The news is by your side.

“Não adianta ficar jogando a população contra a polícia penal, pois a culpa é do governo! ”, declarou Claudinei

 

 

Em frente à Penitenciária da Mata Grande, em Rondonópolis, no último sábado (11), o deputado estadual Delegado Claudinei (PSL) se posicionou sobre a possível greve dos policiais penais definida de forma unânime, pelo Sindicato dos Servidores Penitenciários de Mato Grosso (Sindspen). A paralisação das atividades deve-se à falta de posicionamento por parte do governo estadual quanto a atualização da tabela salarial e equiparação com as outras categorias da segurança pública.

O parlamentar considera a reivindicação justa e legítima, principalmente pelo fato de os policiais penais atuarem de forma direta com presos perigosos e organizações criminosas e, ainda, colocam suas vidas em risco e recebem o menor salarial em relação às outras instituições da segurança pública. “Já há movimentação com indicativo de greve que foi aprovado pelo sindicato, sendo que nos próximos dias pode ser deflagrada essa paralisação, aprovada de forma unânime entre os servidores”, comentou.

Ele acrescentou que o governador Mauro Mendes (DEM) havia emitido uma nota para a imprensa que entraria com uma medida judicial contra a paralisação. “O governador já soltando notinha e que pode entrar com uma liminar para impedir essa greve. Ninguém é favorável a greve, só se for em situações extremas. A greve prejudica todo mundo, o Sistema Penitenciário, os presos que podem se revoltar lá dentro e as famílias. E, também, atinge principalmente outros setores, como a Polícia Civil que vai ter que ficar segurando presos nas delegacias. Já tem pouco efetivo e vai ter que segurar preso. Ninguém quer greve. Não adianta ficar jogando a população contra a polícia penal, pois a culpa é do governo! ”, declarou Claudinei.

Reunião 

No dia 14 de setembro deste ano, o deputado estadual esteve reunido na Secretaria da Casa Civil de Mato Grosso, para discutir a valorização salarial de servidores do Sistema Penitenciário. No encontro, estiveram presentes o vice-governador de Mato Grosso, Otaviano Pivetta (PDT), os secretários da Casa Civil, Mauro Carvalho, e o de Gestão e Planejamento (Seplag), Basílio Bezerra, parlamentares e representantes do sindicato da instituição.

“Neste encontro, abordamos sobre os salários da categoria estarem bastante defasados. É algo que já estávamos cobrando. E a gestão estadual ficou de fazer uma análise e ver as possibilidades. Também, garantiu em começar a construir uma alternativa, com um estudo interno no governo e, logo, sentariam com a categoria para discutir os ajustes que poderiam ocorrer até no próximo ano”, lembrou o parlamentar.

Claudinei lamenta que já se passaram três meses e, até o momento, não houve uma resposta por parte da gestão estadual. “São três meses sem uma contraproposta. O pessoal não aguenta mais, não tem mais paciência de esperar. É o pior salário de todos que trabalham na segurança. O governador não está se importando com as condições de trabalho do servidor público. Vamos nos mexer e levar uma proposta. Vamos negociar”, disse.

Mata Grande – O parlamentar esteve reunido com os servidores da Penitenciária da Mata Grande que possui cerca de 1.500 presos e uma média de 30 profissionais por plantão para cuidar de todo o público carcerário. “Nesta reunião, eles informaram que há cerca de nove anos, eles ganharam mais 23 atribuições que foram acrescidas no exercício do cargo de policial penal. Aí, entendemos mais ainda, a necessidade da atualização da tabela salarial ”, concluiu Claudinei.

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação