Massacre do Paralelo 11 (Final): A covardia da justiça e impunidade dos poderosos | MUVUCA POPULAR

Sexta-feira, 03 de Abril de 2020

ESPECIAL Sexta-feira, 29 de Março de 2019, 20h:18 | - A | + A




Resgate histórico

Massacre do Paralelo 11 (Final): A covardia da justiça e impunidade dos poderosos

Mais de 8 mil indígenas foram assassinados durante a ditadura militar

O grupo de jagunços recrutado pelas empresas das famílias Palma e Junqueira estuprou e assassinou diversas índias, esquartejou crianças e trucidou idosos a sangue frio. O '"Massacre do Paralelo 11" causou comoção na sociedade e repercussão nacional. Os autores e mandantes já eram conhecidos desde a época do ocorrido, em 1963. Mas o caso também se tornou um dos maiories shows de pirotecnia juridica de que se tem notícia na história de Mato Grosso.

ee
O processo demorou muito até ser apresentado à Justiça. O Ministério Público tinha uma batata quente nas mãos. O inquérito foi registrado na 3ª Vara da Justiça de Cuiabá em 29 de junho de 1966. O promotor Luís Vidal da Fonseca alegou que Cuiabá era incompetente para o julgamento porque os fatos ocorreram no município de Aripuanã, e que seria comarca de Diamantino. O juiz Carlos Avalone, de Diamantino, devolveu o processo porque Aripuanã pertenceria à Cuiabá.

__________
Leia também:
Parte 1 - Esquadrão da morte: O massacre do "Paralelo 11"
Parte 2 - O massacre que manchou o estado e comprometeu uma nação

O promotor Luís Vidal da Fonseca alegou ter sido advogado da empresa e se deu por impedido para fazer a denúncia. O promotor Benedito Pereira do Nascimento não aceitou a suspeição do colega, e então o juiz Domingos Sávio Brandão de Lima decidiu que o promotor Luís Vidal da Fonseca era competente para prosseguir com a denúncia em 24 de setembro de 1966.

O promotor denunciou todos os empregados da empresa que participaram do massacre, porém deixou de fora os donos. “Deixo de denunciar Antônio Mascarenhas Junqueira e Sebastião Palma de Arruda por não ter ficado concretizada a anuência de matança aos índios

O promotor Luís Vidal da Fonseca recorreu à Corregedoria do Tribunal de Justiça que cassou o despacho do juiz Domingos Sávio Brandão de Lima em 15 de fevereiro de 1967 porque o conflito deveria ser resolvido apenas pelo procurador-geral de Justiça. O procurador-geral Benjamim Duarte decidiu não haver impedimento, em abril de 1967, porém o promotor Luís Vidal não concordou e não fez a denúncia.

O caso foi repassado para o promotor Anselmo do Amaral Falcão em julho de 1967, mas o promotor se declarou impedido porque sua esposa era parente de Sebastião Palma Arruda. O juiz Domingos Sávio concordou e remeteu o processo para o promotor Atílio Ouríves, que não o aceitou porque o colega Luís Vidal deveria acatar a ordem do procurador-geral Benjamim Duarte Monteiro. O processo então retornou para o promotor Luís Vidal, que já não atuava na comarca.

O promotor Zélio Guimarães deveria pegar o caso em setembro de 1967, mas não o recusou porque o processo seria do promotor Luís Vidal. O juiz José Nunes da Cunha encaminhou o processo para o procurador-geral Benjamim Duarte Monteiro decidir. O procurador Benjamim Duarte mandou o processo para Luís Vidal. O promotor Luís Vidal recusou o caso e fez nova queixa à Corregedoria do TJ. O novo corregedor era o juiz Domingos Sávio Brandão de Lima, em novembro de 1967 também se declarou impedido para decidir sobre a competência.  Esse enredo todo justifica a morosidade da justiça até então, ante um caso de tamanha repercussão e barbárie, que não encontrou entre os homens da justiça coragem suficiente para julgar, não pelo caso em si, mas pelos envolvidos a fortuna que estava por trás de tudo.

O tempo passou e o juiz Milton Ferreira Mendes mandou o corregedor tomar providências. O juiz corregedor Domingos Sávio mandou o processo para ser decidido pelo novo procurador-geral Ataíde Monteiro da Silva, que aceitou a suspeição do promotor Luís Vidal, e determinou que o promotor Zélio Guimarães assumisse o caso e apresentasse a ação penal. Segundo o procurador Ataíde, o processo perambulou demais “num jogo de escusas, de desculpas e impedimentos, em desprestígio da Justiça, sem que o órgão da acusação deduza em juízo a pretensão punitiva consistente na denúncia”.

