Procurador-geral denuncia criminalmente promotor de Justiça | MUVUCA POPULAR

Domingo, 25 de Outubro de 2020

JUDICIÁRIO Sexta-feira, 18 de Outubro de 2019, 06h:29 | - A | + A




Vazamento

Procurador-geral denuncia criminalmente promotor de Justiça

Marco Aurélio de Castro quebrou segredo de Justiça por divulgar áudios captados na Operação Arqueiro.

O procurador-geral de Justiça (PGJ) José Antônio Borges, decidiu denunciar criminalmente o ex-chefe do Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco), Marco Aurélio de Castro, por quebra de segredo de Justiça por divulgar áudios captados na Operação Arqueiro. As informações são da Gazeta.

 

A denúncia foi protocolada nesta quinta-feira (17) no Tribunal de Justiça de Mato Grosso. Conforme o relatório, Marco Aurélio teria quebrado sigilo ao repassar áudios captados em interceptações telefônicas para terceiros, no dia 16 de setembro de 2015. 

 

As investigações da “Operação Arqueiro” acabaram desencadeando em uma nova fase, chamada “Operação Ouro de Tolo”, que resultou nas prisões preventivas e interceptações telefônicas da ex-primeira-dama e ex-secretária de Estado de Trabalho e Assistência Social, Roseli Barbosa.

Contudo, na época, um policial militar do Gaeco fez uma revisão de áudios telefônicos, onde constava que o ex-governador Silval Barbosa teria travado uma conversa com o desembargador Marcos Machado. O diálogo sugeria que Silval estaria, de alguma maneira, tentando interceder na prisão da esposa.


“Conforme já mencionado nesta peça, neles o interlocutor de Silval da Cunha Barbosa estaria, aparentemente, tentando interceder perante a Corte de Justiça mato-grossense em favor de Roseli Barbosa que, por seus defensores, aviara um Habeas Corpus em busca da sua liberdade”, diz trecho.

 

Os áudios, gravados em um CD-ROM, foram entregues para Marco Aurélio a pedido dele. Entretanto, os CDs “desapareceram” dos arquivos da coordenação e em seguida foram repassados, no final da tarde do dia 16 de setembro de 2015, a terceiros.

 

No final da noite daquele mesmo dia, as conversas foram exibidas com “exclusividade” pelo telejornal da TV Centro América, filiada da Rede Globo.

 

“Os fatos e a sua cronologia revelam, inequivocamente, a autoria delitiva, ao passo que a materialidade, para além de notória, está evidenciada nas matérias veiculadas na imprensa em geral que revelam o conteúdo dos multicitados diálogos interceptados no curso das investigações e que, por evidente, tornase a dizer, estavam sob o manto do sigilo”, narra a denúncia.

 

Operação arqueiro
A Operação Arqueiro foi deflagrada em abril de 2014 para desmantelar um esquema de fraude envolvendo 3 institutos e servidores da Setas, pasta que era comandada por Roseli. De acordo com investigações preliminares, foram pagos R$ 20 milhões para a execução dos programas.

 

Depois, como continuidade, o Gaeco deflagrou a Operação Ouro de Tolo no dia 20 de agosto de 2015 e resultou na prisão de Roseli Barbosa que ganhou liberdade 6 dias depois por força de um habeas corpus dado pelo ministro Reynaldo Soares da Fonseca, do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

 

Um acordo de delação premiada feito pelo empresário Paulo César Lemes, dono da Microlins, ajudou o Ministério Público avançar nas investigações iniciadas em 2014. De acordo com o Gaeco, a 1ª fase da fraude consistiu na criação fictícia de instituições privadas sem fins lucrativos para executarem convênios de demandas vinculadas ao fomento do trabalho e assistência social no Estado. Esses convênios eram firmados com institutos de fachada. Além do superfaturamento dos valores dos serviços a serem executados, foram constatadas a ausência de execução física do contratado e prestação do serviços de péssima qualidade.

 

Outro lado

O promotor de Justiça Marco Aurélio de Casto foi procurado pela reportagem, mas não atendeu às ligações telefônicas. 

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

comentários

coluna popular
Não teve apoio de Bolsonaro
Recompensa por recuo?
Era servidora municipal
Sem chance
Corrida ao Senado

Últimas Notícias
25.10.2020 - 11:11
25.10.2020 - 11:00
25.10.2020 - 09:02
25.10.2020 - 08:54
25.10.2020 - 08:40


Muvuca (PL)

Adevair Cabral (PTB)

Chico 2000 (PL)

Misael Galvão (PTB)

Ricardo Lobo (PL)

Aladir (PL)

Sargento Joelson (SD)

Juca do Guaraná (MDB)

Luluca Ribeiro (MDB)

Macrean

Renivaldo Nascimento

Toninho de Souza

Edna Sampaio (PT)

Robson Cireia (PT)

Ricardo Saad

Oseas Machado (MDB)

Rogério Varanda

Alex Ribeiro (PP)

Maurélio (PSDB)

Dudu Santos

Marcelo Bussiki

Vinícyus Clovito

Diego Guimarães

Mário Nadaf

Marcos Veloso

Gisele Almeida

Orival do Farmácia

Wilson Kero-Kero

Dr. Xavier

Justino Malheiros

Zidiel Coutinho

Sargento Vidal

Dídimo Vovô

Clebinho Borges

Júlio da Power

Jamilson Moura

Emídio de Souza (PSL)

Adalberto Cavalcanti

Ricardinho

Kako do CPA

Dilemário Alencar

Max Campos (PSB)

Cezinha Nascimento

Edienes Hadassa

Dr Luiz Fernando

PF Rafael Ranalli

Gabriel Henrique

Itamar Jefferson (PL)

Cristiano Paraqueda

Sebastião Moraes

Daniel

Justino Campos

Rafael "Faré"

Darley Gonçalves

Osmar Rodrigues "Chefinho"

Elenir Pereira

Prof.instrutor Joaquim Neto

Diogo Fernandes

Ade Silva

Sargento Ozeni

Dito Paulo

Paulo Macedo

Luiz BA

Professor Frankes

Paulo da VGDI

Valdemir MM

Weto Salgado

Dr. Daúde

Bob Medina

Wagner Vinícius

Luis Carlos

Carlos Henrique do Correio

Adv Cris

Elenir Pereira

Zé Carlos

Luis Cláudio

Huelton Souza

Rosenil Luiz (Canelinha de pacu) (PL)

Sargento Ozeni

Luiz Poção (PL)

Edilson Odilon (PL)

Paulinho CPA

Germânio Araújo

Chico do Leblon

Delegado Garcia

Renato Anselmo

Cleber Adôrno

Doidinhoducorte

Neno do Pascoal Ramos

Prof. Jorginho

Itamar Carvalho

Sidney de Souza

Marquinhos Carioca

Renato Anselmo

Pablo Queiroz

Pastor Jeferson

Paulo do Carmo

Vinícius Pardi

Aroldo Telles

Marcus Brito Jr.

Elzio Xaulin

Ledevino Conceição

Elias Santos

Edmilson Carmo

Gato Louco

Nilda Tosca



Informe Publicitário