The news is by your side.

Júlio Campos diz que União Brasil foi erro grave e analisa saída do DEM

Descontente com o União Brasil, partido que surgiu por meio da fusão entre o Democratas e o Partido Social Liberal (PSL), o ex-governador de Mato Grosso, Júlio Campos (DEM), fez duras criticas a decisão do presidente nacional, ACM Neto, após a junção das siglas.

Segundo Campos, não houve comunicação com os filiados pioneiros e neste sentido o União Brasil nasce dividido. “Foi um erro grave do ACM Neto tomar essa decisão por conta própria sem ouvir as bases, nunca teve um telefonema, ou um comunicado pra nós fundadores do Democratas se concordava, ou não com essa filiação. Foi um gesto pessoal do presidente do partido e da sua cúpula da direção nacional, que na última hora já comunicou que estava fundindo, isso é uma coisa mal feita e que pode não dar certo”, criticou.

Júlio afirmou que era um pré-candidato ao governo do estado em 2022 pelo Democratas, mas que com o novo cenário, não sabe nem se permanece no partido. “Olha, agora mudou tudo, o quadro é outro, no Democratas eu estava como pré-candidato, agora nessa União Brasil eu não sei nem se eu vou continuar filiado na União Brasil. Vamos aguardar, está muito cedo pra decidir qualquer coisa”, completa.

Contudo, a fusão das siglas desagradou não só Júlio Campos, como também filiados do PSL. Defensor ferrenho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), deputado Federal Nelson Barbudo, já disse que irá aguardar um posicionamento do presidente para tomar uma decisão sobre a permanência no PSL, ou uma possível troca de sigla para o pleito do ano que vem, visto que o União Brasil surge como uma ideia de terceira via para as eleições de 2022.

Mesmo ainda sem ter uma filiação oficial no União Brasil, Campos assegura que tem bom relacionamento com os integrantes do PSL, avalia que neste momento cada parlamentar deve pensar em sue futuro político e que o descontentamento se deve por falta de filosofia partidária.  “Acho que é problema de falta de filosofia, o Democratas é um partido, o PSL é outro muito Bolsonarista, então quer dizer, eu sou a favor da terceira via, para o bem do Brasil tem que surgir um terceiro candidato, agora se eles quiserem permanecer, com prazer é claro, eu tô falando porque ainda nem me filiei na União Brasil, ainda estou ausente, mas todos de lá são bem-vindos, são pessoas que eu tenho bom relacionamento pessoal, mas que cada um vai cuidar do seu futuro político, se eles acham que dentro desse novo quadro eles podem correr o risco de não reeleição, eu acho que cada um cuida do seu rumo”, conclui.

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação