The news is by your side.

Tribunal russo fecha grupo de direitos humanos mais antigo do país

Decisão da Suprema Corte sobre o Memorial é um divisor de águas na repressão de Vladimir Putin ao pensamento independente

A suprema corte da Rússia ordenou o fechamento do Memorial, o grupo de direitos humanos mais antigo do país, em um momento decisivo na repressão de Vladimir Putin ao pensamento independente.

O tribunal ordenou o fechamento do Memorial sob a polêmica legislação russa de “agente estrangeiro”, que tem como alvo dezenas de ONGs e meios de comunicação considerados críticos do governo.

O Memorial foi fundado no final dos anos 1980 para documentar as repressões políticas realizadas durante a União Soviética, construindo um banco de dados das vítimas do Grande Terror e dos campos de gulag. Também se tornou um importante defensor da causa dos direitos humanos na Rússia, gerando ramos e iniciativas em muitas das mais de 80 regiões da Rússia.

Em sua decisão, a juíza Alla Nazarova ordenou o fechamento da organização por violações “repetidas” e “grosseiras” das leis de agentes estrangeiros da Rússia, uma designação que o Memorial classificou de motivada politicamente.

A decisão encerrará o “Memorial Internacional da Sociedade Histórica, Educacional, Caritativa e de Direitos Humanos, suas filiais regionais e outras unidades estruturais”, disse ela.

A agência de notícias Interfax citou um advogado do Memorial dizendo que iria apelar, tanto na Rússia quanto no tribunal europeu de direitos humanos.

O promotor russo retratou a organização como uma arma geopolítica usada por governos estrangeiros para privar os russos modernos de se orgulharem das conquistas da União Soviética. Esses argumentos se encaixam intimamente com a visão do Kremlin sobre a história, em particular no sentido de que os aliados ocidentais se recusaram a dar à União Soviética o que merecia por seu papel na derrota da Alemanha na segunda guerra mundial.

“É óbvio que, ao lucrar com o assunto das represálias políticas do século 20, o Memorial está retratando falsamente a URSS como um estado terrorista e encobrindo e justificando os criminosos nazistas que têm o sangue de cidadãos soviéticos em suas mãos”, disse Alexei Zhafyarov , um representante do gabinete do procurador-geral russo, durante a audiência.

“Por que deveríamos nós, os descendentes dos vencedores, ver a reivindicação dos traidores de sua pátria e dos capangas nazistas? … Talvez porque alguém pague por isso. E esta é a verdadeira razão pela qual a Memorial está tentando tão ferozmente negar sua condição de agente estrangeiro ”, ele continuou.

A filha de Natalya Estemirova, ex-membro do conselho do Memorial assassinado na Chechênia por seu trabalho de direitos humanos em 2009, escreveu em resposta ao veredicto: “Minha mãe sempre dizia: ‘Não pode ficar pior do que isso.’ Acontece que pode”.

 

The Guardian

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação