Deputada faz apelo à bancada federal contra a privatização dos Correios | MUVUCA POPULAR

Sábado, 15 de Maio de 2021

POLÍTICA Terça-feira, 04 de Maio de 2021, 16h:41 | - A | + A




Carta Aberta

Deputada faz apelo à bancada federal contra a privatização dos Correios

Rosa Neide (PT) pede para colegas ajudarem no fortalecimento da empresa


redacaomuvuca@gmail.com

Foto: Reprodução

A deputada federal Rosa Neide (PT) publicou uma carta aberta, nesta terça-feira (04), destinada aos parlamentares da bancada mato-grossense para que façam parte da luta contra a privatização dos Correios e auxiliem no fortalecimento da empresa.

Segundo a petista, não faz sentido privatizar uma empresa que, somente em 2020 e durante a pandemia da Covid-19, teve lucro de R$ 1,5 bilhão para a União. Além disso, ela destaca que os Correios são instrumento de integração nacional no país continental. 

A parlamentar também ressalta a importância dos serviços prestados para os órgãos públicos, federais, estaduais e municipais, como o recebimento de impostos e taxas, o pagamento de benefícios sociais, inscrições em cadastros e concursos, logística de eleições, distribuição de livros didáticos e de provas de concursos públicos, distribuição de medicamentos e vários outros.

Desta forma, Rosa Neide pede que cada um dos sete deputados e 3 senadores, que compõem a bancada federal de Mato Grosso, reflitam sobre o importante papel histórico desempenhado pela empresa.

"Não faz sentido privatizar os Correios sem que haja uma ampla e profunda discussão com a sociedade brasileira, por meio de audiências públicas. Os destinos de uma empresa de 350 anos de história e serviços de alta relevância prestados ao País não podem ser decididos no afogadilho", pontuou. 

Confira a carta na íntegra:

Carta aberta à bancada federal de MT contra a privatização dos Correios

A Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT), o popular Correios, tem sua origem no Brasil Colônia, em 25 de janeiro de 1663, com a criação do Correio-Mor no Rio de Janeiro. Em 1931, o decreto 20.859, de 26 de dezembro funde a Diretoria Geral dos Correios com a Repartição Geral dos Telégrafos e cria o Departamento dos Correios e Telégrafos.

A ECT foi criada em 20 de março de 1969, como empresa pública vinculada ao Ministério das Comunicações, mediante a transformação da autarquia federal até então denominada de Departamento de Correios e Telégrafos (DCT).

Correios nos dias atuais:

. Possui cerca de 100 mil trabalhadores e trabalhadoras.

. Possui 11 linhas aéreas de primeira grandeza.

. Possui mais de 25 mil veículos e 1500 linhas terrestres em operação de norte a sul, leste a oeste do País.

. Possui cerca de 15 mil unidades próprias, entre agências, centros de distribuição, tratamento e logística.

. É a única empresa do País que está presente nos 5570 municípios brasileiros.

. Efetua a entrega de 4 bilhões de unidades de correspondência escrita por ano.

. Produz receitas da ordem de R$ 19 bilhões/ano, aproximadamente 0,33% do PIB Brasileiro;

. É uma empresa superavitária. Em 2020, em plena pandemia de Covid-19 teve lucro de R$ 1,5 bilhão.

. Pratica preços justos nos serviços de correspondência: as tarifas do serviço postal brasileiro estão dentro das faixas mais baixas do mundo (num setor com tendência à oligopólio quando executado pelo setor privado).

. Presta inúmeros serviços relevantes para os órgãos públicos, federais, estaduais e municipais, como o recebimento de impostos e taxas, o pagamento de benefícios sociais, inscrições em cadastros e concursos, logística de eleições, distribuição de livros didáticos e de provas de concursos públicos, distribuição de medicamentos e vários outros.

A aprovação no dia 20 de abril na Câmara, da urgência para votação do Projeto de Lei (PL) 591/2021, de autoria do Poder Executivo, que privatiza os Correios não encontra embasamento na lógica. Isso porque a empresa, além de gerar lucro para a União é instrumento de integração nacional em nosso País continental.

Os Correios possuem o monopólio apenas de cartas pessoais e comerciais, cartões-postais, correspondências agrupadas (malotes) -segmento de menor hype do negócio de entregas na comparação com o de pacotes, mais utilizado por empresas de e-commerce.

Quebrar o monopólio da entrega de cartas acrescentará em qual vantagem para a concorrência privada desse setor, em nosso País? Qual empresa privada se interessará em entregar cartões-postais em municípios distantes dos grandes centros urbanos? No interior da Caatinga Nordestina? No interior da Amazônia mato-grossense e brasileira?

“Atualmente essas entregas têm um custo baixo e a operação tem um custo deficitário. Para que o setor privado tivesse lucro, muitas mudanças têm que ocorrer e dificilmente uma empresa privada terá interesse. Se aceitar, ela irá operar apenas sobre os grandes centros, deixando toda uma parte do País sem cobertura”, afirma Ana Lucia Pinto da Silva, professora de economia da FAAP (Fundação Armando Alvares Penteado).

