Igreja Batista Getsemâni

Funaro afirma que Taques recebeu propina na campanha em troca de incentivos fiscais

Doleiro fez declaração na CPI da Sonegação e Renúncia Fiscal na ALMT

Helena Corezomaé
redacaomuvuca@gmail.com

 Pedro Taques | Foto: reprodução da internet 

Segundo a deputada Janaína Riva (MDB) o doleiro Lúcio Funaro afirmou em delação, que aconteceu na quinta-feira (19), na sessão da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Sonegação e Renúncia Fiscal, na Assembleia Legislativa (ALMT), que o ex-governador Pedro Taques (PSDB) recebeu propina na sua campanha em troca de incentivos fiscais.

A declaração foi feita em resposta ao questionamento da parlamentar, que perguntou ao doleiro se além do ex-governador Silval Barbosa, Taques também recebeu propina na campanha eleitoral em troca de favores, o que foi respondido positivamente.

“Na CPI por exemplo eu perguntei para o doleiro Lúcio Funaro se além do Silval Barbosa o Pedro Taques também tinha envolvimento de recurso financeiro de propina para campanha em troca de incentivo fiscal, e ele disse que sim. Eu não queria expor isso publicamente, por que para isso a gente precisa pedir compartilhamento de provas para poder usar isso”, declarou a parlamentar em entrevista a imprensa no encontro das mulheres do MDB.

Além disso, a parlamentar criticou o “espetáculo” que estaria sendo feito em cima da delação do doleiro, como aconteceu em outras CPIs, citando como exemplo a do Ministério Público e das obras da Copa.

“Eu já tinha dito que a CPI não pode ser um espetáculo. A gente teve muita CPI aqui que de espetáculo teve muito, mas de resultado prático não teve nenhum. Vimos isso na CPI das obras da Copa e na do Ministério Público que acabou não dando em nada e só expôs muita gente, mas não deu retorno nenhum para sociedade”, afirmou.

Na opinião da parlamentar, para garantir o bom proveito das CPIs, elas deveriam acontecer de portas fechadas. “Eu acho que todas as audições daqueles que forem ouvidos na CPI da Renúncia e Sonegação elas tem que ser feitas de portas fechadas e podem ser feitas televisionadas ao vivo, pode ter depois as imagens passadas para população como a nossa vai ter, sem corte nenhum”, defendeu.

“Agora o que não dá é para gente ficar aguentando uma sessão marcada no auditório, como se fosse uma audiência pública, com a presença de quem quiser ir para lá, expondo aquele que está depondo, expondo aqueles que são citados e além disso tudo, deputado que nunca apareceu nas CPIs, mas quando a CPI é aberta para imprensa ele faz questão de ir, quando a CPI é fechada ele nem aparece”, acrescentou e aproveitou para alfinetar o colega Ulysses Moraes (DC).


Fonte: MUVUCA POPULAR

Visite o website: https://www.muvucapopular.com.br