"Um governo determinado a destruir os serviços públicos", diz Fórum Sindical | MUVUCA POPULAR

Sábado, 19 de Setembro de 2020

POLÍTICA Terça-feira, 07 de Janeiro de 2020, 19h:30 | - A | + A




Reforma da Previdência

"Um governo determinado a destruir os serviços públicos", diz Fórum Sindical

Sindicalistas se posicionaram contra Previdência imposta por Mauro Mendes (DEM)


redacaomuvuca@gmail.com

Foto: Reprodução

O Fórum Sindical declarou, por meio de nota, ser contra a Reforma da Previdência proposta pelo governador Mauro Mendes (DEM). Segundo os sindicalistas, a proposta fere os direitos dos servidores públicos e da população em geral. 

"Um governo determinado a destruir os serviços públicos. É assim que será lembrado. A Reforma da Previdência, aprovada no Congresso Nacional, está sendo importada para Mato Grosso com o mesmo caráter destruidor da solidariedade e justiça social", afirma.

Para o Fórum, a intenção de Mendes em aprovar a reforma em Mato Grosso é de "patrolar os servidores públicos", com intuito de juntar recursos no ano de eleições municipais.

"Troca-se o futuro de uma população, que envelhece e necessita da garantia de direitos sociais, por alguma liquidez no caixa. São vidas sendo trocadas por alguns milhões", pontua.

Desta forma, os servidores exigem que o Governo cumpra quatro acordos, mediante a greve caso não sejam levados a sério, sendo eles:

1. A não taxação de aposentados até o teto do INSS,

2. Alíquotas compatíveis com a capacidade contributiva e estratificada por faixa de rendimento,

3. Constituição de novas fontes de receitas previdenciárias como contribuição do governo para cobertura do déficit,

4. Apresentação de todos os dados para que sejam debatidos com os interessados em rodadas de audiências públicas a partir de calendário definido conforme prazos legais.

Confira a nota na íntegra:

Por justiça e por Direitos, o Fórum Sindical repudia e denuncia a Reforma da Previdência de Mauro Mendes

Este é o segundo ano do Governo de Mauro Mendes e ele começa 2020 como iniciou 2019, atacando os direitos dos servidores públicos e da população em geral, que dependem dos serviços públicos!! Um governo determinado a destruir os serviços públicos. É assim que será lembrado.

A Reforma da Previdência, aprovada no Congresso Nacional, está sendo importada para Mato Grosso com o mesmo caráter destruidor da solidariedade e justiça social.

Embora o Estado de Mato Grosso tenha autonomia para definir suas regras no Regime Próprio que temos, a intenção do Governo é patrolar os servidores públicos, para fazer caixa no ano de eleições municipais.

É assim quando interesses miúdos são eleitos para governar os grandes interesses do povo. Troca-se o futuro de uma população, que envelhece e necessita da garantia de direitos sociais, por alguma liquidez no caixa. São vidas sendo trocadas por alguns milhões.

Mauro Mendes não apenas quer replicar a perversidade da reforma aprovada em âmbito federal (que na prática vai inviabilizar a aposentadoria dos trabalhadores) como também quer impor sacrifício maior aos mais pobres, aos mais baixos salários e, principalmente, aos aposentados!

Quanto aos altos salários, pretende deixar intactos, mantendo privilégios de poucos às custas do sacrifício de muitos.
A proposta de Mauro Mendes endurece ainda mais as regras aprovadas pela Emenda Constitucional 103/2019 e impõe a taxação de aposentados a partir de um salário mínimo (1.039,00). Desse modo, os que recebem os menores salários pagarão proporcionalmente mais. Hoje os aposentados contribuem a partir do teto do INSS (R$ 5.834,00).

Aos trabalhadores da ativa, o governo quer impor a taxação linear para todos os salários, desconsiderando qualquer diferença. Um jeito de, novamente, preservar os maiores salários que ficarão limitados a carga de 14%.

Os servidores de menores salários pagarão exatamente o mesmo percentual de promotores, juízes, desembargadores, Conselheiros do Tribunal de Contas que ganham salários acima do teto constitucional, disfarçados de todo tipo de artimanha para burlar a lei do teto.

Combater privilégios?? Não, o Governo quer manter os privilégios, ampliando a desigualdade salarial no serviço público.

Não bastasse evitar a taxação dos altos salários dos Poderes, a proposta de Mauro Mendes ainda prevê um acréscimo de mais 0,5% de duodécimo para que o Executivo pague pelo aumento da alíquota patronal dos poderes, que subirá de 14 para 28%. Como apenas o Poder Executivo arrecada e é responsável por promover serviços de saúde, educação, segurança, cultura, etc. é do bolso do contribuinte, que paga altos impostos e espera serviços de qualidade, que sairá mais esse “agrado” à fome insaciável dos poderes por mais fatias dos recursos públicos, sem qualquer contraprestação de serviços que, inclusive, estão limitados por seus papéis constitucionais.

O que nos parece, de forma tão lamentável, é que essa relação entre os chefes dos poderes transformou o Estado de MT num grande balcão de negócios entre sócios. Uma sociedade limitada, que exclui o povo, os trabalhadores e trabalhadoras.

E assim, não temos mais proteção na defesa institucional do direito nos tribunais do casuísmo; ou na fiscalização e controle da legalidade, tampouco da Casa que deveria ser do povo, cujos deputados foram eleitos para defender nossos direitos, não para retirá-los.

O Estado se tornou refém de interesses corporativos, expressos em absurdos aumentos de duodécimos, que fazem com que Mato Grosso tenha um dos poderes mais caros do Brasil e relegue ao abandono as políticas públicas e à criminalização os servidores públicos.

Em 2019, o Judiciário, o Legislativo, o Tribunal de Contas, Defensoria, Ministério Público tiveram aumento em seus respectivos duodécimos, que totalizaram 98 milhões de reais a mais em suas já gordas contas, enquanto os servidores públicos do Executivo tiveram seus salários parcelados, congelados e cortados, a RGA inviabilizada e, ainda, o Governo autodeclarou Estado de Calamidade Pública, que somente teve efeito sobre o achatamento e corte de salários de quem ousou se rebelar contra o consenso dos poderes, sobre a exclusão do povo, na fatia dos recursos públicos.

Com a Reforma da Previdência pretendida por Mauro Mendes, o que os servidores podem esperar é o aprofundamento da destruição de seu poder de compra (sem RGA, sem leis de carreiras, sem concurso), aposentadorias miseráveis a quem já recebe pouco. São, verdadeiramente, os aposentados os que mais pagarão a conta dessa reforma vergonhosa, porque sofrerão uma super taxação que sairá de 0 para 14% de seus benefícios.

Imposto pago à ganância dos que nos governam em seu próprio benefício, e fazendo das leis sua própria conveniência. Que benefícios pode o aposentado ter com a diminuição de oferta de serviços de saúde, a redução de seus salários e a taxação da previdência, num momento mais delicado de suas vidas, quando as doenças aparecem e os filhos vão embora?

Um governo insensível e desumano. Um gestor que não está preparado para a missão que recebeu das urnas: cuidar das pessoas.
Mauro Mendes é o governo dos empresários. Não empresários modernos que compreendem que o principal ativo de uma empresa são as pessoas. Trata-se de um neo-escravocrata que pensa o trabalho exclusivamente pela ótica da exploração, do rebaixamento e da desmoralização, que trata os trabalhadores como seres inferiores, hipossuficientes e, portanto, incapazes de opinar sobre suas próprias vidas e sobre o Estado para o qual trabalham a vida toda.

Compreende seu mandato como algo personalíssimo, encarnado exclusivamente na sua vontade, ouve muitíssimo pouco, fala e não espera ser questionado.
Não se trata mais apenas de destruir o nosso present, trata-se agora, da destruição do nosso futuro.

Por isso, o Fórum Sindical convoca todos os servidores a unirem esforços no enfrentamento a mais este ataque, sem precedentes aos nossos direitos e denuncia o caráter injusto, perverso e elitista dessa reforma que, longe de combater privilégios, pretende impor aos mais pobres o preço de uma política irresponsável de destruição de direitos de toda população, a começar pelos servidores públicos.

O FORUM SINDICAL manifesta com veemência sua posição CONTRÁRIA à Reforma da Previdência proposta por Mauro Mendes e denuncia também o fato de não terem sido apresentados os números que comprovam o déficit e sua origem. Denuncia também a falta de transparência e a falta de debate, pois sabemos quantos governos utilizaram os recursos oriundos das contribuições previdenciárias para fins estranhos à sua destinação.

Nós, servidores públicos, não podemos ser responsabilizados pelas fraudes e rombos patrocinados por gestões políticas perdulárias e irresponsáveis.

Por isso exigimos:

1. A não taxação de aposentados até o teto do INSS,

2. Alíquotas compatíveis com a capacidade contributiva e estratificada por faixa de rendimento,

3. Constituição de novas fontes de receitas previdenciárias como contribuição do governo para cobertura do déficit,

4. Apresentação de todos os dados para que sejam debatidos com os interessados em rodadas de audiências públicas a partir de calendário definido conforme prazos legais.

Cuiabá, 06 de janeiro de 2020

FÓRUM SINDICAL DE MATO GROSSO

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

(4) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

Paquetá - 08-01-2020 07:58:03

Isso que foi colocado nessa matéria, venho alardeando há tempos, a respeito das atitudes desse senhor, o pseudo governador desse estado, senão vejamos: enriqueceu como? Se com benefícios fiscais do estado, legais mas imorais, quase faliu as suas empresas; maracutaias com uma juiza; com mineradores, com áreas rurais, na prefeitura de Cuiabá, no governo do estado e por aí vai.... Com tudo isso acham que vai conseguir, com competência, administrar o estado? Estão é sucateando todas as repartições, órgãos, bens móveis, imóveis, a parte de servidores, tudo! Para quê? Para sobrar dinheiro, não gastando ou gastando mal, fora desvios e tentando arrecadar mais, legal e ilegalmente, justamente para isso: fazer caixa para bolsos próprios e campanhas eleitorais!

Responder

9
0


Denilza - 07-01-2020 20:49:39

O PROBLEMA NÃO É OS SERVIDORES, AS CAUSAS DESSE DÉFICIT NA PREVIDÊNCIA FORAM AS ROUBALHEIRAS DOS POLÍTICOS NO MT PREV.

Responder

19
0


Ele VAI COLHER ... está plantando - 08-01-2020 12:52:29

Tenho fé! Assistirei, de camarote, a DERROCADA DESSE ARTICULADOR DE PERVERSIDADES CONTRA SERVIDORES PÚBLICOS. Penso que ele ao APARECER NA MÍDIA como SE Cristão fosse, o faz com interesse de propaganda. Se fosse CRISTÃO teria CONSCIÊNCIA que as atitudes dele CONTRA SERVIDORES PÚBLICOS EFETIVOS será JULGADA E PUNIDA PELA JUSTIÇA DIVINA. Hoje pagamos o LUXO e MALDADES DELE. Amanhã, de nada valerá riqueza diante, por exemplo, de doença incurável! No momento em que isso ocorrer, provavelmente, a ' ficha' cairá.

Responder

1
0


SÓ POR DEUS!!! - 08-01-2020 13:01:47

Tenho fé! Assistirei, de camarote, a DERROCADA DESSE ARTICULADOR DE PERVERSIDADES CONTRA SERVIDORES PÚBLICOS. Penso que ele ao APARECER NA MÍDIA como SE Cristão fosse, o faz com interesse de propaganda. Se fosse CRISTÃO teria CONSCIÊNCIA que as atitudes dele CONTRA SERVIDORES PÚBLICOS EFETIVOS será JULGADA E PUNIDA PELA JUSTIÇA DIVINA. Hoje pagamos o LUXO e MALDADES DELE. Amanhã, de nada valerá riqueza diante, por exemplo, de doença incurável! No momento em que isso ocorrer, provavelmente, a ' ficha' cairá.

Responder

1
0


4 comentários

coluna popular
Parlamentares buscam estratégias
Deputado quer apoiar coronel Fernanda
Expulsou profissionais da TV Centro América
Blairo, Eraí e Mendes tentam eleger senador
Parte do partido quer apoiá-lo ao Senado

Últimas Notícias
19.09.2020 - 14:10
19.09.2020 - 11:54
19.09.2020 - 11:50
19.09.2020 - 11:47
19.09.2020 - 11:38


Muvuca (PL)

Adevair Cabral (PTB)

Chico 2000 (PL)

Misael Galvão (PTB)

Ricardo Lobo (PL)

Aladir (PL)

Sargento Joelson (SD)

Juca do Guaraná (MDB)

Luluca Ribeiro (MDB)

Macrean

Ralf Leite (MDB)

Renivaldo Nascimento

Toninho de Souza

Edna Sampaio (PT)

Robson Cireia (PT)

Ricardo Saad

Oseas Machado (MDB)

Rogério Varanda

Alex Ribeiro (PP)

Maurélio (PSDB)

Dudu Santos

Marcelo Bussiki

Vinícyus Clovito

Diego Guimarães

Mário Nadaf

Marcos Veloso

Gisele Almeida

Orival do Farmácia

Wilson Kero-Kero

Dr. Xavier

Justino Malheiros

Zidiel Coutinho

Sargento Vidal

Dídimo Vovô

Clebinho Borges

Júlio da Power

Jamilson Moura

Emídio de Souza (PSL)

Adalberto Cavalcanti

Ricardinho

Kako do CPA

Dilemário Alencar

Max Campos (PSB)

Cezinha Nascimento

Edienes Hadassa

Dr Luiz Fernando

PF Rafael Ranalli

Gabriel Henrique

Itamar Jefferson (PL)

Cristiano Paraqueda

Sebastião Moraes

Daniel

Justino Campos

Rafael "Faré"

Darley Gonçalves

Osmar Rodrigues "Chefinho"

Elenir Pereira

Prof.instrutor Joaquim Neto

Diogo Fernandes

Ade Silva

Sargento Ozeni

Dito Paulo

Paulo Macedo

Luiz BA

Professor Frankes

Paulo da VGDI

Valdemir MM

Weto Salgado

Dr. Daúde

Bob Medina

Wagner Vinícius

Luis Carlos

Carlos Henrique do Correio

Adv Cris

Elenir Pereira

Zé Carlos

Luis Cláudio

Huelton Souza

Rosenil Luiz (Canelinha de pacu) (PL)

Sargento Ozeni

Luiz Poção (PL)

Edilson Odilon (PL)

Paulinho CPA

Germânio Araújo

Chico do Leblon

Delegado Garcia

Renato Anselmo

Cleber Adôrno

Doidinhoducorte

Neno do Pascoal Ramos

Prof. Jorginho



Informe Publicitário