É isso que nós parlamentares da bancada de Mato Grosso queremos? Um apagão nos serviços postais em municípios como Rondolândia, São José do Xingu, Santa Terezinha e tantos outros municípios pequenos que não possuem atratividade lucrativa para empresas privadas e que tem nos Correios sua única chance de recebimento de correspondências?

Mais do que uma empresa estatal lucrativa, ou seja, não dependente dos recursos do Tesouro Nacional, e mais do que uma empresa que integra todo território nacional; os Correios desempenham uma função social importante em nosso País, pois ao visitar mais de 70 milhões de lares diariamente, seus trabalhadores e trabalhadoras levam cidadania, dignidade e a presença do Estado a todos as brasileiras e brasileiros.

Peço que cada um dos sete deputados e 3 senadores da nossa valorosa bancada reflita sobre esse importante papel histórico desempenhado pela ECT. Não faz sentido privatizar os Correios sem que haja uma ampla e profunda discussão com a sociedade brasileira, por meio de audiências públicas. Os destinos de uma empresa de 350 anos de história e serviços de alta relevância prestados ao País não podem ser decididos no afogadilho.

Novamente peço que cada parlamentar mato-grossense reflita e nos ajude na luta pela manutenção e fortalecimento dos Correios como empresa estatal estratégica, para o desenvolvimento e a integração em cada canto de nosso imenso País.

Professora Rosa Neide
Deputada Federal (PT-MT)

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

(4) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

Bolão - 05-05-2021 17:04:21

Privatizações são um subproduto de ideias econômicas jurássicas como o neoliberalismo, que volta e meia ressurge em países subdesenvolvidos. - por intermédio de (des) governos comandados por banqueiros e grandes empresários sonegadores de impostos. - para transferir ainda mais riqueza para os abastados. Nos países mais desenvidos do mundo (Dinamarca, Noruega, Suécia e demais nações escandinavas) defender o neoliberalismo e sua pauta privatista seria motivo de chacota, escárnio. Para os habitantes dos países mais desenvolvidos do mundo só néscios, idiotas, podem defender Estado mínimo, neoliberalismo e seu privatismo.

Responder

1
0


Bolão - 05-05-2021 17:01:31

O Correio não deve ser vendido! O governo sucateou o órgão, e faltam muitos funcionários, uma vez que o governo não faz concurso público à vários anos! O Correio mesmo sucateado dá lucro para o brasil! Observando o último registro os Correios registram em 2019 lucro de R$ 102 milhões. O que muitos no governo querem é vender o patrimônio do povo para empresas! Estamos vendo o efeito negativo das privatizações principalmente no setor de energia em MT, onde pagamos um absurdo nas contas de energia elétrica e sem qualidade, serviços de telefonia e internet extremamente caros e sem qualidade. O povo precisa acordar e defender o patrimônio brasileiro, como os europeus estão estatizando os órgãos que foram privatizados no passado. Empresas privadas além de não atenderem bem a população cobram muito caro pelos serviços que não possuem qualidade. No mundo, está havendo um movimento contrário, de reestatização de serviços de setores importantes, como energia, água e transporte. Quase 900 reestatizações foram feitas em países centrais do capitalismo, como EUA e Alemanha. Segue a fonte: https://g1.globo.com/economia/noticia/2020/06/17/correios-registram-em-2019-lucro-de-r-102-milhoes.ghtml https://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2019/03/07/reestatizacoes-tendencia-crescendo-tni-entrevista.htm https://economia.estadao.com.br/noticias/geral,europa-ja-considera-estatizar-empresas-para-prevenir-falencias,70003236205

Responder

1
0


José Antonio Silva - 05-05-2021 09:47:55

Ah! A deputada (CERVERÓ DE MT), agora resolveu pular igual pipoca, vendo mais uma de suas minas (do PT) , saindo da alçada de roubos pelo partido. O ENTE PÚBLICO TEM QUE TRABALHAR COM AÇÕES DE SUA COMPETÊNCIA, É UM ENTE PÚBLICO, O QUE TEM QUE SE IMISCUIR NA VIDA PRIVADA? Tem que VENDER os CORREIOS SIM! Um ANTRO ( de ladroagem , pelo partido, pelo qual essa deputada é filiada! É só ver a ficha policial da maioria dos petistas, todos, desde a presidente até o mais reles vereador, todos tem ficha de mais de metro.

Responder

1
2


Alex r - 04-05-2021 17:44:10

Independente , temos que pensar como empresário afinal a empresa é nossa! Os correios devem ser vendido? Eu não sei , mas acho que no momento não. 1- Pq se vender agora vende a preço de nada. 2- em meio a pandemia muito mais ficariam desempregados. Acho que é assertivo a prorrogação dessa venda daqui uns meses após essa situação absurda e caótica!

Responder

2
2


4 comentários

coluna popular
Sem representatividade
Aulas na pandemia
Aglomerados e sem máscara
Em defesa da sociedade
Serviços essenciais

Últimas Notícias
15.05.2021 - 17:21
15.05.2021 - 14:23
15.05.2021 - 14:18
15.05.2021 - 10:54
15.05.2021 - 08:58




Informe Publicitário