O promotor denunciou todos os empregados da empresa que participaram do massacre, porém deixou de fora os donos. “Deixo de denunciar Antônio Mascarenhas Junqueira e Sebastião Palma de Arruda por não ter ficado concretizada a anuência de matança aos índios, já que o objetivo da expedição era a exploração de minérios e expansão do seringal”.
A companhia Arruda e Junqueira tentava abrir outra exploração que não a borracha, e desde 1967 tentava outros caminhos como a Cassiterita, Tantalita e Columbita, e para azar dos índios, as melhores terras agrícolas, e também ricas em diamantes, eram as suas.

A FUNAI tentou reabrir o caso, mas o Ministério Público não aditou o processo acusando os donos da companhia Arruda e Junqueira

A FUNAI ficou preocupada com o andamento do processo e contratou como advogado de acusação o senador Eurico Vieira Rezende para ajudar o promotor Humberto Maranhão Ayres. E finalmente o julgamento ocorreu em 30 de maio de 1975 com a condenação de Ramiro Costa a onze anos de prisão. Mas por estar preso desde 13 de fevereiro de 1971, e devido a doenças e a contar com 64 anos de idade entrou na relação de trinta nomes de presidiários cuiabanos que receberiam indulto de Natal do presidente Geisel.

A saída do presídio central de Cuiabá aconteceu durante a madrugada porque o diretor temia que fosse assassinado. O diretor o entregou ao capelão, o padre Pedro Cometti que deu a Ramiro R$70,00 e uma carta a ser entrega ao padre Antônio Iasi, em Diamantino. A FUNAI tentou reabrir o caso, mas o Ministério Público não aditou o processo acusando os donos da companhia Arruda e Junqueira. O ex-empregado da companhia Ramiro Costa acabou morrendo alguns anos depois.

P.S. Esse desfecho de um episódio dos mais dramáticos da história de MT e do Brasil, que incluiu roubo, estupro, grilagem, assassinato, tortura e outras agressões, envolveu praticamente toda a alta sociedade da época, causou demissão de ministro, chamou atenção do mundo, mas a justiça se fez pendular. Fosse outro, o enredo dos acontecimentos não seriam escritos pelos personagens que ajudaram encobrir o massacre e ludibiar o julgamento, e muitas das fortunas que existem hoje, talvez não fossem constituídas, sob dor, sangue e massacres. A história seria outra.

P.S.²: Pelo menos 8 mil indígenas foram assassinados durante o período militar, e não se tem notícia de qualquer punição desse genocídio.

P.S.³: O irmão mais novo de um dos donos da empresa, Sebastião Palma de Arruda, que teria ordenado a matança, veio depois a ser prefeito de Cuiabá.

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

(3) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

Nho Belo - 01-11-2019 09:40:20

Interessante como nomes que hoje são falados de boca cheia tais como: Junqueira, Palma de Arruda, Vidal e outros tiveram ascensão política e financeira em nosso estado, tais pessoas deveriam ter nota de repúdio cada vez que são citadas. Vergonhoso, mas não é diferente hoje.

Responder

0
0


Alceu - 01-04-2019 11:54:21

Muvuca e suas histórias

Responder

0
1


Rhuan - 01-04-2019 11:53:32

Triste

Responder

0
0


3 comentários

coluna popular
41 confirmados
Três servidores do município foram infectados
Vereadores aliados de Mendes
Intriga entre governador e presidente
Se posicionou contra suspensão de contratos

Últimas Notícias
02.04.2020 - 21:38
02.04.2020 - 19:45
02.04.2020 - 19:17
02.04.2020 - 18:53
02.04.2020 - 18:16


Carlos Fávaro (PSD)

Coronel Rúbia (Patriota)

Elizeu Nascimento (DC)

Gisela Simona (Pros)

José Medeiros (Podemos)

Júlio Campos (DEM)

Nilson Leitão (PSDB)

Otaviano Piveta (PDT)

Procurador Mauro (PSOL)

Reinaldo Morais (PSC)

Valdir Barranco (PT)

(Nenhum deles)

Feliciano Azuaga



Informe Publicitário