MPT e PF fazem parceria para combater trabalho escravo e infantil | MUVUCA POPULAR

Domingo, 20 de Outubro de 2019

GOVERNO Quarta-feira, 10 de Julho de 2019, 14h:05 | - A | + A




Acordo assinado

MPT e PF fazem parceria para combater trabalho escravo e infantil

Acordo de cooperação técnica prevê intercâmbio de informações por meio do acesso à base de dados das instituições


De Brasília (Agência RBC News)

 

O Ministério Público do Trabalho (MPT) e a Polícia Federal (PF) assinaram nesta terça-feira (9) um acordo de cooperação técnica para desenvolver projetos e ações de interesse comum. O objetivo, segundo a assessoria do MPT, é fortalecer o combate ao trabalho escravo e o trabalho infantil em todo o Brasil. O acordo, que terá duração de três anos, com possibilidade de renovação, foi assinado na sede da Procuradoria-Geral do Trabalho (PGT), aqui em Brasília.

O acordo prevê a execução de ações de combate ao trabalho escravo, capacitação técnica e intercâmbio de informações por meio do acesso à base de dados das instituições. Segundo o procurador-geral do MPT, Ronaldo Fleury, o acordo vai reverter ainda mais o trabalho coletivo das instituições em prol da sociedade.

“Já existe um trabalho muito grande no caso das operações de combate ao trabalho escravo e combate ao trabalho infantil operacional onde a Polícia Federal e o MPT trabalham juntos para combater essas duas chagas e agora, além disso, tem a cooperação no compartilhamento de informações”, explicou o procurador-geral.

Segundo o diretor-geral da PF, Maurício Leite Valeixo, o acordo representa a formalização de um trabalho que já vem sendo realizado há muitos anos pela PF e pelo MPT no combate ao trabalho escravo por meio de ações de fiscalização e também no combate a outros crimes trabalhistas. “A sociedade ganha em razão das dificuldades hoje que todas as instituições têm em relação a recursos humanos e financeiros e esse fortalecimento nas relações de cooperação reduz esses obstáculos e permitem que as instituições trabalhem de forma mais forte e focada nas suas respectivas atribuições”, disse.

Trabalho escravo

O procurador-geral do MPT, Ronaldo Curado Fleury, e a coordenadora nacional de Erradicação do Trabalho Escravo (Conaete), procuradora Catarina von Zuben, estiveram reunidos, também nesta terça (9) com o secretário de Trabalho, Bruno Dalcomo, no Ministério da Economia, para falar sobre a atuação dos órgãos no combate ao trabalho análogo ao de escravo.

Com a reforma administrativa instituída pelo presidente Bolsonaro logo no início de seu governo, houve a extinção do Ministério do Trabalho e suas atribuições passaram para o Ministério da Economia, que tem como titular o ministro Paulo Guedes. A reunião teve ainda a participação de representantes da Advocacia-Geral da União e da Secretaria de Inspeção do Trabalho.

Recentemente o MPT criou a Lista Nacional de Condenações por Tráfico de Pessoas ou por Submissão de Trabalhadores a Condições Análogas à de Escravo em ações em seu âmbito. Este foi o principal assunto da conversa dos representantes do MPT com o secretário Bruno Dalcomo. A lista veio para reforçar a já conhecida “lista suja”, cadastro de empregadores flagrados na prática de trabalho escravo, criada por Portaria Interministerial no âmbito da União.

"A diferença entre elas é a diversidade de bases de dados que as alimentam, pois enquanto a lista do Poder Executivo publiciza as empresas condenadas administrativamente, a lista a ser publicada pelo MPT apresentará as empresas condenadas judicialmente. Não são, pois, excludentes, mas complementares e fundamentais para o combate ao trabalho escravo e tráfico de pessoas", explica Fleury.

Dessa forma, a coordenadora da Conaete, Catarina von Zuben, ressalta que as listas se complementam e proporcionam uma maior transparência à sociedade da atuação de cada um dos órgãos na erradicação dessas chagas, no país.

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

(7) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

Miguelina - 11-07-2019 09:56:33

Eu não trabalhei na infância e não me tornei uma vadia era pobre mas sempre estudei parabéns para quem defende as crianças dos exploradores

Responder

1
0


Marciano - 11-07-2019 09:53:10

Comecei a trabalhar com 14 anos. Qual o problema?

Responder

0
1


Carlos - 11-07-2019 09:52:20

Não apoio a exploração infantil. Eu disse infantil. A pessoa com 12 , 13 anos já não é mas criança

Responder

0
1


Comentário sensato - 11-07-2019 09:51:18

O trabalho infantil é um dos problemas mais graves do Brasil. Mais de 2,7 milhões de crianças estão nessas condições, sendo cerca de 400 mil menores de 5 anos. A imensa maioria abandona a escola para trabalhar. Este velho fanfarrão, burro, não nem educação p crianças, muito menos empregos para as pessoas... depois reclama de marginais.

Responder

1
0


Claudio - 11-07-2019 09:49:46

não temos nem educação p crianças, muito menos empregos para as pessoas... depois reclama de marginais. Acham que toda criança que trabalha cedo será pessoas de bem?

Responder

1
0


Tiago - 11-07-2019 09:47:16

Ainda bem que temos pessoas pensando nas crianças

Responder

1
0


jose a silva - 11-07-2019 07:26:42

É O MPT e a PF influenciado, facilitando e promovendo a criação de novos marginais! Será que esse povo não tem discernimento não? Desde quando trabalhar faz mal? A não ser que temam perder suas obrigações com menos criminosos nas ruas, pois aí não teriam o que fazer! Eu, desde 6 anos de idade já trabalhava e com 12 já consegui meu 1º registro e carteira, estou vivo, com saúde e não sou marginal! Mas quem não trabalha tem tempo para pensar e pilantragens! Estão remando ao contrário do que deveria ser feito!

Responder

0
1


7 comentários