The news is by your side.

Homem que estuprou vítima morta fez outra vítima em dezembro de 2020 em VG

 

 

Wandeilson Soares Gomes, o Wan, 27, preso como o autor do homicídio e estupro contra Umberto Alberico da Silva, 56, nesta madrugada (6), no Parque Del Rei, em Várzea Grande, chegou a ser preso em 23 de dezembro de 2020 suspeito também pela morte de Fábio ‘Tatu’.

Fábio vivia em situação de rua no bairro Parque Del Rei e foi encontrado morto na madrugada do dia 23, na área do Bar do Carlão, onde costumava dormir. Ele estava com a cabeça esmagada por uma pedra. No local tinha bastante sangue.

 

No dia do crime, testemunha informou que ouviu um barulho e que, quando saiu na porta, já encontrou a vítima caída agonizando e que, antes de morrer, ele ainda conseguia dizer ‘Wan, Wan’, indicando o nome do autor do crime.

 

Equipe médica foi até o local e constatou a morte logo depois. Durante a tarde do mesmo dia, em diligências, a polícia conseguiu chegar até Wan, naquela época chamado de também apelidado de “bigode”.

 

Quando questionado sobre o homicídio, alegou apenas que ‘presenciou o fato e viu uma pessoa correndo’. Depois, foi até o corpo e tirou a pedra de cima da cabeça da vítima. Mas, estranhamente, não acionou a polícia ou o resgate.

 

Ele foi levado para a delegacia e entregue sem lesões corporais. Durante a apuração do inquérito, testemunhas que estiveram com ele no dia do crime disseram que ele dizia que ‘e se eu contar para vocês que eu matei o Tatu?’.

Reprodução

Homicídio Fábio Tatu

Bar onde Fábio foi encontrado morto no Parque Del Rei

O que motivou o pedido de prisão acatado pela Justiça de Várzea Grande. Ele foi denunciado pelo Ministério Público Estadual (MPE) e vai à Júri Popular. No dia em que matou Fábio, ele estava bebendo com a vítima. O juiz Murilo Moura Mesquita chegou a considera-lo de alta periculosidade.

 

Na madrugada desta sexta-feira, durante a prisão pela morte de Umberto, populares relembraram os policiais que ele já tinha sido preso pela morte de Tatu, utilizando o mesmo modus operandi.

 

Em liberdade desde o final de 2021, ele ainda chegou a agredir a esposa, de 21 anos. No dia do crime, ela o denunciou, mas fugiu do local, não sendo encontrado pelos policiais.

 

Reprodução

Homicídio - Umberto Alberico

Foto do documento de identidade de Umberto Alberico da Silva, 56, morto na madrugada de sexta (7)

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação