Empresa é contratada para fazer estudo da viabilidade econômica do VLT e do BRT em MT | MUVUCA POPULAR

Sexta-feira, 24 de Janeiro de 2020

GERAL Terça-feira, 26 de Novembro de 2019, 10h:32 | - A | + A




Empresa é contratada para fazer estudo da viabilidade econômica do VLT e do BRT em MT

Foto: Gcom-MT

vlrt.jpg

 

Uma empresa de consultoria ganhou uma licitação para o estudo de viabilidade econômico-financeira de continuidade das obras do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), na Grande Cuiabá, que estão paradas desde 2014. O resultado da licitação foi divulgado no Diário Oficial do Estado, que circula nesta terça-feira (26).

Pelo valor de R$ 464,3 mil, a empresa deve elaborar e apresentar no prazo de 90 dias um relatório sobre a retomada do VLT e a viabilidade de construção do BRT (Buss Rapid Transit) - que consiste em corredores exclusivos para a circulação de ônibus coletivos.

A empresa Oficina Engenheiros Associados fez uma proposta 35,6% menor que o valor de referência, de R$ 721 mil.

De acordo com a Secretaria Estadual de Infraestrutura (Sinfra), em cinco dias, o secretário da pasta, Marcelo Duarte, irá homologar o resultado da licitação, declarando a empresa vencedora.

A consultoria deve apresentar uma proposta de integração do transporte da Região Metropolitana do Vale do Rio Cuiabá.

Obra do VLT está parada desde dezembro de 2014 e vagões estão parados — Foto: Mayke Toscano/Gcom-MTObra do VLT está parada desde dezembro de 2014 e vagões estão parados — Foto: Mayke Toscano/Gcom-MT
Obra do VLT está parada desde dezembro de 2014 e vagões estão parados — Foto: Mayke Toscano/Gcom-MT

Outro estudo
Paralelamente a essa consultoria, está sendo feito um estudo técnico sobre a viabilidade ou não do VLT. O estudo está sendo feito por um Grupo de Trabalho composto por vários órgãos, e comandado pela secretaria Nacional de Mobilidade Urbana, vinculada ao Ministério de Desenvolvimento Regional.

O grupo de trabalho foi montado em julho deste ano, após reuniões feitas em Brasília entre os governos estadual e federal.

A comissão é composta pelos secretários Marcelo Oliveira, de Infraestrutura e Logística; Rogério Gallo, de Fazenda; Emerson Hideki Hayashida, da Controladoria Geral; Carlos Fávaro, do Escritório de Representações e o procurador Lucas Schiwinden Dallamico, como representante da Procuradoria Geral do Estado.

O VLT
O VLT começou a ser construído em 2012 pelo consórcio VLT Cuiabá Várzea Grande, com um custo inicial de R$ 1,4 bilhão. O prazo de entrega era 13 de março de 2014, para facilitar a mobilidade dos turistas durante a Copa do Mundo de 2014, já que Cuiabá foi uma das sedes do mundial, e até a presente data não foi terminado.

Em 2009, quando Cuiabá foi escolhida para ser uma das sedes da Copa, a decisão do governo era para que o modal de transporte a ser utilizado era o BRT (Bus Rapid Transit), com o custo de R$ 400 milhões a época.

Foi em 2012 que o governo federal autorizou a troca do modal, que Mato Grosso optou pelo VLT, com recursos da Caixa Econômica Federal e Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

A obra do VLT foi projetada para ter uma extensão de 22 quilômetros, com dois itinerários. Segundo o projeto, o primeiro trecho ligaria o Aeroporto Marechal Rondon até a Avenida Rubens de Mendonça. O segundo trecho sairia da Avenida Tenente Coronel Duarte até a região do Coxipó.

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

comentários

coluna popular
Ato de empatia
Nota de pesar
Será que vai, desta vez?
Longos anos
Provas dos crimes

Últimas Notícias
23.01.2020 - 22:30
23.01.2020 - 19:35
23.01.2020 - 18:59
23.01.2020 - 17:45
23.01.2020 - 17:33




Informe Publicitário