Após “envolvimento” em esquema de corrupção, Gaeco inocenta secretário de VG | MUVUCA POPULAR

Terça-feira, 02 de Março de 2021

POLÍTICA Terça-feira, 26 de Janeiro de 2021, 21h:53 | - A | + A




Pagamento de Propina

Após “envolvimento” em esquema de corrupção, Gaeco inocenta secretário de VG

Investigações apontaram que Gonçalo de Barros não participou de esquema


redacaomuvuca@gmail.com

gonçalo aparecido barros

Foto: Reprodução

Após ter sido acusado de um suposto envolvimento em um esquema de fraude em licitação e pagamento de propina que teria causado prejuízo R$ 1.019.878,31 milhão aos cofres públicos municipais de Várzea Grande, o atual secretário de Saúde e de Assuntos Estratégicos de Várzea Grande, Gonçalo Aparecido de Barros, foi inocentado pelo Ministério Público Estadual (MPE), por meio do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (GAECO).

Consta dos autos, que as supostas ilegalidades teriam ocorrido no Pregão Presencial 28/2013 da Prefeitura de Várzea Grande, estimado em R$ 10,5 milhões que teve por objeto contratação de empresa do ramo da construção civil, para execução de readequação, manutenção e reforma, para atender a demanda dos prédios públicos do município, constante em julgamento do TCE.

O Gaeco por meio da Operação Camaleão, deflagrada em novembro de 2014, descobriu que o suposto esquema de fraude e pagamento de propina ocorreu junto ao contrato entre a Prefeitura Municipal e a empresa Carneiro Carvalho.

Na ação, o Gaeco cita que Gonçalo Aparecido de Barros, que na época dos fatos era secretário municipal de Infraestrutura, chegou a ser investigado e indiciado por participação no suposto esquema, porém, no decorrer do procedimento investigativo ficou evidenciado que Barros não participou dos ilícitos.

“Cumpre-se destacar que a época dos fatos o secretário municipal de Infraestrutura, Gonçalo Aparecido de Barros, chegou a ser indiciado e interrogado no procedimento investigatório, contudo, ao final das investigações, restou evidenciado que não participou dos ilícitos ora narrados”, diz trecho extraído da denúncia ao excluir Barros de participação no suposto esquema.

Na denúncia, o Gaeco apontou a participação ativa no suposto esquema do ex-prefeito Walace Guimarães, do empresário José Henrique Carneiro Carvalho (proprietário da empresa da Carneiro Carvalho), José Alves de Carvalho (pai de José Henrique Carneiro), Mário Borges Junqueira (empresário), Cláudio Adalberto Salgado, Hércules de Paula Carvalho (ambos engenheiros civis); e Raphael dos Santos Rondon (servidor público e cunhado de José Carneiro). Todos eles foram denunciados criminalmente pelo MPE pelos crimes de corrupção ativa e passiva, falsidade ideológica, falsidade em documento público, uso de documento falso e estelionato qualificado – a ação tramita em sigilo.

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

comentários

coluna popular
Deputado apareceu sentado em sessão
Vitima da covid
Medidas mais severas
Em busca da vacina
Governador não dá exemplo

Últimas Notícias
02.03.2021 - 16:24
02.03.2021 - 16:23
02.03.2021 - 15:47
02.03.2021 - 15:44
02.03.2021 - 15:41




Informe Publicitário