Igreja Batista Getsemâni

Mesmo com novas UTIs, hospitais enfrentam risco de colapso

Unidades intensivas se aproximam de lotação máxima

Thays Amorim
redacaomuvuca@gmail.com

UTI.jpeg

Foto: Reprodução.

Com a escalada dos casos de coronavírus (covid-19) em Mato Grosso, os hospitais do Sistema Único de Saúde (SUS) enfrentam risco de colapso, com ocupação em 100% ou em torno de 90%. Unidades de saúde em Juína, Cáceres, Rondonópolis e Sorriso já estão com a capacidade máxima de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Outros hospitais, como o Júlio Muller (93,75%) e São Benedito (92,50%) em Cuiabá, Coração de Jesus (90%), em Cáceres, e o Hospital Metropolitano, em Várzea Grande (95%), correm risco de alcançar sua lotação máxima. Mesmo com os números alarmantes, o governador Mauro Mendes (DEM) ajustou o Decreto 522/20 e liberou o comércio no dia 24 de julho.

O colapso na Saúde, com hospitais lotados e o esgotamento de UTIs em diversos hospitais públicos, ocasionou em uma corrida para a abertura de novos leitos. No mês passado, no dia 1º de julho, Mato Grosso possuía apenas 17 unidades de terapia intensiva disponíveis. Em um mês, entre 1º de julho e 2 de agosto, de acordo com os da SES, o Governo Estadual instalou 9 leitos em Sinop, 5 em Cáceres e 20 em Cuiabá, totalizando 34 unidades.

De acordo com a SES, a taxa de ocupação dos leitos intensivos está em 76,52%, com 290 internados e 89 UTIs disponíveis. Gestões municipais, como a prefeitura de Cuiabá, também abriram novos leitos.

Segundo o Painel Covid da SES, Mato Grosso possui 65.191 infectados por covid-19 e um total de 2.202 óbitos. Pelo menos 4 municípios estão na classificação de risco muito alto do coronavírus, entre eles Sorriso, que não possui UTIs disponíveis, Barra do Garças, Paranatinga e Arenapólis.


Fonte: MUVUCA POPULAR

Visite o website: https://www.muvucapopular.com.br