Vereadores batem boca após documento da Câmara ter sido vazado  | MUVUCA POPULAR

Quinta-feira, 12 de Dezembro de 2019

POLÍTICA Sexta-feira, 15 de Novembro de 2019, 11h:05 | - A | + A




“Fraude documental”

Vereadores batem boca após documento da Câmara ter sido vazado

Delegado Marcos Veloso (PV) acusa colegas de “fraude documental” e pede investigação de parlamentares


redacaomuvuca@gmail.com

Foto: Montagem

O vereador por Cuiabá, Delegado Marcos Veloso (PV), se desentendeu com seu colega de parlamento, Diego Guimarães (PP) durante a sessão que ocorreu na manhã desta quinta-feira (14). Após ter citado um documento que teria sido supostamente vazado da Câmara Municipal, Marcos declarou que entraria com um pedido para investigar os vereadores da Capital, os acusando de “fraude documental”.

O documento em questão, se trata de um Projeto de Lei (PL) em regime de urgência, proposto pelo vereador Abílio Júnior (PSC) e assinado pelos vereadores Diego Guimarães (PP), Dilemário Alencar (Pros), Felipe Wellaton (PV), Wilson Kero-Kero (PSL), Lilo Pinheiro (PDT) e Marcelo Bussiki (PSB), que prevê a revogação das taxas cobradas pela Prefeitura de Cuiabá aos motoristas de aplicativos do 99 Pop e Uber.

“Vou encaminhar para a apuração, esse documento não pode estar na mão de terceiros, se não for um documento oficial da Câmara, é fraude documental, tem um papel timbrado aqui da casa, então se quisermos falar de lisuras, temos que agir com propriedade, não basta parecer honesto, tem que ser honesto, esse documento não deve estar nas mãos não devem estar fora da Câmara”, disse o delegado.

Descontente com o posicionamento de Marcos, Diego pediu para fosse incluído nas investigações, visto que tinha sido um dos vereadores que apoiou a saída do arquivo para o público externo.

“Queria esclarecer sobre o vazamento dos documentos, e peço ao senhor vereador Marcos Veloso que me inclua nas investigações, porque eu apoiei para que deixassem esses documentos nas mãos de motoristas de aplicativos”, rebateu.

Taxação dos aplicativos

De acordo com a portaria publicada no Diário de Contas que circulou em abril deste ano, os motoristas teriam que pagar R$155 pela vistoria anual do veículo e R$ 0,05 por quilômetro rodado pelo uso de plataformas digitais. Além da tabela de taxação, a portaria estabeleceu regras para motoristas e carros que seriam utilizados no transporte de passageiros.

Em Cuiabá e Várzea Grande são mais de 13 mil motoristas cadastrados, sendo 7 mil ativos.

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

(1) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

Daniel - 16-11-2019 19:47:31

Esse vereador Diego Guimarães não ganha mais nem pra presidente de bairro onde mora. Só blá blá blá e mais nada. Vamos mostrar serviços pela nossa Cuiabá que está precisando e muito. Muita fala e vídeos pra tentar enganar o eleitor, mas estamos atentos. Vocês vereadores terão a resposta nas urnas. Aguardem...

Responder

1
0


1 comentários

coluna popular
Benedito Pedro Dorileo era professor e escritor
Gestão eficiente
Após cassação de Selma
Dr João ressalta importância da cultura do estado
Vereador não sabe diferenciar poderes

Últimas Notícias
12.12.2019 - 16:54
12.12.2019 - 16:54
12.12.2019 - 16:50
12.12.2019 - 16:39
12.12.2019 - 16:38




Informe Publicitário