FENAJ: Futuro incerto para a democracia, o Jornalismo e os jornalistas | MUVUCA POPULAR

Segunda-feira, 23 de Setembro de 2019

ELEIÇÕES 2018 Segunda-feira, 29 de Outubro de 2018, 16h:30 | - A | + A




Imprensa Livre

FENAJ: Futuro incerto para a democracia, o Jornalismo e os jornalistas

A nota repudia a violência sofrida por jornalistas no exercício da profissão

A Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) divulgou nesta segunda-feira (29, uma nota oficial em que manifesta preocupação com o futuro, após o resultado das eleições. A nota repudia a violência sofrida por jornalistas no exercício da profissão e, em especial, as declarações do assessor de Jair Bolsonaro (PSL), eleito presidente da República. O assessor Eduardo Guimarães enviou mensagens ofensivas a diversos jornalistas de diferentes veículos de mídia.  

Leia também: EDITORIAL: Temos o compromisso com o jornalismo social e com a Democracia  

Leia na íntegra a Nota Oficial:  

A Federação Nacional dos Jornalistas – FENAJ, representante máxima da categoria no Brasil, expressa sua preocupação com o futuro da nação brasileira, após a eleição da chapa formada pelo capitão reformado Jair Bolsonaro e pelo general Mourão, também reformado, para governar o país a partir de 1º de janeiro de 2019.

A FENAJ repudia a violência contra jornalistas e, em especial, as declarações do assessor de Bolsonaro, Eduardo Guimarães, que apenas esperou a divulgação, no início da noite de ontem (28/10), das pesquisas de boca de urna indicando a vitória de seu assessorado para enviar mensagem ofensiva a diversos jornalistas de diferentes veículos de mídia. Também ontem, jornalistas foram agredidos enquanto faziam a cobertura das comemorações da vitória de Bolsonaro em mais de um Estado brasileiro.

Os muitos casos de agressões contra jornalistas ocorridos durante a campanha eleitoral e a indiferença de Bolsonaro diante dos ataques reforçam o que a trajetória política dele já demonstrara: o político de ultra-direita é avesso a críticas e não admite ser questionado publicamente, mesmo quando as questões dizem respeito à sua atuação como homem público.

Ainda que Bolsonaro tenha assumido o compromisso de respeitar a Constituição brasileira, é de conhecimento público suas ideias autoritárias, como a defesa da ditadura militar, e até mesmo criminosas, como a apologia à tortura. Resta saber como vai se comportar a partir de agora, e se vai se submeter às regras democráticas, entre elas a do respeito às liberdades de expressão e de imprensa.

A FENAJ e os Sindicatos de Jornalistas não aceitam qualquer tipo de violência contra a categoria e categoricamente afirmam que não há justificativa admissível para as agressões que vêm ocorrendo e que cresceram no ambiente virtual no decorrer da campanha.

Igualmente, FENAJ e Sindicatos não aceitam a retirada de direitos dos trabalhadores e trabalhadoras e estarão nas trincheiras da resistência, para evitar mais prejuízos. Como deputado, Bolsonaro votou sempre contra os interesses da classe trabalhadora. Estaremos firmes e alertas para impedir que os retrocessos iniciados por Temer se aprofundem ainda mais.

Diante das incertezas do futuro, a FENAJ e seus Sindicatos filiados reafirmam seu compromisso com a democracia, com o Estado Democrático de Direito, com as liberdades individuais e coletivas e com os direitos humanos, trabalhistas e sociais. E lembram que o Jornalismo e os jornalistas têm papel fundamental para a democracia e a constituição da cidadania e que governantes democráticos submetem-se à crítica e, principalmente, à vontade da maioria que, no Brasil e no mundo, é constituída pela classe trabalhadora.

Em defesa da democracia!

Em defesa das liberdades de expressão e de imprensa!

Em defesa do Jornalismo e dos jornalistas!

Em defesa dos direitos da classe trabalhadora!

Brasília, 29 de outubro de 2018.

Federação Nacional dos Jornalistas – FENAJ.

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

(1) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

jose antonio silva - 30-10-2018 16:31:09

O jornalismo, a imprense tem liberdade! Mas jornalistas estúpidos, mal educados, mal formados, estes não tem liberdade! Porque a imprensa tem liberdade para informar, não quer dizer que os funcionários dessa mesma imprensa possam fazer o que quiser ao seu bel prazer! Desde que respeitem a individualidade das pessoas, fica tudo certo! O que não podem é publicar mentiras e querer noticias, muitas vezes inverdades, publicarem a vontade denegrindo fatos! A imprensa que quer liberdade, essa mesma que aqui se manifesta, está magoada por seu candidato sair perdedor! Com Haddad iriam nadar de braçada com as verbas públicas, por isso, manifestam sua insatisfação com a vitória dos opositores dessa mesma imprensa, pois vão perder espaço no novo governo! Parece aquele "moleque birrento" que perdeu seu "brinquedo" de estimação!

Responder

2
0


1 comentários