Igreja Batista Getsemâni

Sintep diz que aulas online sobrecarregam professores

Aulas da rede estadual retornam nesta segunda-feira (3) de forma não presencial

Jéssica Moreira
redacaomuvuca@gmail.com

aula online

 

O Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep/MT), avalia que a retomada as aulas na rede estadual de ensino revela ainda mais a desigualdade entre os estudantes, pois nem todos tem acesso a internet, além de sobrecarregar o professor. 

Segundo o sindicato, são inúmeras as queixas, do excesso de trabalho para além da jornada à dedicação sete dias por semana para atender todas as demandas que o modelo virtual e a ausência de assistência do governo exigem. 

“Além de estudar a plataforma, vamos iniciar as atividades como meros transmissores, já que a aula não foi preparada por mim. Outro desafio é o uso dos equipamentos pessoais, nem sempre com potencial que o sistema exige. Nós bancamos a internet. Não podemos fazer esse serviço na escola porque as escolas não têm computador e nem internet de qualidade, enfim, o ambiente não é adequado, podendo assim aumentar a proliferação da doença”, destaca a professora e primeira secretária do Sintep/MT, Sidinei Oliveira Cardoso.

As aulas para os alunos da rede estadual de ensino retornam nesta segunda-feira (3) de forma não presencial (online e off-line). As aulas serão ofertadas de duas formas, online, por meio da plataforma digital Aprendizagem Conectada, e off-line, com apostilas para quem não tem acesso à internet.

As aulas não presenciais serão organizadas em cinco etapas: produção do material escolar, com a organização semanal de estudos e planejamento do professor; disponibilização do material escolar; atendimento ao estudante; intervenção pedagógica; e registro em tempo real no final do semestre.

Por meio de uma parceria com a Microsoft Corporations, será disponibilizado aos estudantes e professores o aplicativo Teams, uma ferramenta para auxiliar nas aulas online.

O aplicativo Teams é uma multiplataforma que pode ser utilizada a partir de um desktop (computador pessoal), notebook, tablet ou dispositivo móvel (celular).

Para o presidente do Sintep/MT, Valdeir Pereira, há falta de políticas públicas que atendam a esses estudantes e profissionais, como parceria com operadoras de telefonia para assegurar a internet, ou bônus de créditos, já que muitos estudantes apesar do celular, não possuem conectividade para acesso às aulas on-line.

"Além disso, faltou a elaboração de um projeto de atendimento aos estudantes carentes, com metodologias inclusivas e interativas. O objetivo é cumprir o calendário escolar, mesmo que a aprendizagem e a formação não sejam priorizadas”, conclui.


Fonte: MUVUCA POPULAR

Visite o website: https://www.muvucapopular.com.br