The news is by your side.

O segredo que Napoleão guardou após dormir na pirâmide de Quéops

 

Existe uma lenda negra sobre a Grande Pirâmide de Quéops, que Heródoto estava encarregado de espalhar e sobreviveu até hoje. O faraó, que passou para a posteridade por ser o arquiteto de uma das Sete Maravilhas do Mundo Antigo (e a única que ainda existe), segundo rei da Dinastia IV do Antigo Egito, teria ordenado a construção deste enorme necrotério monumento a pensar que o seu nome nunca será esquecido. O problema? Segundo as fofocas (e principalmente os escritos do historiador grego), Quéops era um governante implacável que teria forçado a própria filha a se prostituir para custear as despesas da construção da pirâmide.

Mas a filha do Faraó, embora concordasse, teria escapado impune. Pelo menos em parte. Segundo o próprio Heródoto : “A filha cumpriu a ordem, e até ela queria deixar um monumento sozinha, e pediu a cada um dos que a visitassem que lhe desse uma única pedra, e disseram que com aquelas pedras que ela tinha, construiu a pirâmide que fica no meio das três”. Coisas dos antigos egípcios.

Seja como for, as pirâmides foram testemunhas silenciosas da evolução da história e fascinaram os grandes homens por serem a representação de um tempo exótico. E um deles foi Napoleão Bonaparte. Milhares de anos depois que Quéops, sua filha e todos os outros protagonistas do mundo antigo entraram na história, o general francês chegou ao Egito, especificamente no verão de 1798, com a ideia de avançar para a Síria e libertar o país dos turcos. Mas também lhe deu tempo para fazer uma parada no caminho.

Napoleão era um grande admirador da figura de Alexandre o Grande, e Alexandre, por sua vez, teria chegado em 332 aC ao Egito, que nesse período estava sob domínio persa. As lendas em torno da figura do conquistador são frequentes, e as do Egito em particular são cheias de magia: dizem que depois de conquistar o país, ele fez uma peregrinação ao templo de Amon (no deserto de Siwa, a oeste), buscando assim, que os deuses o reconhecessem como seu próprio filho.

Ele então convenceu a todos que o oráculo o havia declarado filho de Amon e, por analogia, de Zeus. Poderíamos dizer que este tipo de visitas curiosas eram frequentes para Alexandre o Grande, que da mesma forma, ao passar pela cidade de Tróia, honrava o túmulo sagrado de Aquiles, enquanto seu amigo Heféstion fazia o mesmo com o de Pátroclo.

Assim, é compreensível que Bonaparte, fiel seguidor de Alexandre e de outros grandes homens como Júlio César, quisesse imitá-los nessa curiosa jornada e realizar não apenas uma conquista, mas algo mais importante. Em agosto do mesmo ano de 1798, durante sua campanha pelo Egito e pela Síria, voltou ao Cairo para passar (supostamente) a noite dentro da pirâmide de Quéops. Sua comitiva, junto com um religioso muçulmano, o acompanharam até a Câmara do Rei, onde não foi fácil passar. Todo o grupo teve que caminhar pelas estreitas passagens até o coração da Grande Pirâmide, e então eles deixaram Napoleão sozinho com seus pensamentos, naquele lugar sagrado, por uma noite inteira.

E, segundo a lenda, Napoleão saiu depois de sete horas, ao amanhecer, completamente pálido e desconcertado. Quando questionado por seus soldados sobre o que tinha visto, ele balançou a cabeça: “mesmo se eu te contasse, você não acreditaria em mim”. Parafraseando Tutancâmon e sua tumba, talvez ele tenha visto ontem e soubesse amanhã.

As últimas palavras do imperador, que morreria exilado na Ilha de Santa Helena, seriam “França, o exército, Josefina”. Durante seu funeral soou o Réquiem de Mozart e, desde então, milhões de pessoas visitaram seu túmulo, ao qual ele levou o segredo do que contemplou naquela noite de agosto em que, fingindo imitar os maiores homens da história, foi deixado sozinho preso no mistério da Grande Pirâmide.

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação