Correios demite três funcionários para pressionar volta ao trabalho | MUVUCA POPULAR

Quinta-feira, 02 de Abril de 2020

POLÍTICA Quarta-feira, 25 de Março de 2020, 14h:17 | - A | + A




Condições Precárias

Correios demite três funcionários para pressionar volta ao trabalho

Empresa não liberou terceirizados do grupo de risco


redacaomuvuca@gmail.com

Foto: Reprodução

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores das Empresas de Correios e Telégrafos (Sintect-MT), Edmar Leite, relatou em entrevista exclusiva ao Muvuca Popular, a situação precária dos funcionários dos Correios em meio à pandemia do coronavírus. Segundo o sindicalista, a empresa não está oferecendo o mínimo de condições para os trabalhadores e está realizando assédio moral para que a classe continua em serviço.

De acordo com o relato, os Correios haviam dispensado todos os servidores efetivos e terceirizados que integram o grupo de risco do Covid-19 e os funcionários estavam trabalhando com revezamentos de turnos para evitar aglomerações. No entanto, no final de semana, a empresa decidiu ignorar todas as recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e convocou todos os terceirizados do grupo de risco para voltarem ao trabalho.

Além disso, a empresa também suspendeu o revezamento de turnos e os entregadores voltaram a trabalhar em aglomeração, com cerca de 150 a 200 funcionários no mesmo espaço. “Todos os terceirizados do grupo de risco foram convocados para voltarem a trabalhar, menos os efetivos. As vidas não tem peso maior porque tem concurso. Eles estão fazendo muita pressão sob os trabalhadores, isso é assédio moral”, afirmou Edmar.

Indignados com a situação, os funcionários iniciaram um protesto contra as medidas abusivas e não compareceram ao trabalho, em resposta à manifestação, os Correios então demitiram três funcionários terceirizados para ameaçar e pressionar os outros trabalhadores a voltarem para suas atividades.

Desta forma, muitos entregadores se retraíram do protesto e iniciaram seu trabalho na sede da empresa, entretanto, outros trabalhadores seguem firme no protesto, cobrando da empresa que funcione só para serviços essenciais, transportando apenas o indispensável, como remédios e insumos básicos.

Falta de estrutura

Conforme o Sintect, a empresa havia prometido aos funcionários o fornecimento de EPIs (equipamento de proteção individual) a todos, que seriam tubos de álcool em gel e papel toalha, porém, até o momento só foram fornecidos algumas garrafas de álcool 70 líquido. “Muitos locais não tem limpeza adequada, porque a equipe de almoxarifado está com o salário atrasado, não tem sabão, não tem nada e eles só deram essas garrafas de álcool 70”, contou o presidente do sindicato.

Na sede dos Correios, localizada em Várzea Grande, a situação é ainda mais precária, pois não há sequer copos descartáveis para os trabalhadores, sendo assim, a maioria utiliza o mesmo copo de plástico para beber água e o risco de contaminação é extremamente alto. “Os funcionários estão trabalhando sem as mínimas condições e de forma ilegal, com aglomerações e com grupo de risco”, pontuou Edmar.

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

comentários

coluna popular
Suspeito de coronavírus
Invenção de mato-grossense
Sargento Vidal irá assumir o cargo
Medida foi tomada devido à pandemia
Idosos estão lotando unidades

Últimas Notícias
01.04.2020 - 22:12
01.04.2020 - 20:36
01.04.2020 - 20:16
01.04.2020 - 19:35
01.04.2020 - 19:18


Carlos Fávaro (PSD)

Coronel Rúbia (Patriota)

Elizeu Nascimento (DC)

Gisela Simona (Pros)

José Medeiros (Podemos)

Júlio Campos (DEM)

Nilson Leitão (PSDB)

Otaviano Piveta (PDT)

Procurador Mauro (PSOL)

Reinaldo Morais (PSC)

Valdir Barranco (PT)

(Nenhum deles)

Feliciano Azuaga



Informe Publicitário