The news is by your side.

Surpreendente: versão original de Bambi é uma parábola sombria de terror antissemita

Uma nova tradução do romance de Felix Salten de 1923 reafirma sua mensagem original que alerta sobre a perseguição aos judeus

 

É uma doce história açucarada sobre um jovem cervo que encontra o amor e a amizade em uma floresta. Mas o conto original de Bambi , adaptado pela Disney em 1942, teve um início muito mais sombrio como um romance existencial sobre perseguição e antissemitismo na Áustria dos anos 1920.

Agora, uma nova tradução busca reafirmar o lugar de direito da obra-prima de Felix Salten de 1923 na literatura adulta e iluminar como Salten estava tentando alertar o mundo que os judeus seriam aterrorizados, desumanizados e assassinados nos anos que viriam. Longe de ser uma história infantil, Bambi era na verdade uma parábola sobre o tratamento desumano e a perigosa precariedade de judeus e outras minorias no que era então um mundo cada vez mais fascista, a nova tradução mostrará.

Em 1935, o livro foi proibido pelos nazistas, que o viram como uma alegoria política sobre o tratamento dado aos judeus na Europa e o queimaram como propaganda judaica. “O lado mais sombrio de Bambi sempre esteve lá”, disse Jack Zipes, professor emérito de alemão e literatura comparada na Universidade de Minnesota e tradutor do próximo livro.

“Mas o que acontece com Bambi no final do romance foi escondido, até certo ponto, pela corporação Disney assumir o livro e transformá-lo em um filme patético, quase estúpido, sobre um príncipe e uma família burguesa.”

O romance de Salten, Bambi, a Life in the Woods , é completamente diferente, disse ele. “É um livro sobre a sobrevivência em sua própria casa.” Desde o momento em que nasce, Bambi está sob constante ameaça de caçadores que invadem a floresta e atacam indiscriminadamente. “Eles matam qualquer animal que quiserem”.

Logo fica claro que os animais da floresta vivem com medo e isso deixa o leitor constantemente “nervoso”: “Todos os animais foram perseguidos. E acho que o que abala o leitor é que também existem alguns animais que são traidores, que ajudam os caçadores a matar. ”

Depois que a mãe de Bambi é assassinada, o mesmo acontece com seu querido primo Gobo, que foi levado a acreditar que ele era especial e que os caçadores seriam “gentis” com ele. Bambi também leva um tiro, mas sobrevive graças ao velho príncipe, um veado majestoso que o trata como um filho (e pode muito bem ser seu pai). Mas então, infelizmente, o velho príncipe também morre, deixando Bambi totalmente desolado. “O Bambi não sobrevive bem, no final das contas. Ele está sozinho, totalmente sozinho … É uma história trágica sobre a solidão e a solidão de judeus e outros grupos minoritários”.

No final, há uma sensação de que Bambi e todos os outros animais selvagens da floresta simplesmente “nasceram para serem mortos”. Eles sabem que serão caçados – e sabem que vão morrer. “O tema principal é: você não tem escolha”.

Capa de O Bambi Original: A História de uma Vida na Floresta, de Felix Salten, em sua nova tradução de Jack Zipes

Salten, que mudou seu nome de Siegmund Salzmann durante sua adolescência para se “desmarcar” como judeu na sociedade austríaca, ganhava sua principal renda como jornalista em Viena. Zipes acha que viu a direção em que sopravam os ventos políticos. “Acho que ele previu o Holocausto. Ele havia sofrido muito quando menino com o anti-semitismo e, naquela época, na Áustria e na Alemanha, os judeus eram culpados pela perda da Primeira Guerra Mundial. Este romance é um apelo para dizer: não, isso não deveria acontecer”.

Em um ponto do romance, duas folhas de uma árvore discutem por que devem cair no chão e se perguntam o que acontecerá com elas quando isso acontecer. “Essas folhas falam muito a sério sobre questões realmente sombrias que os humanos têm: não sabemos o que vai acontecer conosco quando morrermos. Não sabemos por que devemos morrer”.

Ao escrever uma história sobre animais e vida selvagem, Salten conseguiu superar os preconceitos e preconceitos negativos que muitos de seus leitores mantinham sobre os judeus e outras minorias: “Isso permitiu que ele falasse sobre a perseguição aos judeus com a liberdade que desejava”. Sem ser didático, ele poderia encorajar o leitor a sentir mais empatia pelos grupos oprimidos – e Bambi poderia questionar abertamente a crueldade de seus opressores. “Muitos outros escritores, como George Orwell, escolheram animais também porque você tem mais liberdade para lidar com problemas que podem deixar seus leitores eriçados. E você não quer que eles se ericem, você quer que eles digam, no final: isso é uma tragédia”.

Em contraste, a tradução original em inglês, publicada em 1928, atenuou o antropomorfismo de Salten e mudou seu foco para que fosse mais provável de ser entendida como uma simples história de conservação sobre animais que vivem em uma floresta. Essa foi a versão lida por Walt Disney, que adorava histórias de animais.

Quando a Alemanha anexou a Áustria em 1938, Salten conseguiu fugir para a Suíça. Na época, ele havia vendido os direitos do filme por meros US $ 1.000 para um diretor americano, que os vendeu para a Disney: o próprio Salten nunca ganhou um centavo com a famosa animação. Privado de sua cidadania austríaca pelos nazistas, ele passou seus últimos anos “solitário e desesperado” em Zurique e morreu em 1945, como Bambi, sem nenhum lugar seguro para chamar de lar.

 

 

The Guardian

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação