Empresas se antecipam e aderem à Lei de proteção de dados | MUVUCA POPULAR

Terça-feira, 11 de Agosto de 2020

GERAL Sexta-feira, 10 de Julho de 2020, 11h:44 | - A | + A




Empresas se antecipam e aderem à Lei de proteção de dados


redacaomuvuca@gmail.com

Dados.jpg

 

A Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD) ainda não está em vigor no Brasil, mas muitas empresas estão saindo na frente para garantir transparência sobre o tratamento aos dados pessoais de seus clientes. Adequar a utilização das informações e comunicar serão as principais exigências da nova legislação.

Algumas medidas provisórias alteraram o prazo para adequação e sanção da LGPD e ainda não tem uma data definida, mas antecipar o processo pode trazer diferenciais de mercado e mais segurança aos usuários. Isso é o que explica o advogado especialista em direito empresarial Hugo Menezes Guimarães Neto.

“Os empresários nos procuram para adequar o sistema de dados de seus negócios até mesmo como uma estratégia para atrair mais clientes, otimizar a utilização das informações e, claro, tornar o ambiente mais seguro para a empresa e para os clientes”, explica o Menezes.

Foi pensando nisso que LogLab Digital iniciou o processo de adequação e aderiu à LGPD mesmo antes da exigência legal. O diretor comercial da empresa, Danilo Pereira Sampaio, explica que a adesão a Lei foi uma decisão muito acertada em todos os aspectos. “Trabalhamos com informações e seria uma incongruência não oferecer aos nossos clientes a segurança com relação ao tratamento dos dados que Lei exigirá. Antecipar este processo nos dá mais solidez e confiabilidade”.

Além de utilizar a LGPD como referência, a LogLab também está desenvolvendo produtos para que seus clientes também possam aderir à LGPD e assim tornar o ambiente digital mais seguro para os clientes deles. “Todos terão que se adequar à LGPD, independentemente da natureza da atividade e dos negócios”, Danilo Sampaio.

De acordo com Hugo Menezes, atualmente as infrações mais reclamadas por usuários é o compartilhamento de dados com fins monetários, ou seja, o envio de informações para que outras empresas explorem comercialmente de acordo com o perfil. “As empresas são autorizadas a tratar dados, o que a lei estabelece é que haja transparência com relação a como as informações serão trabalhadas, armazenadas e até sobre o descarte delas”.

Ainda de acordo com o advogado, a adesão à LGPD pode ser também uma oportunidade para que as empresas organizem seus bancos de dados. “Existe uma infinidade de informações guardadas pelas empresas, dados estruturados e não estruturados, que são desnecessários e isso custa tempo e dinheiro.

Legislação

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) foi sancionada no governo Michel Temer, em 2018, mas já passou por duas prorrogações com relação à vigência da legislação. Originalmente ela entraria em vigor no início de 2020, depois foi adiada para agosto deste ano e agora a previsão é para maio de 2021, conforme a Medida Provisória de abril deste ano.

A LGPD brasileira foi inspirada no modelo europeu e estabelece padrões sobre quais dados de usuários, armazenados por empresas, são pessoais ou sensíveis e traz regras de como eles devem ser tratados e armazenados.

Outra previsão da Lei é com relação às punições da autoridade nacional para fiscalização.

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

comentários

coluna popular
Únicos políticos presentes
"Talvez você tenha esquecido seu papel"
Gestão da PM
Eleição suplementar ao Senado Federal
Greve da categoria

Últimas Notícias
11.08.2020 - 18:09
11.08.2020 - 17:31
11.08.2020 - 16:52
11.08.2020 - 16:22
11.08.2020 - 16:21




Informe Publicitário