Depois de despejo, família mora em barraco doado e precisa de ajuda | MUVUCA POPULAR

Domingo, 15 de Dezembro de 2019

POLÍCIA Quinta-feira, 14 de Novembro de 2019, 08h:56 | - A | + A




Jonas Pinheiro 3

Depois de despejo, família mora em barraco doado e precisa de ajuda

"Eu deixava de comer para poder tratar das crianças"

Reprodução

jp.jpg

 

Despejada do Residencial Jonas Pinheiro 3 na semana passada, há 5 dias Edilaine Garcia Gonçalves, 40, mora em um barraco doado, no bairro Serra Dourada, em Cuiabá. Mãe de 7 filhos e morando com 3 deles, ela precisa de emprego e doações de todo tipo para recomeçar a vida no novo lar.

“Passei muita fome no Jonas Pinheiro. Eu deixava de comer para poder tratar das crianças. Eu era gorda, bonita, agora estou acabada”, conta a mulher que pesava 75kg quando se mudou para o residencial e agora está com 49kg.

Não bastasse o drama vivido na casa ocupada do Jonas Pinheiro, a mulher teve ainda mais sofrimento quando soube que seria beneficiada pelo aluguel social da prefeitura de Cuiabá, mas depois teve a ajuda retirada. “Falaram que eu tinha recusado. Como se eu nem sabia?”

Edilaine foi uma das últimas a deixar a moradia no cumprimento da reintegração de posse. Ela passou a noite no lugar sem água e luz até que os poucos móveis fossem retirados pelo caminhão da Prefeitura.

“Duas amigas minhas levaram comida e água para mim e meus filhos. Elas que acharam esse lugar e me trouxeram para morar aqui. O dono do terreno deu ele pra mim. Eu agradeço muito a generosidade comigo e meus filhos. Ele falou que eu posso ficar aqui e não precisa devolver”, conta emocionada.

A casa era uma peça de madeira, que com ajuda de amigos e vizinhos a mulher conseguiu ampliar para dois cômodos e cobrir. Agora ela precisa de um emprego e doações. Comida, roupas para ela e as crianças, material de limpeza, material de construção. Literalmente tudo.

“Eu preciso trabalhar. Minha vizinha já disse que se eu arrumar um emprego ela fica com as crianças para mim. Um vizinho ligou a luz para mim, o dono do terreno já ligou a água. Mas eu preciso de todo tipo de ajuda ainda”, relata.

Moram com Edilaine duas meninas de 8 e 11 anos e um menino de 5. O caçula tem problema de coração e faz acompanhamento médico.

Quem puder ajudar Edilaine e os filhos, pode entrar em contato com ela pelo telefone (65) 9 9940 6169 e (65) 99257-6168.

As 379 famílias que moravam no residencial foram retiradas no dia 6 de outubro. Vinte delas conseguiram o aluguel social no Pedra 90, as demais tiveram que buscas outros locais de moradia.

A empresa Lumem Construtora acionou a Justiça para a retirada dos moradores, alegando que os imóveis não estavam prontos. Ainda não há data para retomada das obras que tinham prazo de entrega para 2014.

 

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

(1) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

Manuel - 17-11-2019 14:53:37

Infelizmente acontece da máfia da grilagem enganarem pessoas assim. Só explorou o dinheirinho dessa mulher. Porque não investigam esses líderes? até quando vamos ser essas situações? Agora nenhum politico, o líder deles, nem os advogados aparecem para ajudá-la.O que prova essa máfia.

Responder

0
0


1 comentários

coluna popular
Blairo Maggi e Silval Barbosa
121 instituições foram contempladas
Parte será destinado à creche Irmã Hylda
Apostou a favor de Selma
Um mês e meio de férias

Últimas Notícias
15.12.2019 - 07:51
14.12.2019 - 19:01
14.12.2019 - 15:56
14.12.2019 - 12:28
14.12.2019 - 11:56




Informe Publicitário