Justiça determina retirada de vídeo que mostra compra de votos para Misael  | MUVUCA POPULAR

Terça-feira, 24 de Novembro de 2020

POLÍTICA Quarta-feira, 28 de Outubro de 2020, 11h:10 | - A | + A




Presidente da Câmara

Justiça determina retirada de vídeo que mostra compra de votos para Misael

Presidente da Câmara propôs ação contra o Facebook, Google, e sites


redacaomuvuca@gmail.com

 

O presidente da Câmara de Cuiabá, Misael Galvão (PTB), teve pedido acatado pelo juiz Geraldo Fidelis, da 1ª Zona Eleitoral de Cuiabá, que determinou a retirada de publicações sobre suposta compra de votos. Decisão é da terça-feira (28).

Misael propôs ação contra o Facebook, Google, e sites de notícias da Capital. Segundo os autos, o vereador “tomou conhecimento da veiculação em mídias sociais, de vídeo supostamente editado em que é atribuído ao representante a prática de condutas eleitorais ilícitas, notadamente a compra de votos e pagamento por aposição de adesivos em carros e placas em residências”.

O candidato em busca de recondução alegou que o vídeo está repleto de montagens e cortes. Misael argumentou ainda que não aparece nas imagens.

O parlamentar disse também que o vídeo está em baixa resolução, “ao ponto se dificultar, senão inviabilizar completamente, a identificação dos interlocutores”.

Para Misael, “a veiculação disseminada e desordenada desta mídia, editada e tendenciosa como se apresenta, apta a incutir no eleitor a (falaciosa) impressão de que o representante tenha praticado tais condutas”.

Em sua decisão liminar, Fidelis acatou os argumentos. “Evidencia-se que o conteúdo do vídeo e das postagens constantes na inicial extrapolam os limites da liberdade de expressão, na medida em que ostentam imagens que podem afetar de forma negativa a formação de juízo de valor acerca das virtudes do representante candidato a vereador”.

Fidelis esclareceu ainda que não se afirma se houve ou não a prática do crime. O fato deve ser apurado em momento e procedimento oportuno, no juízo competente, que não é o da 1ª Zona Eleitoral.

“O vídeo veiculado na página do Instagram de propaganda eleitoral negativa em desfavor do candidato Misael Galvão, deve ser removido por desbordar dos limites da legalidade, pois sugere a prática de crime pelo representante e, eventualmente, pode malferir seu direito à honra”, afirmou o magistrado.

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

(1) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

Carlos Nunes - 28-10-2020 15:17:53

Ih! Segundo o que disse hoje o apresentador Andersen Navarro, no Jornal do Canal 12, a PF entrou nesse caso da suspeita de compra de votos...demonstrada nesse vídeo. Se a PF entrou, vai descobrir o que realmente houve em tudo isso. Mas (sempre tem um mas na estória) o vídeo foi esclarecedor...agora é fácil identificar quem tá comprando os votos. Indícios> 1) casa que tiver cheia de cartazes de candidatos, o vídeo demonstra que recebem 250 reais por cartaz, por semana...2) adesivos em carros, outro indício, é pago pra colocar e mais um dinheiro pra gasolina, pro "cabo eleitoral", ficar circulando na cidade, nos bairros, pra convencer os eleitores que aquele candidato tem um cartaz danado...deve ser o mais popular da cidade. O que os eleitores não sabem e precisam saber: é que não é nada disso...esses cabos eleitorais tão ganhando uma grana pra fazer isso. A grana tá correndo solta. Resta saber: Da onde tá vindo essa grana? Isso, a PF, se fuçar bem fuçado, vai descobrir em breve. Tomara que descubra ANTES DA ELEIÇÃO...

Responder

2
0


1 comentários

coluna popular
Aliado do 2º turno
Pouca participação
Ameaça suspender o recesso
Testes covid podem perder validade
Abílio X Emanuel

Últimas Notícias
24.11.2020 - 08:05
23.11.2020 - 22:34
23.11.2020 - 21:19
23.11.2020 - 20:07
23.11.2020 - 19:01




Informe Publicitário