The news is by your side.

Bolsonaro decide não prestar depoimento na PF nesta sexta

Da Redação

 

O presidente Jair Bolsonaro decidiu não depor à Polícia Federal (PF) nesta sexta-feira (28), conforme tinha determinado o ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes.

Ontem, o magistrado definiu que o presidente deveria comparecer às 14h na sede da Polícia Federal, em Brasília, para dar explicações no âmbito de um inquérito que apura o vazamento de investigação sigilosa da PF sobre ataque hacker às urnas eletrônicas.

A Advocacia-Geral da União (AGU) recorreu ao Supremo para que o presidente não seja ouvido pelas autoridades policiais até que o plenário da Corte se reúna para julgar a questão.

O ministro da AGU, Bruno Bianco, também compareceu pessoalmente à sede da PF para entregar ao delegado responsável a ação com pedido de anulação da inquirição nesta sexta.

Minutos após o recurso do governo, Moraes negou o pedido para que Bolsonaro não precise depor presencialmente à Polícia Federal. O ministro entendeu que o recurso foi apresentado fora do prazo

A AGU pediu a reconsideração da decisão de Moraes ou, caso não fosse aceito, que o recurso fosse submetido ao plenário do STF, a fim de que fosse reformada a decisão do ministro.

O governo afirmou que “ao agente político é garantida a escolha constitucional e convencional de não comparecimento em depoimento em seara investigativa”.

Mas Moraes disse que, diferentemente do que aponta o recurso, o presidente “concordou expressamente com seu depoimento pessoal”.

O inquérito foi aberto para investigação a divulgação feita por Bolsonaro, em redes sociais, de dados e documentos sigilosos de um inquérito não concluído sobre ataques ao sistema do TSE.

O presidente da República chegou a publicar um link com a íntegra do inquérito sigiloso, que a Polícia Federal não tinha concluído. O documento diz que um hacker teve acesso ao código-fonte da urnas eletrônicas em 2018.

Na ocasião, o TSE disse que o acesso indevido aos sistemas da corte não representou qualquer risco à integridade das eleições de 2018.

Isso porque, segundo o tribunal, o código-fonte dos programas utilizados passa por sucessivas verificações e testes, aptos a identificar qualquer alteração ou manipulação e que nada de anormal ocorreu.

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação