The news is by your side.

MP recorre e busca tirar conselheiro acusado de comprar cargo no TCE

Da Redação

O procurador geral de Justiça, José Antônio Borges, interpôs recurso junto ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) para tentar derrubar o retorno do conselheiro Sergio Ricardo ao Tribunal de Contas do Estado (TCE). No dia 25 de outubro, ele foi reintegrado a Corte de Contas após ficar afastado do cargo desde 2017.

O agravo interno foi protocolado junto ao ministro Mauro Campbell, quem concedeu a decisão garantindo o retorno de Sérgio Ricardo ao cargo. O procurador geral pediu reconsideração da decisão e pediu restabelecimento da cautelar de afastamento do agente público.

O MP argumentou que embora a defesa do conselheiro alega decurso de tempo entre a decisão do afastamento e a interposição do recurso, observa-se que devido processo legal é aquele que entrega a atividade satisfativa em consonância com a razoabilidade e a complexidade da causa.

“Os fatos narrados no bojo da ação principal são graves, sendo decorrentes do desdobramento das investigações deflagradas na “Operação Ararath”, que descortinou esquema fraudulento com a utilização de recursos públicos e culminou na instauração de diversos inquéritos policiais, civis e ações, em que se deve ressaltar que o objeto da ação de origem em questão não é um ato praticado por Conselheiro do Tribunal de Contas no exercício de suas funções, tratando-se, na verdade, da compra do próprio cargo, mediante negociação envolvendo membros do mais alto escalão do Poder Legislativo, do Poder Executivo e do próprio Tribunal de Contas do Estado”.

Foi alegado ainda na peça que apesar de ter passado quatro anos que Sérgio Ricardo foi afastado do TCE, a conduta imputada a ele é gravíssima e complexa, pois são vários os requeridos, os quais apresentaram demanda pela produção de provas.

“Não se deve desconsiderar que apuração como esta demanda tempo, com a necessidade de exame aprofundado e exauriente das provas. Ademais, a concomitância de processo criminal, pelo mesmo fato, em curso perante a Justiça Federal, ensejou a necessidade de compartilhamento de provas”.

O conselheiro afastado Sérgio Ricardo e o ex-governador Blairo Maggi foram acusados pelo Ministério Púbico pela compra de vaga no Tribunal de Contas do Estado (TCE) em 2009 por mais de R$ 12 milhões.

A denúncia é baseada nas delações do empresário Júnior Mendonça e do ex-governador Silval Barbosa, que teria confirmado o suposto esquema de compra de vagas no Tribunal de Contas do Estado (TCE).

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação