Taques aparece, diz ser inocente e “culpa” primo e coronel por esquema | MUVUCA POPULAR

Domingo, 25 de Agosto de 2019

POLÍTICA Quarta-feira, 15 de Maio de 2019, 10h:13 | - A | + A




GRAMPOLÂNDIA

Taques aparece, diz ser inocente e “culpa” primo e coronel por esquema

Ex-governador afirmou que seu único erro foi estar próximo de pessoas envolvidas


redacaomuvuca@gmail.com

 

Ao aparecer pela primeira vez para uma emissora de televisão depois de ser derrotado nas urnas nas eleições de 2018, o ex-governador Pedro Taques (PSDB) se defendeu das acusações sobre estar envolvido no caso dos grampos ilegais, esquema conhecido como “Grampolândia Pantaneira” cometidos nos anos do seu Governo. Ele disse que seu único "erro" foi estar próximo de pessoas envolvidas, como o primo e ex-secretário chefe da Casa Civil, Paulo Taques.

Taques também destaca em sua versão que relatório da Polícia Federal feito em julho de 2018, nas investigações dos grampos, descarta sua participação no caso. "E o relatório da Polícia Federal diz com base nesses documentos que não tem nenhuma participação minha. A única participação é que sou próximo de outros que estão sendo investigados", disse o ex-governador em entrevista concedida à TVCA, nesta terça-feira (15).

O delegado da Polícia Federal, André Borges, destacou naquele momento que não havia nenhuma prova contra o então governador, mas disse que no desenrolar das investigações poderia aparecer novos fatos. Fatos esses que poderiam apontar envolvimento do ex-governador.

“A exploração preliminar do material contido nos diversos inquéritos policiais encaminhados à Polícia Federal, dentre eles oitivas realizadas e as demais diligências feitas no curso da investigação não apresenta até o presente momento uma prova indiciária robusta, que possa confirmar a hipótese criminal que tenha por fundamento eventual participação do governador do Estado de Mato Grosso, Sr Pedro Taques, nas infrações penais apuradas, apesar disso a Polícia Federal não pode excluir, sem dúvidas, que Pedro Taques não patrocinou ou tinha aquiescência do esquema das interceptações de terceiros em desacordo com disposição legal ou regulamentar”, diz trecho do relatório.

No entanto, o documento mostra indícios da participação do coronel da Polícia Militar, Evandro Lesco, que era chefe da Casa Militar, e Paulo Taques. Ele são apontados como responsáveis pelas interceptações clandestinas executada por policiais militares sem qualquer autorização judicial.

Após Taques perder o Foro Privilegiado, o ministro Mauro Campbell Marques, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), remeteu o para a 7ª Vara Criminal de Cuiabá três inquéritos da “grampolândia pantaneira”, que investigam o ex-governador

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

(4) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

Plinio - 15-05-2019 12:03:05

Como será que esta o Arcanjo nela hora? vendo a imoralidade do homem que fazendo moral o colocou na cadeia?

Responder

5
0


Cristina - 15-05-2019 11:36:35

Lula também é inocente rsrrs

Responder

7
0


Meilson - 15-05-2019 11:34:40

Tá, se é inocente denuncia seus parentes

Responder

6
0


José - 15-05-2019 10:47:31

QUANDO É QUE SERÁ INVESTIGADO O DESGOVERNO PEDRO TAQUES ? O DESGOVERNO PEDRO TAQUES QUEBROU O ESTADO POR CAUSA DOS MAIS DE R$25 BILHÕES DE IRREGULARIDADES EM 2015 A 2018. Até agora não foi apurada a responsabilidade de todos os membros do desgoverno taques quanto aos desvios e fraudes do desgoverno da transformação do estado em caos e roubalheira, cujas irregularidade somadas já ULTRAPASSARAM OS $25 BILHÕES. Só para lembrar aí vai a lista detalhada dos mais de $25 bilhões em irregularidades pendentes de serem apuradas: R$69 milhões em desvios na caravana da transformação; perdão de R$645 milhões em dívida da petrobrás; perdão de R$5 milhões de reais em dívidas da unimed cuiabá; a operação Rêmora por desvio de R$57 milhões na SEDUC; operação Bereré por desvio de R$30 milhões no Detran; operação Grampolândia na segurança pública usada para chantagear adversário; delação de Alan Malouf sobre Brustolin recebendo R$80 mil por fora todo mês; delação de Alan Malouf e Perminio indicando que secretários (Permínio, Brustolin, Julio Modesto e etc) recebendo mensalinho de R$30 mil/mês; mensalinho R$100 milhões por dentro para os deputados; rombo de R$4 bilhões no caixa e desvio de $500 milhões do Fundeb; desvio de R$1,2 milhões no fundo de trabalho escravo; desvio e apropriação de R$300 milhões dos municípios; desvio e apropriação de R$300 milhões dos poderes; aumento de $2 bilhões nos Incentivos Fiscais; aumento de milhares de cargos políticos comissionados, aumentou da folha de pagamento pela contratação de mais de 10.000 pessoas; uso da justiça para proteger seus amigos e secretários conforme disse o cabo Gerson; delação de Alan Malouf tratando de 12 tipos de corrupção entre elas os $10 milhões de caixa 2 administrados por Alan Malouf e Julio Modesto; licitação irregular de 11 bilhões para transporte interestaduais; desvio de R$58 milhões em pontes na SINFRA; $300 milhões em vantagem cobrada de quem recebeu antecipado no decreto do bom pagador; crédito de R$100 milhões para o primo Paulo Taques; maracutaia com a juizá candidata para ferrar o Silval e a família dele; irregularidades de R$3 bilhões no Edital nº 02/2018 da Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística (Sinfra) sobre rodovias MT 246, MT 343, MT 358 e MT 480. Além disso, apropriação indébita de R$70 milhões descontado dos salários dos servidores públicos para pagar empréstimos consignados, estouro da folha pagando vantagens para apaniguados políticos que receberam salários acima de R$100 mil, contratação irregular de 2000 cabos eleitorais na SEDUC para fazer campanha para o ex-secretário Mahafon, peculato ao gastar R$10 milhões em telefone por secretaria do estado durante a campanha eleitoral para o governo 2018; R$180 milhões em indenizações irregulares pagas em 2018 as empresas supostamente prestadoras de serviços na Secretaria de Estado de Saúde Secretaria. Pedro Taques e Gallo cometeram crime de responsabilidade de R$3,7 bilhões ao deixar restos a pagar para o próximo governo sem a devida provisão de fundos exigida na Lei de Responsabilidade Fiscal.

Responder

5
0


4 comentários