Lais Souza anuncia data do casamento, fala sobre vida a dois e vaidade | MUVUCA POPULAR

Quarta-feira, 26 de Junho de 2019

ENTRETENIMENTO Terça-feira, 21 de Maio de 2019, 10h:08 | - A | + A




SUPERAÇÃO

Lais Souza anuncia data do casamento, fala sobre vida a dois e vaidade

Ex-ginasta revela detalhes da celebração e diz que Paula a fez perder medos, como o de usar determinadas roupas. 'Hoje, nem ligo. Uso shortinho, biquíni... Quero mais é curtir'

No dia 25 de janeiro de 2020, Lais Souza e Paula Alencar dirão "sim" oficialmente, diante de testemunhas e à beira-mar, porque, na intimidade, o "aceito" já aconteceu há dois anos, desde que se beijaram pela primeira vez após trocas de mensagens pela internet.

No mês das noivas, o Gshow quis saber da ex-ginasta detalhes dos preparativos para o seu tão sonhado casamento e, durante o papo, acabou descobrindo muito mais sobre o relacionamento e seu poder transformador. Desde que Paula entrou na vida de Lais, a ex-atleta admite que mudou sua percepção como mulher. Redescobriu o amor por outra pessoa e por si mesma.

Cinco anos depois do acidente de esqui que a deixou tetraplégica, nos Estados Unidos, a estudante e palestrante está desfrutando a nova fase com tudo a que tem direito, a começar pela casa na orla de uma praia, em Vila Velha (ES), para onde se mudou com Paula em busca de qualidade de vida, na companhia de outras duas grandes paixões, o cachorro Skank e o gato Baguera.

"Passei pelas duas fases: a de ter muita facilidade e, de repente, me ver sem nada. Agora estou tentando me descobrir de outras formas. O mais importante foi encontrar o amor verdadeiro. Me sinto mais segura e forte porque o acidente me derrubou muito, sabe? E Paula foi me ajudando a resgatar o que eu tinha perdido. Tinha muitos medos, até de usar determinadas roupas. Hoje, nem ligo. Uso shortinho, biquíni... Quero mais é curtir", avisa Lais.

Com a voz mansa, a ex-atleta olímpica de ginástica artística e ski aéreo é firme quando o assunto é casamento, família, beleza e prazer. Tudo resumido nesta entrevista. Segue esperançosa na evolução de seu tratamento, só não reclama nem se deprecia mais. Aos 30 anos está madura, fortalecida e apaixonada. 

Casório

 

 

"Não pretendo fazer um supercasamento. Minha intenção é chamar as pessoas que amam o casal mesmo, em um lugar rústico, sem salto alto. É descalço ou de chinelinho, em uma bela praia (no Espírito Santo)."

 

 

Vestido de noiva

 

"Ainda não sei o que vou usar. Como vai estar muito calor, penso numa coisa mais leve, mas não vai ter vestidão, véu, nada disso."

 

Festa

 

"O bufê a gente quer que seja tudo bem quentinho e fresco. Vai ter um DJ, uma dupla sertaneja e um show de voz e violão. Quero me casar várias vezes e em vários lugares, por isso não posso gastar muito nesse."

 

Paixão à primeira mensagem

 

"A gente se conheceu através de um aplicativo. Ela me mandou um vídeo. De cara, gostei da voz dela, do jeito de falar, aí fomos conversando. Nos encontramos pela primeira vez em São Paulo, ela foi de Vitória e eu de Ribeirão Preto, e daí para frente não nos largamos mais."

 

O beijo

 

"Ela me beijou nos primeiros 20 minutos (de papo). Aceitei e ali já pareceu alma gêmea mesmo. Eu tinha uma namorada assim que sofri o acidente e fiquei com ela por mais alguns meses. Mas depois nem eu estava conseguindo me aceitar e a gente acabou terminando. Também já tinha ficado com outras pessoas, mas quando encontrei Paula foi diferente. Ela foi muito mulher, quis me entender e entrou no meu mundo."

 

Um novo olhar

 

"Paula me ajudou a abrir os olhos para diversas adaptações quanto a minha deficiência. É mais nova do que eu (27 anos) e tem uma visão muito mais aberta do que a minha, é advogada. Venho aprendendo muito com ela, desenvolvendo e a gente vem se somando. Isso está sendo muito importante. Meus objetivos continuam os mesmos. Mas o fato de ela morar na praia me chamou muito atenção porque eu também já tinha esse sonho. Hoje, temos um gato e um cachorro, e eu queria muito isso também. Caiu como uma luva (esse relacionamento)."

 

Morar junto

 

"A gente foi sentindo necessidade. Como eu acabei me apaixonando, tudo sincronizou. No primeiro instante que eu vi esse lugar lindo, com uma água azul perfeitafiquei encantada."

 
Laís e Paula decidiram morar juntas no Espírito Santo — Foto: Reprodução/InstagramLaís e Paula decidiram morar juntas no Espírito Santo — Foto: Reprodução/Instagram

Laís e Paula decidiram morar juntas no Espírito Santo — Foto: Reprodução/Instagram

Família unida

 

"É muito boa minha relação com os pais dela. A mãe da Paula não é só minha sogra, é muito minha mãe também. O pai é superespecial, verdadeiro. Eles são tudo o que eu encontro nela."

 

Filhos

 

"Já tem um bom tempo que eu tenho vontade de ter filhos e Paula me deu mais vontade ainda pela mulher que é. Isso ficou mais forte agora. Acho que, dentro dos próximos dois anos, vamos ter filhos. Pode ser adoção, inseminação artificial, o que vier e o que for possível. Provavelmente o primeiro virá da barriga, o segundo e o terceiro serão adotados."

 

Renovada

 

"Aprendi muitas coisas e hoje sofro bem menos. Veio a maturidade, meu desenvolvimento, fiz escolhas. Também passou muita gente boa na minha vida, anjinhos que trouxeram só coisas bacanas. Não posso reclamar."

 

Vaidade

 

 

"Comecei a me aceitar e a entender que não tinha para onde correr, não tinha o que fazer, que não ia mudar, a não ser me cuidar e não me punir. Acabei chutando o balde."

Cuidados

 

"Não sou muito ligada à maquiagem. Gosto muito de rímel, só não uso sempre, é mais quando vou para balada mesmo. Gosto do meu cabelo natural, de hidratar com babosa para ficar brilhoso e, no máximo, um corte, sem tintura. Tem uns sete anos que não passo tinta."

Na intimidade

 

"Gosto de planejar o ambiente, usar velas, flores... A gente vem aprendendo muito uma com a outra, para se dar prazer, se amar, se conhecer melhor. É manter o carinho nas palavras. Vira e mexe soltar um 'eu te amo' faz toda diferença. Eu amo sexo, minha mulher até diz que sou um pouco viciada"

Evolução

"Me levanto (através do equipamento chamado ortowalk) e isso melhora minha pressão arterial. Não movimento nada ainda, mas esse pequeno acontecimento já me abre um leque gigante para eu sentir minha liberdade. Ficando em pé, consigo olhar nos olhos das pessoas. Estando lá embaixo, sentada (na cadeira de rodas), parece que não prestam tanto atenção."

 

Sonhos

 

"Estar rodeada pelas pessoas que amo. Conseguir uma estabilidade para levar minha família para o caminho da educação e da cultura, que eu não pude ter lá no começo da minha vida. Estou estudando História, que era a matéria que eu mais gostava na escola. E ter minha casa própria."

 

 

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

comentários