The news is by your side.

Mais um preso na Operação Cupincha da PF consegue liberdade

Da Redação

 

O empresário Paulo Roberto de Souza Jamur, apontado pela Polícia Federal como proprietário das empresas Hipermed Serviços Médicos & Hospitalares S.A, Ultramed – Serviços Médicos Hospitalares Ltda, Smallmed Serviços Médicos e Hospitalares Eireli, conseguiu revogar a prisão preventiva no Tribunal Regional Federal (TRF-1). A decisão é do desembargador Cândido Ribeiro. O mesmo responsável pela soltura do ex-secretário municipal de Saúde de Cuiabá, Célio Rodrigues da Silva.

Jamur, Célio e o também empresário Liandro Ventura foram alvos da Operação Cupincha da Polícia Federal para desarticular uma organização criminosa voltada para o desvio de recursos públicos na área da saúde do município de Cuiabá, bem como lavagem do dinheiro. Jamur foi preso em Curitiba (PR), onde mora.

De acordo com a decisão do desembargador, não há nada que justifique a prisão e que, durante a audiência de custódia do investigado Liandro Ventura, o Ministério Público Federal manifestou pela revogação da prisão. A medida seria extensível aos demais investigados, pois se trata dos mesmos fundamentos para a decretação da segregação dos demais.

Com a decisão, o empresário Paulo Roberto Jamur não poderá manter contato com os demais investigados, deve comparecer mensalmente em juízo para informar e justificar suas atividades, não pode se ausentar da comarca por mais de 10 dias sem prévia autorização daquele Juízo; e deve recolher o passaporte.

Investigações

A Operação Cupincha é uma fase da Operação Curare, iniciada em julho de 2021. Segundo a PF, um grupo empresarial, que fornece serviços à Secretaria Municipal de Saúde do Município de Cuiabá/MT e que recebeu, entre os anos de 2019 e 2021, mais de R$ 100 milhões, manteve-se à frente dos serviços públicos mediante o pagamento de vantagens indevidas, seja de forma direta ou por intermédio de empresas de consultoria, turismo ou até mesmo recém transformadas para o ramo da saúde.

Após o ingresso dos recursos nas contas das empresas intermediárias, muitas vezes com atividades econômicas incompatíveis, os valores passavam a ser movimentados, de forma fracionada, por meio de saques eletrônicos e cheques avulsos, de forma a tentar ocultar o real destinatário dos recursos.

A movimentação financeira também se dava nas contas bancárias de pessoas físicas, em geral vinculadas às empresas intermediárias, que se encarregavam de igualmente efetuar saques e emitir cheques, visando à dissimulação dos eventuais beneficiários.

Paralelamente, o grupo empresarial investigado na primeira fase da Operação Curare promovia supostas “quarteirizações” de contratos administrativos, que viriam a beneficiar, em última instância, o servidor responsável pelas contratações com a Secretaria Municipal de Saúde e Empresa Cuiabana de Saúde Pública, incluindo o pagamento de suas despesas pessoais.

O nível de aproximação entre as atividades públicas e privadas dos investigados envolveu a aquisição de uma cervejaria artesanal, em que se associaram, de forma oculta, o então servidor público e o proprietário do grupo empresarial investigado.

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação