The news is by your side.

Xavantes dão início à primeira colheita de arroz em aldeia de Primavera do Leste

A expectativa é de que em breve o plantio seja comercializado, garantindo autonomia financeira ao povo Xavante, que é considerado o mais carente do Estado.

A comunidade indígena Xavante do Sangradouro, que abrange os municípios de Primavera do Leste, Poxoréu, General Carneiro e Novo São Joaquim, deu início à colheita do arroz plantado no final do ano passado, através do projeto Independência Indígena, em parceria com o Governo de Mato Grosso.

O pontapé foi dado nesta sexta-feira (23.04), em ato simbólico que contou com a presença de diversas autoridades políticas e de 57 caciques das aldeias que serão beneficiadas com a ação.

Além do Governo, o Independência Indígena também tem como parceiros o Sindicato Rural de Primavera do Leste e a Fundação Nacional do Índio (Funai). Neste primeiro momento, a produção será voltada à subsistência da comunidade, mas a expectativa é de que em breve o plantio seja comercializado, garantindo autonomia financeira ao povo Xavante, que é considerado o mais carente do Estado.

O cacique Alexandre Tseretsá, liderança da comunidade da Aldeia Sangradouro, pontuou que o incentivo irá matar a fome do seu povo e trará de volta o respeito aos índios Xavante.

“O índio também precisa do plantio, pra que sua comunidade não morra de fome. Os cidadãos têm que ser iguais, é isso que queremos. Deus criou o céu e a terra para o homem trabalhar, para colher o fruto da terra, para que as criaturas vivam bem. Sou velho, tenho muita idade e conheço bem o caminho para não ter guerra, pro nosso povo viver em paz. É disso que precisamos. Podem espalhar essa mensagem por todos os lugares. Agradecemos ao Governo do Estado de Mato Grosso e pedimos que não esqueçam a nossa comunidade, porque nós somos a raiz brasileira”, afirmou.

O projeto foi lançado em 2019 e prevê a disponibilização de ferramentas para que os índios produzam alimentos para subsistência e, posteriormente, para a comercialização.

“Esse é um exemplo clássico da expectativa do Governo de Mato Grosso de dar independência financeira e social para os indígenas. Aqui nós podemos ver que é possível juntar o respeito à cultura, os costumes, o meio ambiente e o desenvolvimento, para que eles possam viver com qualidade de vida dentro da sua propriedade”, destacou o superintendente de Assuntos Indígenas da Casa Civil, Agnaldo Santos.

“Hoje o governador Mauro Mendes traz um novo conceito, de levar para os indígenas as condições para que eles possam produzir e possam viver da sua terra, sem a dependência das ações assistencialistas dos governos. É uma realidade que traz dignidade”, completou o secretário de Estado de Agricultura Familiar, Silvano Amaral, que participou da solenidade.

Ao todo, mais de três mil xavantes serão beneficiados com o projeto. A área a ser utilizada para o plantio é de 999 hectares. No local, também haverá plantação de milho e feijão, cujo cultivo deverá ter início nos próximos meses.

“Quero falar em nome da bancada federal, da qual sou vice-presidente, que estamos muito felizes de viver um momento tão importante como esse. Nós estamos perseguindo isso há anos. O governador Mauro Mendes tem contribuído de forma efetiva na concretização desses projetos, é justo que a gente fale isso. É trazer e dar a opção do indígena de escolher a forma como ele quer viver”, declarou o deputado federal Neri Geller.

De acordo com o presidente da Funai, Marcelo Xavier, entre as ações, o projeto disponibiliza ferramentas e maquinários utilizados no plantio e na colheita de alimentos, bem como promove a capacitação de indígenas em operação de tratores e práticas de cultivo.

“É um projeto inovador, empreendido pela própria comunidade indígena, que garante a segurança alimentar das aldeias. Nós entendemos que levar o etnodesenvolvimento às aldeias é a solução, porque num futuro muito próximo eles poderão comercializar essa produção também e aferir renda com isso. Eles continuam sendo índios, mas com uma vida mais digna, porque nossa nação é apenas uma e os indígenas devem compartilhar das mesmas possibilidades que todos os brasileiros”, disse.

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação