Juiz determina quebra de sigilo bancário de Riva e bloqueio de R$2,5 milhões  | MUVUCA POPULAR

Segunda-feira, 14 de Outubro de 2019

POLÍTICA Domingo, 22 de Setembro de 2019, 10h:01 | - A | + A




Desvio da AL

Juiz determina quebra de sigilo bancário de Riva e bloqueio de R$2,5 milhões

Decisão também atinge Humberto Bosaipo e mais cinco


redacaomuvuca@gmail.com

 José Riva | Foto: reprodução da internet 

O juiz Bruno de Oliveira Marques, da Vara Especializada em Ação Civil Pública e Ação Popular de Cuiabá, mandou bloquear R$ 2,5 milhões das contas dos ex-deputados José Riva, Humberto Bosaipo e mais 5. A decisão atende a pedido do Ministério Público Estadual (MPE) e também recebe a denúncia contra os investigados.

Além do sequestro de bens, o magistrado também determinou a quebra do sigilo bancário dos acusados. Eles são investigados por desvio de dinheiro da Assembleia Legislativa (ALMT) em 2004. Na esfera criminal, os desvio é apurado em uma das ações referentes a Operação Arca de Noé.

Também são alvos da ação o espólio de Nivaldo de Araújo, Guilherme da Costa Garcia, o ex-chefe de gabinete de Riva, Geraldo Lauro, e os contadores José Quirino Pereira e Joel Quirino Pereira.

“Defiro parcialmente a pretensão liminar para decretar a indisponibilidade de bens dos requeridos até o montante de R$ 2.555.481,18. Determino a averbação da cláusula de indisponibilidade em todas as matrículas de imóveis e direitos patrimoniais, presentes nos cartórios de Cuiabá, Várzea Grande, Juara, Juína, Porto dos Gaúchos, Chapada dos Guimarães e Barra do Garças”, diz trecho da decisão.

O bloqueio de bens visa ressarcir o erário pelo dano causado pelos investigados, em caso de condenação. Conforme o MPE, os então deputados emitiram cheques à empresa Edvanda Barbosa Cordeiro-ME para pagamento de serviços que nunca foram prestados.

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

comentários