Caso de tortura noticiado pelo Muvuca Popular vira destaque nacional | MUVUCA POPULAR

Sábado, 19 de Setembro de 2020

POLÍTICA Terça-feira, 28 de Janeiro de 2020, 17h:25 | - A | + A




Abuso de Autoridade

Caso de tortura noticiado pelo Muvuca Popular vira destaque nacional

Policiais em MT são acusados de torturar jovem preso em Rondonópolis


redacaomuvuca@gmail.com

preso-em-mt-marlon-sofreu-4-dias-e-morreu-sem-socorro-img1.jpeg

Marlon chegou à UPA de Rondonópolis sem vida; família acredita que o jovem foi torturado por policiais

Após o Muvuca Popular denunciar o caso de tortura contra o jovem Marlon Fernando Pereira Campos, de 22 anos, que morreu no dia 19 de dezembro, em Rondonópolis, a notícia virou assunto nacional e foi publicada pela Agência Pública. O site fez uma reportagem especial relatando os últimos dias de Marlon e os absusos pelo qual o jovem sofreu por parte de policiais militares. (Veja aqui).

Marlon foi preso em flagrante, sem um mandato de prisão, no dia 15 de dezembro, após denúncias de que estaria envolvido no roubo de uma moto. O relato foi feito por Paulo Gomes de Lima, que segundo o Boletim de Ocorrência, estava armado e com a moto roubada por Marlon.

Após a prisão, os policiais descobriram, por grupos de Whatsapp, que o jovem também estaria envolvido em um roubo recente em uma casa no município de Dom Aquino (cerca de 128 km da capital) e um outro B.O foi registrado. Marlon passou 4 dias detido na delegacia de Poxoréu, até ser transferido para a penitenciária da Mata Grande, em Rondonópolis.

Paulo Gomes de Lima, que ficou preso com o jovem, afirmou que Marlon apresentava dores, uma costela quebrada e estava vomitando sangue, pedindo para ser levado a um hospital.

"Eu estava preso quando ele chegou já machucado. A gente ficou trancado quatro dias na delegacia, ele pedia socorro porque tava vomitando sangue. Ele gritava muito. Até que um policial foi lá abriu a cela e disse que se ele continuasse gritando eles iriam quebrar a outra costela dele. Eles [policiais] falavam: você vai morrer, a gente quer que você morra, você tem que morrer porque é matador de polícia", afirmou a testemunha.

Marlon chegou a ser encaminhado à UPA pelos agentes penitenciários, mas não resistiu e faleceu antes mesmo de chegar à unidade, por volta das 22h10. Segundo o atestado de óbito, um dos motivos da causa da morte foi uma perfuração no intestino, septicemia (estado de infecção generalizado na corrente sanguínea) e peritonite fecal.

De acordo com relatos da mãe do preso, Marciane Pereira Campos, ela foi impedida de realizar o velório do filho e o reconhecimento foi feito dentro do carro da funerária. A mãe de Marlon relatou que existem inconsistências na história, porque quando foi informada que seu filho faleceu, os funcionários da UPA retiraram o corpo do hospital. Entretanto, o corpo só poderia ser retirado e encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) na presença de um familiar, após o reconhecimento.

Marciana relatou ainda que uma funcionária do IML dise que o velório não poderia acontecer porque o corpo estava em avançado estado de putrefação, dando a entender que a morte havia acontecido há vários dias. A família foi impedida de velar Marlon, e o seu corpo foi enterrado envolvido em um plástico pelo estado de decomposição.

Segundo o advogado Carlos Naves, responsável pelo caso, a família entrou com uma representação no Fórum da comarca de Rondonópolis, pelo fato de Marlon ter falecido no município. Entretanto, o pedido foi negado e enviado ao município de Poxoréu, local onde as agressões teriam acontecido.

“Quando a gente entrou com a representação criminal aqui em Rondonópolis, foi porque a gente entende que a comarca tem mais condições e estrutura para um processo dessa natureza. Aqui [Rondonópolis] tem uma regional que está mais isenta do que a região de Poxoréu. A própria delegacia onde está suspeita dos seus agentes terem cometido a tortura contra o Marlon é a mesma que fez o inquérito e apresentou em juízo no Fórum de Poxoréo”, afirmou o advogado.

A representação criminal pede a prisão preventiva do delegado da Polícia Civil de Poxoréu, Bruno de Moraes, e de Jaciara, Sidarta Almeida Vidigal, do escrivão da Polícia Civil, Fábio Antônio Coelho da Silva, do comandante do 1º Pelotão de PM de Poxoréu, sub-tenente Higino, e dos policiais militares Claudionor Joaquim de Souza, Jonatas de Souza e Gustavo Gomes Santiago.

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

(2) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

Paquetá - 29-01-2020 08:12:48

Se roubou moto, rouba carros, casas, dinheiro e etc... E pra quê? DROGAS! E desde quando torturar individuo desse tipo é tortura? Se dependesse de mim, agraciava esses policiais com medalhas de honra! Esse tipo de gente, todos eles, deveriam estar onde esse fulano foi parar! HONESTO sofre as misérias aqui fora, é torturado todo dia por desmandos de autoridades, governadores, deputados, politicos em geral e NADA! Agora, um reles criminoso, um restolho de ser humano, merece isso, essa propaganda toda? Virou anjo ou o quê? QUE O CAPETA O RECEBA BEM!

Responder

0
0


alex r - 29-01-2020 08:39:07

Posso ser favorável a cancelar o cpf do individuo mas tortura nunca... A droga já é uma tortura , a pessoa já é um morto vivo... coloca fim ao sofrimento dela , da família e da sociedade mas nunca tortura é cruel ...

Responder

0
0


2 comentários

coluna popular
Parlamentares buscam estratégias
Deputado quer apoiar coronel Fernanda
Expulsou profissionais da TV Centro América
Blairo, Eraí e Mendes tentam eleger senador
Parte do partido quer apoiá-lo ao Senado

Últimas Notícias
19.09.2020 - 14:10
19.09.2020 - 11:54
19.09.2020 - 11:50
19.09.2020 - 11:47
19.09.2020 - 11:38


Muvuca (PL)

Adevair Cabral (PTB)

Chico 2000 (PL)

Misael Galvão (PTB)

Ricardo Lobo (PL)

Aladir (PL)

Sargento Joelson (SD)

Juca do Guaraná (MDB)

Luluca Ribeiro (MDB)

Macrean

Ralf Leite (MDB)

Renivaldo Nascimento

Toninho de Souza

Edna Sampaio (PT)

Robson Cireia (PT)

Ricardo Saad

Oseas Machado (MDB)

Rogério Varanda

Alex Ribeiro (PP)

Maurélio (PSDB)

Dudu Santos

Marcelo Bussiki

Vinícyus Clovito

Diego Guimarães

Mário Nadaf

Marcos Veloso

Gisele Almeida

Orival do Farmácia

Wilson Kero-Kero

Dr. Xavier

Justino Malheiros

Zidiel Coutinho

Sargento Vidal

Dídimo Vovô

Clebinho Borges

Júlio da Power

Jamilson Moura

Emídio de Souza (PSL)

Adalberto Cavalcanti

Ricardinho

Kako do CPA

Dilemário Alencar

Max Campos (PSB)

Cezinha Nascimento

Edienes Hadassa

Dr Luiz Fernando

PF Rafael Ranalli

Gabriel Henrique

Itamar Jefferson (PL)

Cristiano Paraqueda

Sebastião Moraes

Daniel

Justino Campos

Rafael "Faré"

Darley Gonçalves

Osmar Rodrigues "Chefinho"

Elenir Pereira

Prof.instrutor Joaquim Neto

Diogo Fernandes

Ade Silva

Sargento Ozeni

Dito Paulo

Paulo Macedo

Luiz BA

Professor Frankes

Paulo da VGDI

Valdemir MM

Weto Salgado

Dr. Daúde

Bob Medina

Wagner Vinícius

Luis Carlos

Carlos Henrique do Correio

Adv Cris

Elenir Pereira

Zé Carlos

Luis Cláudio

Huelton Souza

Rosenil Luiz (Canelinha de pacu) (PL)

Sargento Ozeni

Luiz Poção (PL)

Edilson Odilon (PL)

Paulinho CPA

Germânio Araújo

Chico do Leblon

Delegado Garcia

Renato Anselmo

Cleber Adôrno

Doidinhoducorte

Neno do Pascoal Ramos

Prof. Jorginho



Informe Publicitário