The news is by your side.

Empresa brasileira cria máscara capaz de matar coronavírus

 

A empresa Golden Technology criou uma máscara com tecnologia própria que é capaz de matar o coronavírus e combater a variante Delta. Reportagem publicada na revista Exame mostra que, enquanto as máscaras comuns devem ser trocadas em duas ou três horas, a Phitta pode ser usada durante 12 horas.

Depois de lançar o produto no mercado, a empresa viu seu faturamento aumentar de R$ 1,2 milhão em 2020 para R$ 30 milhões em 2021. “É uma tecnologia brasileira, desenvolvida aqui”, explicou o fundador da companhia, Sérgio Bertucci. “Estamos conversando com outros países, vamos exportar.”

O princípio ativo capaz de liquidar o coronavírus é chamado de Phtalox. Na prática, essa substância age como uma água oxigenada: interage com o oxigênio no tecido, de maneira a torná-lo mais reativo, e faz o vírus ser oxidado.

Os testes da nova máscara cirúrgica, realizados pelo Instituto Brasileiro de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (IBC-SP), mostraram eficácia de 99% na eliminação das variantes Delta, P1 e P2. Agora, a companhia pretende fazer os testes para verificar a eficácia contra a Ômicron, cepa detectada pela primeira vez na África do Sul.

Em virtude de sua maior durabilidade, a Phitta tem sido procurada por empresas que desejam fornecer o equipamento de proteção aos funcionários. Atualmente, a Golden Technology oferece as máscaras para companhias como Nestlé, Danone, Coca-Cola, Siemens e Goodyear. O produto da empresa brasileira pode ser encontrado nas principais redes de farmácias do país.

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação