A história da juíza punida por baixa produtividade (Parte I) | MUVUCA POPULAR

Quarta-feira, 21 de Outubro de 2020

ESPECIAL Sábado, 01 de Agosto de 2020, 17h:20 | - A | + A




Reportagem especial

A história da juíza punida por baixa produtividade (Parte I)

Flávia Catarina é filha do ex-prefeito de Cuiabá, Valdevino Ferreira de Amorim


Muvuca Popular

A punição da juíza Flávia Catarina por baixa produtividade, sendo aposentada compulsoriamente pelo Tribunal de Justiça (TJ) é um golpe duro devido ao seu histórico familiar.

A juíza aposentada é filha dos advogados Valdevino e Yolanda Amorim. É evidente a influência dos pais na sua carreira. A sua mãe chegou a se aposentar como funcionária do TJ.
O seu pai Valdevino Amorim, morto em 2013, foi comerciante (“Armazém do Papai, onde os preços são de pai para filho”) e representou o segmento como presidente do sindicato dos comerciantes, porém entrou para história ao assumir a prefeitura de Cuiabá em março de 1969, e ao renunciar na vereança devido a traição dos seus correligionários da ARENA.

A punição da juíza ainda é um tema encoberto, cheio de mistérios, e não passou despercebido pelos roteiristas de teorias de conspirações, com enredos alucinantes, até que esta reportagem consiga esmiuçar a verdade dos fatos.
Antes, o contexto de sua história  e um paralelo com o que aconteceu com o próprio pai, Valdevino Amorim, que chegou a ser prefeito de Cuiabá, num momento histórico único, quando a capital teve dois prefeitos. (A história completa voi revista pelo   aqui e aqui)

Foi

dentro do vácuo legal que assumiu como prefeito autoproclamado Valdevino Ferreria de Amorim (ARENA), presidente da Câmara Municipal. O vereador Valdevino Amorim tomou posse em sessão especial da Câmara Municipal no dia 21 de fevereiro de 1969. Os 7 vereadores da ARENA compareceram, mas os 5 vereadores do MDB não foram porque preferiram compor com o prefeito Bento Lobo. É claro que todos sabiam que seria uma questão de tempo até tudo se resolver, ou seja, quando os deputados reabrissem a Assembleia Legislativa. O recesso parlamentar iria até 15 de março.

O governador não teve paciência de esperar, ou conversar com os vereadores, e acionou a procuradoria da República (PGR) para decretar intervenção federal em Cuiabá. O procurador geral Décio Miranda se manifestou em 25 de fevereiro negando o pedido. O autoproclamado prefeito também foi até a PGR pedindo intervenção federal em Mato Grosso, mas o procurador geral negou o pedido. A PGR aconselhou que procurasse primeiro o Tribunal de Justiça (TJ/MT). Isso foi feito,

O prefeito autoproclamado ameaçou transferir a sede da prefeitura para outro lugar, anunciou aos fornecedores que não atendessem mais ao prefeito Bento Lobo e determinou que o dinheiro no banco também fosse proibido de ser movimentado pela prefeitura

e o desembargador Hermínio Batista de Azeredo (TJ) também negou o pedido de Valdevino Amorim.

O prefeito Valdevino Amorim, advogado com longa atuação em Cuiabá, e eleito em 15 de novembro de 1966, engrossou com o governador Pedrossian. O governador deveria reconhecê-lo como prefeito até a volta dos deputados estaduais. O governador não atendeu ao pedido de mandar a polícia militar de volta para o quartel. A prefeitura era local proibido para Valdevino Amorim. O prefeito autoproclamado ameaçou transferir a sede da prefeitura para outro lugar, e fez mais, anunciou aos fornecedores que não atendessem mais ao prefeito Bento Lobo. O dinheiro no banco também foi proibido de ser movimentado pela prefeitura.

Incomodado com a situação o prefeito Bento Lobo procurou remédio na Justiça, e conseguiu uma liminar do juiz substituto Benito Augusto Tiezzi para que Valdevino Amorim não falasse mais em nome da prefeitura de Cuiabá. O juiz reconhecia que Bento Lobo estava como prefeito sem base legal, porém a situação irregular na prefeitura não poderia levar ao prejuízo de serviços à municipalidade, ou seja, a cidade não poderia sofrer pela disputa dos dois prefeitos.

Leia na íntegra: 

Aniversário de 250 anos: O dia que Cuiabá teve dois prefeitos (Parte 1)
                   __{}__

Valdevino tomou posse; Deputado Emanuel Pinheiro foi relator (Parte 2)

 

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

(3) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

jose a silva - 02-08-2020 08:07:14

E DO STF? NINGUÉM DIZ NADA? NÃO PRODUZEM NADA DE ÚTIL À SOCIEDADE! E O QUE PRODUZEM SÃO ASNEIRAS, ATRÁS DE ASNEIRAS! ATUALMENTE A COMPOSIÇÃO DO STF É A MAIS VERGONHOSA DO BRASIL E QUE JÁ EXISTIU! VAMOS VER SE O PRÓXIMO PRESIDENTE DAQUELA FAMIGERADA E VERGONHOSA CASA MORALIZA UM POUCO MAIS! MAS NÃO NOS MOLDES DA CÂMARA MUNICIPAL DE CUIABÁ OU DA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DE MATO GROSSO! ESSAS DUAS, SÓ NA PRÓXIMA GERAÇÃO!

Responder

1
3


José - 02-08-2020 12:51:39

Rapaz. Tá na hora de mudar de argumento. Atacar o STF não vai mudar a imagem do seu ídolo, o Bozo. Tá provado, ele é medíocre. Fazer o quê!!?. Agora é esperar o mandato dele e escolher outro que tenha capacidade para governar o país. Enquanto isso ele deve estar oferendo cloroquina para as emas do Planalto. Coitadas!!!

Responder

7
2


Quarta-feira - 01-08-2020 18:45:50

Parecendo armação contra essa juíza. Oque tem uma situação com a outra? Oque sempre pudemos observar das histórias que envolve o judiciário, é que é cada uma que não é deste mundo. Só Deus pra saber oque corre nesse meio. De uma coisa sabemos, para o túmulo não se leva cargo, função, poder ou dinheiro. Muito pelo contrário.

Responder

11
4


3 comentários

coluna popular
Improbidade administrativa
Deu na Revista Época
Com 87 anos
Não terminou
Candidatos tentam surfar na onda

Últimas Notícias
20.10.2020 - 22:20
20.10.2020 - 21:46
20.10.2020 - 20:37
20.10.2020 - 19:31
20.10.2020 - 19:00


Muvuca (PL)

Adevair Cabral (PTB)

Chico 2000 (PL)

Misael Galvão (PTB)

Ricardo Lobo (PL)

Aladir (PL)

Sargento Joelson (SD)

Juca do Guaraná (MDB)

Luluca Ribeiro (MDB)

Macrean

Renivaldo Nascimento

Toninho de Souza

Edna Sampaio (PT)

Robson Cireia (PT)

Ricardo Saad

Oseas Machado (MDB)

Rogério Varanda

Alex Ribeiro (PP)

Maurélio (PSDB)

Dudu Santos

Marcelo Bussiki

Vinícyus Clovito

Diego Guimarães

Mário Nadaf

Marcos Veloso

Gisele Almeida

Orival do Farmácia

Wilson Kero-Kero

Dr. Xavier

Justino Malheiros

Zidiel Coutinho

Sargento Vidal

Dídimo Vovô

Clebinho Borges

Júlio da Power

Jamilson Moura

Emídio de Souza (PSL)

Adalberto Cavalcanti

Ricardinho

Kako do CPA

Dilemário Alencar

Max Campos (PSB)

Cezinha Nascimento

Edienes Hadassa

Dr Luiz Fernando

PF Rafael Ranalli

Gabriel Henrique

Itamar Jefferson (PL)

Cristiano Paraqueda

Sebastião Moraes

Daniel

Justino Campos

Rafael "Faré"

Darley Gonçalves

Osmar Rodrigues "Chefinho"

Elenir Pereira

Prof.instrutor Joaquim Neto

Diogo Fernandes

Ade Silva

Sargento Ozeni

Dito Paulo

Paulo Macedo

Luiz BA

Professor Frankes

Paulo da VGDI

Valdemir MM

Weto Salgado

Dr. Daúde

Bob Medina

Wagner Vinícius

Luis Carlos

Carlos Henrique do Correio

Adv Cris

Elenir Pereira

Zé Carlos

Luis Cláudio

Huelton Souza

Rosenil Luiz (Canelinha de pacu) (PL)

Sargento Ozeni

Luiz Poção (PL)

Edilson Odilon (PL)

Paulinho CPA

Germânio Araújo

Chico do Leblon

Delegado Garcia

Renato Anselmo

Cleber Adôrno

Doidinhoducorte

Neno do Pascoal Ramos

Prof. Jorginho

Itamar Carvalho

Sidney de Souza

Marquinhos Carioca

Renato Anselmo

Pablo Queiroz

Pastor Jeferson

Paulo do Carmo

Vinícius Pardi

Aroldo Telles

Marcus Brito Jr.

Elzio Xaulin

Ledevino Conceição

Elias Santos

Edmilson Carmo

Gato Louco

Nilda Tosca



Informe Publicitário