The news is by your side.

Passando uma hora com o Dr. King

 

Se você pudesse viajar no tempo e passar uma hora com dez pessoas de sua escolha, quem você escolheria e por quê? Sobre o que você gostaria de falar com ele ou ela?

Este é um experimento de pensamento fascinante que eu recomendo que você apresente aos seus amigos. Nunca deixa de produzir um debate interessante com o qual todos os envolvidos aprendem. Para mim, o grande orador romano Cícero está sempre nas minhas dez escolhas.

Também o Dr. Martin Luther King, a quem homenageamos com um feriado nacional (diferente de seu aniversário em 15 de janeiro). Eu adoraria a oportunidade de falar com ele cara a cara.

Não concordaríamos em tudo, sem dúvida. Acho que o Dr. King estava frequentemente errado quando abordava questões econômicas. No entanto, ele era um homem tão atencioso e gentil que tenho certeza de que ouviria atentamente a minha perspectiva. Eu gostaria de explicar a você por que seu apoio ao salário mínimo, sindicalismo compulsório e programas de bem-estar entram em conflito com sua devoção à não-violência.

O Dr. King observou que o capitalismo (o sistema de propriedade privada, empreendedorismo e mercado livre) tornou possível para os Estados Unidos “fazer maravilhas” e “tornar-se a nação mais rica do mundo”. Ele o chamou de “o maior sistema de produção que a história já conheceu”. E ele sabia que o comunismo estava enraizado no engano e na tirania, e disse isso em várias ocasiões. Assim, mesmo na economia, é provável que encontremos uma considerável harmonia de opinião.

Em outras questões – na verdade, nas mais importantes – concordaríamos com entusiasmo. Eu gostaria muito de discutir esse terreno comum em detalhes.

Por exemplo, como irmãos cristãos, provavelmente falaríamos sobre nossa compreensão mútua da ética cristã. Eu também gostaria de lhe dizer como a ciência, nos anos desde que ele morreu em 1968, tem afirmado cada vez mais a Criação e um Criador, não um universo acidental. Acho que ele adoraria essa evolução.

O Dr. King declarou: “Tenho um sonho de que meus quatro filhos pequenos um dia viverão em uma nação onde não serão julgados pela cor de sua pele, mas pelo conteúdo de seu caráter”. Agradeço-lhe por endossar tão eloquentemente a importância crítica do caráter. Eu mesmo abordei essa questão muitas vezes ao longo dos anos, inclusive como música tema de Are We Good Enough for Liberty?

As muitas observações sábias do Dr. King sobre bondade, coragem, perdão, responsabilidade e compaixão falariam por mais de uma hora. Na verdade, eu pediria à máquina do tempo que me desse mais algumas horas com ele.

Dr. Martin Luther King Jr. continua sendo o porta-voz mais eloquente dos direitos civis de todas as pessoas desde o grande Frederick Douglas. Então, em vez de ler minhas palavras sobre ele, deixe-me compartilhar com você algumas palavras do próprio grande homem. Aqui estão algumas das minhas citações favoritas de King:

_____

Acredito que a segregação é totalmente anticristã e que vai contra tudo o que a religião cristã defende.

_____

O homem é homem porque é livre para agir dentro da estrutura de seu destino. Ele é livre para deliberar, tomar decisões e escolher entre alternativas. Distingue-se dos animais por sua liberdade de fazer o bem ou o mal e trilhar o caminho da beleza ou da degeneração.

_____

Um homem morre quando se recusa a defender o que é certo. Um homem morre quando se recusa a defender a justiça. Um homem morre quando se recusa a defender o que é verdadeiro.

_____

Nossa lealdade final não é com o governo, nem com o estado, nem com a nação, nem com qualquer instituição feita pelo homem. O cristão deve sua fidelidade final a Deus e se alguma instituição terrena entrar em conflito com a vontade de Deus, é seu dever cristão se posicionar contra ela. Você nunca deve permitir que as demandas transitórias e evanescentes das instituições feitas pelo homem tenham precedência sobre as demandas eternas do Deus Todo-Poderoso.

_____

Este não é um dia para agitadores, sejam eles negros ou brancos. Devemos perceber que estamos lidando com o problema social mais importante desta nação e ao lidar com um problema tão complexo não há espaço para emocionalismo mal colocado. Devemos trabalhar apaixonada e incansavelmente pelo objetivo da liberdade, mas devemos ter certeza de que nossas mãos estão limpas na luta. Nunca devemos lutar com falsidade, ódio ou malícia. Nunca devemos ser amargos.

_____

Não devemos nos vitimizar com uma filosofia de supremacia negra. Deus não está interessado apenas em libertar homens negros, homens pardos e homens amarelos, mas Deus está interessado em libertar toda a raça humana. Devemos trabalhar com determinação para criar uma sociedade, não em que os homens negros sejam superiores e outros homens sejam inferiores e vice-versa, mas uma sociedade em que todos os homens vivam juntos como irmãos e respeitem a dignidade e o valor da personalidade humana.

_____

Em algum lugar alguém deve ter algum bom senso. Os homens devem ver que força gera força, ódio gera ódio, aspereza gera aspereza. E tudo é uma espiral descendente, que finalmente termina na destruição de todos. Alguém deve ter bom senso e moralidade suficientes para cortar a corrente do ódio e a corrente do mal no universo. E isso é feito com amor.

_____

O comunismo é baseado no relativismo ético e não aceita absolutos morais estáveis. O bem e o mal são relativos aos métodos mais convenientes para lidar com a luta de classes. O comunismo explora a terrível filosofia de que o fim justifica os meios. Ele enuncia de forma pungente a teoria de uma sociedade sem classes, mas infelizmente seus métodos para alcançar esse fim nobre são muitas vezes ignóbeis. Mentira, violência, assassinato e tortura são considerados meios justificáveis ​​para chegar ao fim do milênio. É uma acusação injusta? Ouça as palavras de Lenin, o verdadeiro estrategista da teoria comunista: “Devemos estar dispostos a empregar truques, enganos, violações da lei, reter e esconder a verdade”. A história moderna conheceu muitas noites tortuosas e dias cheios de horror porque seus seguidores levaram a sério essa afirmação.

_____

Um dos grandes debates filosóficos dos séculos tem sido a questão dos fins e dos meios. De Maquiavel em diante, houve pessoas que argumentaram que o fim justifica os meios. Os sistemas governamentais às vezes seguem essa teoria. ouça Lenin quando diz: “A mentira, o engano, a violência, o encobrimento e o encobrimento da verdade são meios justificáveis ​​para atingir o fim da sociedade sem classes”. Esta é a grande fraqueza e tragédia do comunismo e de qualquer outro sistema que defenda que o fim justifica os meios, pois em um sentido real, o fim preexiste aos meios; os meios representam o ideal nascente e o fim em processo. Ao longo da história, meios imorais não podem dar origem a fins morais. Meios destrutivos não podem dar origem a objetivos construtivos. A beleza da não-violência é que ela possibilita ao indivíduo lutar por fins morais por meios morais. 

_____

Outra razão pela qual devemos amar nossos inimigos é que o ódio marca a alma e distorce a personalidade. Conscientes de que o ódio é uma força maligna e perigosa, muitas vezes pensamos sobre o que torna a pessoa odiada. Isso é compreensível, pois o ódio causa danos irreparáveis ​​às suas vítimas. Vimos suas horríveis consequências na morte ignominiosa de seis milhões de judeus nas mãos de um louco obcecado pelo ódio chamado Hitler, na violência indescritível infligida aos negros por multidões sanguinárias, nos horrores sombrios da guerra e nas terríveis indignidades e injustiças perpetradas contra milhões de filhos de Deus por opressores sem escrúpulos.

_____

O ódio é tão prejudicial para a pessoa que odeia. Como um câncer descontrolado, o ódio corrói a personalidade e corrói sua unidade vital. O ódio destrói o senso de valores e a objetividade do homem. Faz com que ele descreva o belo como feio e o feio como belo, e confunda o verdadeiro com o falso e o falso com o verdadeiro.

_____

Infelizmente, a história deixa algumas pessoas oprimidas e outras opressoras. E há três maneiras pelas quais os indivíduos oprimidos podem lidar com sua opressão. Uma delas é se levantar contra seus opressores com violência física e ódio corrosivo. Mas este não é o caminho. Porque o perigo e a fraqueza desse método é sua inutilidade. A violência cria muito mais problemas sociais do que resolve. E eu tenho dito, em muitas ocasiões, que como os negros, em particular, e as pessoas de cor ao redor do mundo lutam pela liberdade, se eles sucumbirem à tentação de usar a violência em sua luta, as gerações ainda não nascidas serão os alvos. uma longa e desolada noite de amargura, e nosso principal legado para o futuro será um reino sem fim de caos sem sentido. A violência não é o caminho.

Outra maneira é consentir e ceder, resignar-se à opressão. Alguns fazem. Descobrem as dificuldades do deserto para ir à terra prometida e preferem voltar aos déspotas do Egito porque é difícil entrar na terra prometida. E assim eles se resignam ao destino da opressão; de alguma forma eles consentem com isso. Mas também não é assim, porque a não cooperação com o mal é uma obrigação moral tanto quanto a cooperação com o bem.

Mas há outra maneira. E é organizar uma resistência massiva não violenta baseada no princípio do amor. Parece-me que esta é a única maneira quando nossos olhos olham para o futuro. Ao olharmos através dos anos e gerações, vamos nos desenvolver e avançar aqui. Devemos descobrir o poder do amor, o poder, o poder redentor do amor. E quando descobrirmos, podemos fazer deste velho mundo um novo mundo. Podemos tornar os homens melhores. O amor é o único caminho.

 

Lawrence W. Reed é presidente emérito da FEE, membro sênior da família Humphreys e embaixador global da liberdade da Ron Manners. Ele é autor dos livros: Jesus era um Socialista?; Heróis Reais: Incríveis Histórias Verdadeiras de Coragem, Caráter e Convicção  e  Desculpe-me, Professor: Desafiando os Mitos do Progressismo.

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação