmava ser teísta. Dizia o também físico que ao olhar para o sistema solar, não conseguia pensar que um Ser Superior não pudesse ser o Criador. Isso é inspiração, sensibilidade, é a busca da uma ideia por fundamentos metafísicos.

 

Newton se debruçou sobre influencias heterodoxas, como alquimia, cabala, numerologia e Escrituras Sagradas, acreditando que tudo provém de Deus. Ele criou bases para a física clássica, sendo agente formador de opinião da Filosofia Natural.

Construiria ele tais caminhos se acaso afastasse da sua mais forte sensibilidade, intuição e inspiração?

 

Resistiu, penso, ao encanto de ter sido mais lido de época, não aceitando o preço de tal renúncia.

É por aí...

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

comentários

coluna popular
No próximo dia 31
Mudanças devido ao coronavírus
Custo de R$ 260 mil
Triagem para imprensa
Com pneumonia

Últimas Notícias
07.08.2020 - 16:22
07.08.2020 - 16:21
07.08.2020 - 16:12
07.08.2020 - 15:13
07.08.2020 - 14:07




Informe Publicitário