Editorial: Morte de criança por envenenamento mostra despreparo médico em MT | MUVUCA POPULAR

Segunda-feira, 23 de Setembro de 2019

GERAL Terça-feira, 10 de Setembro de 2019, 20h:30 | - A | + A




Menina agonizou por 2 meses

Editorial: Morte de criança por envenenamento mostra despreparo médico em MT

Rede de proteção nesses casos não tem sido melhorada


Muvuca Popular

 Foto: montagem 

A prisão da madrasta ocorrida ontem (9), e chamada pela polícia de “operação branca de neve” porque a enteada de 11 anos teria sido envenenada devido a uma herança de R$800 mil, mostra que a sociedade cuiabana falhou com a menor, morta em junho deste ano, após uma agonia que durou dois meses. A menina deu entrada por nove vezes nos hospitais.

Segundo a delegacia especializada de defesa da criança e do adolescente (Deddica), em um discreto e cuidadoso trabalho de investigação, o que levou a morte da menina foi o pesticida carbofurano, mais conhecido como “furadan”, de letalidade amplamente conhecida no campo.

Os sintomas apresentados pela menina em cada uma das internações, que a levaram a ficar acamada de cinco a sete dias, não deveriam ser desconhecidos pelas dezenas de médicos que a atenderam. O estado de Mato Grosso usa, e muito, os pesticidas, também chamados de defensivos agrícolas.

O “caso branca de neve”, de envenenamento por carbofurano não é o único de Cuiabá. A Deddica investigou em 2016 o caso de um menino de dois anos que morreu após tomar um achocolatado. A investigação policial daquele caso também foi bem feita, mas infelizmente a criança sequer teve tempo de ser socorrida pelos médicos.

O que chama a atenção nesse caso da madrasta é que os médicos não conseguiram diagnosticar as causas. Vômito, diarréia, descoordenação motora, entre outros sintomas conhecidos de intoxicação, não levaram a nenhuma conclusão médica. A menina esteve nos melhores hospitais de Cuiabá, onde estão os melhores recursos médicos de Mato Grosso.

Acidentes de avião sempre levam ao aperfeiçoamento da segurança dos demais vôos, em que se avalia o homem, a máquina e todo o procedimento, no mundo todo. Mas no caso da morte de uma criança em Cuiabá não parece que a rede de proteção esteja sendo melhorada para os demais mato-grossenses.

Em tempo: O fato mostra evidente falha dos médicos no caso, e ainda não se sabe se nos atendimentos eles seguem protocolos necessários para levar ao aperfeiçoamento em casos específicos, o que poderia ser elaborado e/ou supervisionado pelo Conselho Regional e Nacional de Medicina.

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

(15) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

Lindalva - 13-09-2019 08:59:38

é disso que eu estou falando a gente leva nossos filhos no hospital eles nem pesam para saber o peso da criança que remédio dá os médicos não estão nem aí ainda mais pela linha SUS minha filha com izipela eu levei mais de 10 médicos nenhum suspeitou de izipela tive que pagar uma consulta de r$ 350 paramédica descobrir em menos de um dia

Responder

0
0


Efa - 11-09-2019 16:38:43

Parabéns pela Matéria. Falou o que está engasgado em minha garganta. Se nos chamados melhores hospitais aconteceu isso, imagine só nos considerados mais precários.

Responder

6
0


Walkiria - 11-09-2019 10:26:41

Eu só consigo pensar ONDE ESTAVA O PAI DESSA CRIANÇA QUE NÃO VIU ISSO?

Responder

4
1


Laysa - 11-09-2019 10:25:59

O que o Conselho Regional de Medicina CRM tem a dizer? queremos que apurasse e desse um retorno pelo menos a família. Mas vejo pessoas morrendo por negligência e nada de retorno. Isso tudo porque é particular. Onde vamos parar??

Responder

4
0


Rafaela - 11-09-2019 10:21:30

Olha a importância de fazer um hemograma completo quando a criança fica doente CHEGA DE DIZER QUE É VIROSE

Responder

4
0


Flávia - 11-09-2019 10:19:51

Ela morava com a criança desde pequena e não tinha amor? conheço a família e ela reclamava muito da madrasta

Responder

3
1


Queitiane - 11-09-2019 10:18:20

Fico indignação como não descobriram isto quando ela foi internada por nove vezes?? Faltou pulso do pai? eu ia ficar em cima até descobrirem

Responder

2
1


Adriana - 11-09-2019 10:16:59

A mãe morreu, os avós paternos morreram, acho que deviam investigar as circunstâncias da morte dos avós também, um ano de diferença da morte de um para o outro é muito estranho isso.

Responder

5
0


Celia - 11-09-2019 10:15:29

que triste como o ser humano pode ser tão mal.

Responder

2
0


Magno - 11-09-2019 10:14:55

Olha a cara desse monstro? se eu soubesse quem era o pai dessa criança iria encher ele de porrada

Responder

2
0


André - 11-09-2019 10:11:32

Estou de pleno acordo, as vidas do seres humanos não tem mais valor os médicos brincam de ser médicos não adiante ir nos particulares é o mesmo descaso

Responder

2
0


Andressa - 11-09-2019 10:10:23

A saúde EM MT está doente, muito doente, devido muita irresponsabilidade, os alunos de medicina hoje em dia são um bando de beberrões

Responder

2
0


Meire - 11-09-2019 10:09:06

MEU DEUS QUE TRISTE MAS A SAÚDE ESTA REALMENTE UMA PORCARIA PUBLICA OU PARTICULAR

Responder

2
0


Lair - 11-09-2019 10:07:36

Olha, tem que caçar o registro desses indivíduos, que não se pode nem de chamar de médico. Como não perceberam? exames e mais exames não conhecem os sintomas do envenenamento??

Responder

2
0


Carina - 11-09-2019 10:05:50

Meu Deus que triste cade o pai dela que não cuido dela???

Responder

0
1


15 comentários