“O Estado não pode retirar minhas ações”, diz Éder Moraes após ser vetado pela PGE | MUVUCA POPULAR

Segunda-feira, 23 de Setembro de 2019

POLÍTICA Domingo, 25 de Agosto de 2019, 08h:04 | - A | + A




Desenvolve MT

“O Estado não pode retirar minhas ações”, diz Éder Moraes após ser vetado pela PGE

Ex-secretário afirmou que o órgão deve aplicar a mesma decisão a inúmeros outros acionistas e realizar uma revolução no poder público


redacaomuvuca@gmail.com

 Éder Moraes | Foto: Reprodução 

O ex-secretário Éder Moraes foi proibido de ocupar qualquer cargo diretivo na Agência de Fomento do Estado de Mato Grosso (Desenvolve MT). A liminar foi concedida pelo juiz João Thiago de França Guerra, a pedido da Procuradoria Geral do Estado (PGE).

Segundo o requerimento do órgão, Éder não possui idoneidade moral para continuar como sócio da empresa, já que é réu em ações de improbidade administrativa.

No entanto, por meio de nota, o secretário alegou que a exclusão é desnecessária, pois não participa do Conselho de Administração ou Fiscal e nem da Diretoria Executiva. “Ainda temos nosso representante legal na Assembleia Geral de Acionistas, o Dr. Luiz Armani”, informou.

Além disso, o ex-secretário declarou que o argumento da PGE aplicado em sua decisão deveria ser aplicado a inúmeros secretários, adjuntos, superintendentes, diretores executivos, presidentes e conselheiros.

“Cabe agora a PGE e SEPLAG, que informe ao próprio juízo se existem pessoas a ocupar cargos públicos e que ferem o princípio da probidade, da ética, moralidade, impessoalidade, publicidade e eficiência”, pontuou.

De acordo com Éder, sua decisão deve ser levada como uma revolução no poder público, para que todos, sem exceção, seja devidamente autuados. “Ou a PGE e SEPLAG determinam essa devassa, ou restarão cúmplices e lenientes agindo fora dos limites da impessoalidade”.

Ademais, o ex-secretário aconselhou a sociedade a pressionar o órgão para que as investigações contra autoridades aconteçam e provem que não são qualificadas para os cargos que ocupam.

Confira a nota na íntegra:

Relativamente a decisão proferida pelo ilustre magistrado Dr. João Thiago de Franca , em que a PGE/MT pede minha exclusão do quadro de acionistas minoritários da DESENVOLVE MT, esclareço que atende a nossa expectativa no que tange aos processos decisórios da Desenvolve MT , vez que não participamos do CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO, CONSELHO FISCAL e nem a DIRETORIA EXECUTIVA e ainda temos nosso representante legal na ASSEMBLÉIA GERAL DE ACIONISTAS o  Dr. Luiz Armani . Em sintese a decisão mantém o " status quo ante bellum " preserva minhas acões e permite minha participação nos lucros e dividendos, dessa forma demonstra que o Estado não pode retirar minhas ações, que são personalíssimas e adquiridas no devido processo legal que rege as indiretas do Governo Estadual , além da Lei das S/A e demais normativos.
" A PGE-MT  mirou numa formiga e acertou um Elefante putrefado" se não vejamos, a decisão da justiça prima e determina que haja imparcialidade por parte da PGE que deve por obrigação e dever a partir de agora fazer um levantamento minuncioso do quadro de SECRETÁRIOS , ADJUNTOS, SUPERINTENDENTES, DIRETORES EXECUTIVOS, PRESIDENTES DE AUTARQUIAS, CONSELHEIROS FISCAIS, CONSELHEIROS DE ADMINISTRAÇÃO enfim de todos aqueles que estão na vida publica por plantão do poder ou por ocupar funções de confiança em qualquer esfera da vida publica. Cabe agora a PGE  e SEPLAG  que informe ao próprio juízo se existem pessoas  à ocupar cargos públicos e que ferem o principio da probidade, da ética, moralidade, impessoalidade, publicidade e eficiencia ... enfim temo que poucos fiquem para apagar as luzes. Que esta decisão seja o principio de uma grande revolução no poder publico e que seja para todos sem exceção , ou a PGE e SEPLAG  determinam essa devassa ou restarão cumplices , lenientes e agindo fora dos limites da impessoalidade o que não cabe outra análise senão prevaricação diante de sabidas autoridades que estão no processo de tomadas de decisão dentro do poder executivo que afrontam de plano os principios acima apontados. Aguardaremos a devassa a ser feita pela PGE e SEPLAG ou naturalmente a sociedade  fará e aconselho aos servidores publicos do Estado de Mato Grosso que denunciem ao Ministério Publico para que investiguem autoridades com suspeita de não serem qualificadas para o cargo que ocupam. Recentemente já teve um que ocupa cargo publico de relevania e foi VETADO pelo Banco Central , mas estranhamente continua a fartar-se do banquete nas hostes do poder Executuvo.

 

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

(1) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

Marlon Luís - 06-09-2019 00:38:51

Concordo com ÉDER MORAIS.Tem Pessoas no primeiro escalão que são autoritárias e que gritam com servidores, perseguem, exonera grávidas, mal quisto no funcionalismo público de maneira geral. Contudo esta queimando a imagem do Governador , se achando o Dono do Pedaço , mandando e desmandando em 2 empresas, com denúncias de agressão e outras . Não se iludam estão todos conectados. Alô!Alô! Virginia MENDES acorda filha . Você é inteligente e faz excelente trabalho social, mas se atenta aos atuais gestores que estão no comando, ou seu marido só fará um governo de 4 anos apenas, o que virou moda agora, funcionários X governo é novo gestor certo na próxima eleição. Vamos aguardar o cenário político se posicionar, os quais ficaram de fora das indicações políticas nesse governo e priorizaram essa turma aí.

Responder

0
1


1 comentários